terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Exame ou não-exame: that is the question...

No nosso país há dois temas que toda a gente se acha no direito de comentar (ou mandar uns bitaites…): o futebol e a educação.

Os jornais e os noticiários desdobram-se em artigos, comentários e opiniões sobre a educação, mas, ao contrário do que acontece com a economia – em que vão buscar especialistas nem que seja à China (?!) – raramente se fazem valer de (verdadeiros) especialistas em educação.

Ontem, espantei-me com uma entrevista feita ao Professor Joaquim Azevedo que o DN promoveu e publicou. O título, só por si, (não me dando embora grande novidade) é francamente inspirador: “O nosso modelo escolar é do séc. XVIII e não está adaptado à realidade”. Depois de dizer muito simplesmente que o modelo está esgotado e que há mais de vinte anos que se sabe que está esgotado, afirma que o problema da educação - que se centra na desatenção e no desinteresse dos alunos pelas matérias escolares que provocam desmotivação e indisciplina - não passa, nem de perto nem de longe, pela realização ou não de exames. A propósito desta «guerra» dos exames e da avaliação formativa, diz que, no seu trabalho pelas escolas, vê que os professores só sabem é classificar (não avaliar…)

Sobre isto menciona o novo modelo de educação implementado na Finlândia e nos colégios jesuítas da Catalunha que rompe completamente com toda a organização letiva passando a estruturar o processo de ensino-aprendizagem a partir de temas que interessem aos alunos. Porém, todo este processo está a ser preparado na Finlândia há trinta anos tendo-se começado a investir nos professores, mudando a formação inicial e as regras de funcionamento da profissão docente. Adaptando esta questão ao nosso país, expõe a forma como se poderia começar a preparar por cá a implementação deste modelo. E, para isso, propõe que a nota mínima de acesso à profissão docente deveria ser 16. Exigir ao nível do que se exige para a Medicina.

Mas a entrevistadora – Ana Sousa Dias – insiste na questão dos exames ou não-exames que muitos dizem que tem a ver com a permissividade e a indisciplina. Ao que o Professor contrapõe: «Isso é uma conversa estafada. Essas tensões existem mas o problema não é esse. É uma mistificação, porque um sistema com exames pode ser altamente permissivo. Ficam bem os que ficam bem no exame. E os outros? Em Portugal, aumentou imenso, nos últimos anos, a retenção no 2.º ano. Porquê? Pelo efeito do exame. Mas aprende-se melhor? Temos de ir um bocadinho mais atrás, mais longe. Esse tipo de discussão cansa-me, não conduz a nada. Vivemos num mundo de faz de conta: faz de conta que escola funciona bem; faz de conta que os exames são bons para os alunos aprenderem; faz de conta que os professores ensinam bem; faz de conta que a legislação que o ministério põe cá fora é eficaz e que os professores e as escolas a seguem, faz de conta que existe avaliação formativa.»

A questão que eu ponho é a seguinte: sendo o Professor Joaquim de Azevedo um homem da área político-partidária mais próxima do PSD, e com os conhecimentos profundos que «ganhou» com os seus estudos e experiência no âmbito das Ciências da Educação, porque não conseguiu pôr algum juízo na cabeça no ministro (C)rato?

O que se tinha evitado!!

18 comentários:

  1. São ideias que ficam caras, Graça!
    O que conseguiram foi fazer dos professores uma classe na qual todos "batem" e que se sente abatida.

    Beijos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bem verdade, Maria! toda a gente «bate» nos professores...

      Eliminar
  2. Graça,

    Começo pelo fim, nunca será possível meter juízo na cabeça a quem há muito a não tem!

    Depois, se o homem é próximo do PSD ninguém percebe porquê, pois eu penso mais ou menos o mesmo...

    Por fim, vou ao principio: como não falo (quase nunca) de futebol, aprimorei-me a dar bitaites sobre educação!

    Tem visto? Não?

    ResponderEliminar
  3. Futebol, até discuto (percebo uma coisas).
    Política educativa deixo para quem entende.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gente inteligente é assim que faz...

      Beijinhos, Pedro.

      Eliminar
  4. Pois é! Todos sabem de Educação, mas poucos sabem encontrar soluções credíveis para uma Escola mais eficaz. Será porque ela é, sem mais nem menos, o espelho da Sociedade onde se insere, das disfunções, aturdimentos e desconsertos dos tempos que vão correndo?

    Bj.

    Lídia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Pescadinha de rabo na boca», Lídia. Uma é espelho da outra e assim vamos...

      Eliminar
  5. Pois é amiga, falar de educação deve ser para quem
    verdadeiramente saiba do assunto, mas que as mexidas
    constantes não me parecem muito bem, mas...
    cada governo/cada Ministro.
    Veremos se este fará algo de positivo se lá estiver
    tempo suficiente para tal.
    Bjs. e o desejo que se encontre bem.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver o que vai ser o nosso futuro próximo, Irene. Receio o pior...

      Eliminar
  6. ~~~
    Um comentário excelente, assim como a pertinente pergunta.

    ~~~ Beijinhos, Graça. ~~~

    ResponderEliminar
  7. Por aqui (Portugal) impera a cultura do bitaite, Graça !
    "Treinadores de bancada" é coisa que não falta em nenhum dos campos, desde o futebol, passando pela economia e acabando na política !
    Não há Presidente nem Governo que se mantenha bem visto e isso vai ser demonstrado em poucos meses !
    Todos são (somos) "especialistas" do bitaite, do que não conhecemos .
    O problema põe-se é ao fim de algum tempo, em que a partir de certas situações reais, afinal as coisas não são bem assim como pareciam à primeira vista ! ... e isso é uma pena e torna o país ingovernável a curto prazo ! Ninguém gosta de ver cada macaco no seu galho !
    Oposição sim, é o que dá ! Mais cómodo não pode haver ! ...
    É tãããoo fácil !!!

    Abraço, Graça !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai, ai, Rui! Este país não tem emenda!!

      Mais cómodo ainda é «absterem-se» do voto e de tudo... É a cultura do «deixa andar». Um sufoco!

      Beijinhos

      Eliminar
  8. A Educação vai mal? O que é que vai bem neste País?
    O problema é não há ideia nenhuma na cabecinha dos nossos maiores. O melhor que se arranja são copy paste mal amanhados ou o regresso ao passado. Veja-se o que o ministro Crato fez: exames e facilitação da privatização da educação.
    E eu não percebo nada do assunto mas há coisas que se vêem à distância.

    ResponderEliminar