domingo, 31 de janeiro de 2016

Há 125 anos gritou-se Viva a República...31 de Janeiro de 1891...


"O mais luminoso e viril movimento de emancipação que ainda sacudiu Portugal no último século" , assim definiu João Chagas o levantamento revolucionário de 31 de Janeiro de 1891, no Porto, a primeira grande tentativa republicana de derrube da monarquia.



O ambiente de exaltação revolucionária e patriótica no Porto foi exemplarmente traduzido pela Liga Patriótica do Norte (LPN), fundada a 26 de Janeiro de 1890, logo a seguir ao ultimato. Presidida - a convite do monárquico Luís de Magalhães - pelo prestigiado poeta e socialista Antero de Quental, então radicado em Vila do Conde, a LPN reunia monárquicos e republicanos, irmanados no repúdio ao ultraje inglês e na ambição de recuperação de um país mergulhado em grave crise política, económica e social.

"Portugal - proclama Antero - expia com a amargura deste momento de humilhação e ansiedade de quarenta anos de egoísmo, de imprevidência e de relaxamento dos costumes políticos, quarenta anos de paz profunda que uma sorte raríssima nos concedeu e que só soubemos malbaratar na intriga, na vaidade, no gozo material, em vez de os aproveitar no trabalho, na reforma das instituições e no progresso das ideias".

Para o grande poeta - que após o fracasso do 31 de Janeiro regressa aos Açores, suicidando-se em Setembro de 1891 - o maior inimigo não era o inglês: " Somos nós mesmo, e só um falso patriotismo, falso e criminosamente vaidoso, pode afirmar o contrário. Declamar contra a Inglaterra é fácil: emendar os defeitos da nossa vida nacional será mais difícil (...) Portugal, ou se reformará, política, intelectual e moralmente, ou deixará de existir. Mas a reforma, para ser efectiva e fecunda, deve partir de dentro, do mais fundo do nosso ser colectivo: deve ser antes de tudo uma reforma dos sentimentos e dos costumes. Enganam-se os que julgam garantir o futuro e assegurar a nacionalidade com meios exteriores e materiais, com armamentos e alarde de força militar ".





16 comentários:

  1. Um discurso extremamente (e infelizmente) atual. :/

    ResponderEliminar
  2. E hoje, nas ruas do Porto, uma centena de pessoas voltou a gritar

    ResponderEliminar
  3. Não sei se em Bruxelas
    os eurocratas instalados
    saiba quem foi Antero
    e o significado do 31 de Janeiro

    ou muito me engano
    ou nem sequer saibam o que é
    ser Republicano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eurocratas/tecnocratas - e está tudo dito, Rogerito!

      Eliminar
  4. Os meus amigos monárquicos ainda hoje maldizem o dia.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade! E o contrário também é verdade: republicanos de alma e coração que se arrepiam quando se fala de monárquicos...

      Beijinhos republicanos...

      Eliminar
  5. Olhe esse grito, por aqui, hoje em dia, não nos diz muito não... Somos reféns de um bando nada confiável...
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por aqui não estamos muito melhor, querida Célia irmã!

      Beijinhos

      Eliminar
  6. Ontem também me lembrei do movimento de 31 de Janeiro de 1891, no Porto. Agora, Lendo Antero de Quental parece-me que regredimos...
    "Portugal, ou se reformará, política, intelectual e moralmente, ou deixará de existir"...
    Um beijo, Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Antero, um grande visionário. Infelizmente para nós.

      Beijinho.

      Eliminar
  7. «Portugal, ou se reformará, política, intelectual e moralmente, ou deixará de existir. Mas a reforma, para ser efectiva e fecunda, deve partir de dentro, do mais fundo do nosso ser colectivo...»
    Ficámos aqui?

    Um beijo

    Lídia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai esta poetas - Lídia e Graça - que se encontram nas palavras de Antero, o grande poeta filósofo.

      Beijinhos para ambas.

      Eliminar
  8. muito bem lembrado...

    para que a Memória não se apague.

    beijo

    ResponderEliminar