terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Mudança de paradigma

Aqui d’el rei que o novo (novíssimo) ministro da Educação acabou com os exames dos 4º e 6º anos sem dizer nada a ninguém! O DN não para de escrever sobre o assunto nas suas páginas quase dia sim, dia não. Que não foi feita uma avaliação do sistema de avaliação por exames, que as pessoas não foram consultadas, que os professores não concordam, que não sei o quê, não sei o que mais…

«Conhecidas» – porque se fizeram conhecer – professoras do ensino secundário afirmam no facebook que não concordam nada com esta mudança abrupta e que não viam mal nenhum em que se fizessem exames no 4º ano; outros respondem-lhes que voltamos à promoção da ignorância.

Ignorância é realmente continuar a acreditar que os alunos ficam mais educados, mais instruídos, mais aptos para a vida só pelo facto de fazerem umas quaisquer provas de exame logo aos 10 anos. Provas para as quais os professores gastavam aulas e aulas a mecanizar os alunos em detrimento de aulas planeadas para o desenvolvimento das mentes e das matérias.

Não me lembro que o ministro (C)rato tenha consultado ou informado ou posto à discussão pública a sua política de educação, de triste memória, nem que tenha realizado estudos para que ela fosse adotada! Lembro-me que escreveu um livrinho com um título que pretendia trazer infâmia sobre o paradigma educacional baseado nos estudos realizados pelas Ciências da Educação de que foi «pai» o excelente ministro Roberto Carneiro tendo encomendado os célebres e bem gizados Documentos Preparatórios de que já ninguém se lembra e que, infelizmente, poucos professores leram e estudaram. Nesse livrinho, que por acaso também poucos professores leram, o ministro (C)rato deixou claro o estilo de organização e avaliação de conhecimentos que defendia para a Escola e como pretendia fazê-la regressar aos tempos anteriores a Veiga Simão e que quase ia conseguindo.

Já o disse aqui antes e por mais de uma vez que os pseudo-elitistas deste país aplaudiram de pé e foram muitos os professores que o fizeram, embora depois, muitos deles tenham entendido o logro em que tinham caído.

Hoje o novo (novíssimo) ministro da Educação veio a público dizer apenas aquilo que é a mais simples das verdades: que as mudanças agora introduzidas no sistema de avaliação do ensino básico têm um só propósito que é repor o conceito de Escola como uma escola inclusiva, uma escola para todos e não como uma escola seletiva!

É só isso (o que não é nada pouco!) Quem não entende, paciência. É porque ainda está a viver ou com o pensamento posto no 24 de Abril.






20 comentários:

  1. "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina."
    Cora Coralina

    Parabéns pela postagem, Graça!

    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, professora!

      Beijinho aqui desta professora...

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. Concordo plenamente, Graça. Só entendo que é necessário que se acrescente o que será feito com os resultados da aferição. Como se procederá para ultrapassar as lacunas detectadas, que recursos serão mobilizados (ou melhor, poderão ser...). Talvez isso fizesse os críticos entender. Embora eu ache que é uma questão ideológica e quem é contra, deverá continuar a ser, infelizmente.

    Beijos. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As provas de aferição não são novas; já foram utilizadas antes. Mas concordo, sim, é preciso explicar o processo todo para os pais e o público em geral entenderem.

      Eliminar
  4. Absolutamente de acordo. Infelizmente este é o país dos velhos do Restelo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Bem, eu não me sinto com capacidades para discutir um assunto tão delicado e importante para o futuro de um país. O que me admira é que se discuta tanto agora, sobre a educação e sobre outras regras que o governo anterior impôs sem pedir opinião daqueles que agora andam com tanta azia.
    Parece que o povo só está satisfeito quando lhe metem a canga. :/

    ResponderEliminar
  6. Estou a leste.
    As minhas filhas não frequentam o sistema de ensino português e confesso que não conheço com detalhe o que se passa.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É natural, Pedro. Se as meninas frequentam outros sistema de ensino... Espero bem que esteja tudo a correr pelo melhor com elas.

      Beijinhos.

      Eliminar
  7. Concordo com o seu pensamento e ainda quero lembrar a suspensão do exame de Cambridge do 9ºano (muito contestado pelos professores de inglês) por ser incompatível com o modelo de avaliação das provas de aferição.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E lembra bem, mz! Esse exame então é que nunca se entendeu, nem o antigo ministro alguma vez explicou esse atropelo!

      Eliminar
  8. Esta polémica dos exames do 4º ano é parva todos os dias, com uma série de gente a dizer parvoeiras do género "eu fiz, e não me fez mal nenhum". De qualquer das formas considero que os vários partidos políticos, sindicatos de professores e seus representantes se deveriam reunir e decidir de uma vez por todas o modelo de ensino: assim, os alunos vivem uma constante incerteza sobre o que lhes reserva o futuro, e isso não me parece nada saudável.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto, assim deveria ser. Em nome do superior interesse dos alunos.

      Beijinhos.

      Eliminar
  9. Sabes que para mim, a política, me faz lembrar constantemente, qualquer que seja o Governo e os Ministros, a estória de "O Velho, o Rapaz e o Burro" ?
    Não tarda que as queixas sobre os novos Ministros cheguem em cataduptas, mas atenção, não por que sejam estes ! ... mas quaisquer que sejam !!!

    Beijinho, Graça !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois! É conforme o(s) ponto(s) de vista!!...

      Beijinho

      Eliminar
  10. ~~~
    O que é triste é ler num blogue de um agente da comunicação social, com um percurso laboral cosmopolita e que agora dá aulas no ensino superior, os mesmos despropósitos que ouvimos de pessoas comuns.

    É preciso esclarecer que a «Educação para a Inclusão» não é apanágio do ideário do PS, nem de qualquer ministro, é, sim, um conceito de educação praticado por todos os países evoluídos, tendo o Canadá e países nórdicos, como principais impulsionadores.

    Atualmente, é o sistema de educação preconizado pela UNESCO para todo o mundo.

    Hoje, o que tal o professor universitário lamentava era o incómodo que causavam as mudanças...

    Mudanças na forma de educar são salutares, pois provam que as ciencias que apoiam a educação são vivas - baseiam-se em pesquisa, investigação científica e estudos aplicados, realizados, cruzados e partilhados a nível internacional.

    Há muita dificuldade em entender o que é uma avaliação contínua - com registos diários, semanais, mensais e trimestrais - em perceber que uma disciplina tem de ser avaliada em diferentes aspetos paramétricos e que atingir os objetivos é positivo, porém, não é tudo.

    Como se pode avaliar num exame, as qualidades participativas, de atenção, interesse e empenho?
    Nem tudo é objetivo, numa avaliação e é neste aspeto que a
    auto-avaliação praticada pelos alunos, é muito positiva na evolução do seu percurso.

    Muito haveria a dizer - procurei ser concisa...

    ~~~ Graça, beijinhos pedagógicos. ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bem dito, Majo!!! Subscrevo cada palavra. Obrigada.

      Beijinhos pedagógicos.

      Eliminar
  11. Pois eu agradecia que em vez de ouvir analises e criticas em que tanto os que estão a favor como os que estão contra se perdem em longas conversetas, os professores nos dissessem preto no branco o que é que se pode aproveitar e o que se tem que mudar de modo que nós que não somos nem políticos nem professores pudessemos entender...bjs

    ResponderEliminar
  12. ~~~
    O pior entendedor é o que não quer entender...
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar