domingo, 24 de janeiro de 2016

Felizmente há luar...

«Aquela fogueira, António, há de incendiar esta terra! (...)

Olhem bem! Limpem os olhos no clarão daquela fogueira e abram as almas ao que ela nos ensina!
Até a noite foi feita para que a vísseis até ao fim...

Felizmente - felizmente há luar!»

(Luís de Sttau Monteiro)




29 comentários:

  1. Um luar que desviou um pouco a escuridão da noite...

    ResponderEliminar
  2. "Felizmente, há Luar", e não, "Angústia para o Jantar"!

    "Nunca vi nada que não fosse lógico. Tudo tem uma lógica, muito embora esteja por vezes escondido. É a isso que chamamos o segredo das coisas."

    E que o Luar ilumine o triunvirato!
    Dar com uma mão e tirar com a outra é deitar areia nos olhos dos que querem ver Luz e não Escuridão. Como no tempo em que as metáforas existiam para enganar o ditador.
    Hoje, pode e deve usar-se de transparência.

    Hoje, somos livres...de voar! :)

    ResponderEliminar
  3. Luar? Lua?
    O que eu queria mesmo era sol
    Sol para todos nós!

    ResponderEliminar
  4. (Não sei se o António leu "Felizmente Há Luar", muito menos a Maria.

    abraço e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O António leu, de certeza... A Maria, talvez não!!

      Boa semana, aprés tout...

      Eliminar
  5. Havia luar naquela madrugada de 1817. O General Gomes Freire de Andrade foi preso na sua residência em Lisboa, na rua do Salitre, e levado para São Julião da Barra, onde foi enforcado. A sua mulher, angustiada, teria dito: FELIZMENTE HÁ LUAR. A obra de Luís Stau Monteiro foi proibida pela pide...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Segundo li, foi um dos carrascos a dizer a frase,,,mas , claro, pode não ser assim

      Eliminar
    2. http://www.esa.esaportugues.com/programa/Sttau_Monteiro/analise.htm

      Eliminar
    3. No final foi a Matilde, a mulher do General.

      Eliminar
  6. Tal como o Rogério eu vi um eclipse, e tal como comentei no seu blogue "Conversa Avinagrada " ontem lembrei-me deste poema:

    Esta gente cujo rosto
    Às vezes luminoso
    E outras vezes tosco

    Ora me lembra escravos
    Ora me lembra reis

    Faz renascer meu gosto
    De luta e de combate
    Contra o abutre e a cobra
    O porco e o milhafre

    Pois a gente que tem
    O rosto desenhado
    Por paciência e fome
    É a gente em quem
    Um país ocupado
    Escreve o seu nome

    E em frente desta gente
    Ignorada e pisada
    Como a pedra do chão
    E mais do que a pedra
    Humilhada e calcada

    Meu canto se renova
    E recomeço a busca
    De um país liberto
    De uma vida limpa
    E de um tempo justo

    Sophia de Mello Breyner Andresen


    Que não desistamos de um tempo justo !

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também passei por esse poema, mas penso que já o publiquei por aqui e por isso o recolhi... É muito bom!

      Beijinho.

      Eliminar
  7. A evidência das coisas, matematicamente, apesar dum luar anunciado.Mas este povo é de quarto minguante!

    ResponderEliminar
  8. Gracinhamiga

    Aqui em Goa FELIZMENTE HOUVE LUAR! Mas, pelo Portugal dos pequenitos houve infelizmente um desastre!!!!

    E deitámo-nos -a Raquel e eu - pelas quatro e meia da matina de cá para ouvermos ouvirmos e vermos o Marcelo Caetan.., oops, Sousa ganhar à primeira volta...

    AVISO

    MAIS UMA VEZ ACONTECEU-ME UMA PORRA: O MEU IMEILE DA SAPO PIFOU!!!!!!!!!

    O BLOGUE FICOU,MAS ESTOU SEM POSSIBILIDADES DE ENVIAR TEXTOS!!! ESTOU QUASE A FICAR DESANIMADO...

    MAS VOU TENTAR ABRIR UM NOVO IMEILE NUMA PLATAFORMA INDIANA. DEPOIS ENVIAREI O SEU ENDEREÇO - SE O CONSEGUIR FAZER...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Henriquamigo, tem de ir à bruxa! Não as haverá por aí em Goa?!... :)

      Eliminar
  9. Graça, não há luar que me console...

    Sol, quero Sol !!!

    Beijinhos e boa semana

    ResponderEliminar
  10. Percebo a ironia, Graça. A noite foi de luar mas para ver o quê?...
    Foi bom lembrar Luís de Sttau Monteiro...
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  11. Olá Gracinha

    Venho agradecer a visita no meu Birras, e os parabéns pelas nossas Bodas de Ouro - 50 anos é tanto tempo, só agora reparo que passou tão depressa...
    Grata pela atenção.
    Beijinho
    Dilita

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  13. Olá, Graça
    Foi bom recordar Sttau Monteiro, que li há muitos anos e consta da minha "biblioteca". Mas só...

    Semana radiosa desejo.

    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  14. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  15. Gracinhamiga

    INFORMAÇÃO

    ALELUIA! GLORIA IN EXCELSIS DEO!!!!

    JÁ TENHO UM NOVO IMEILE DESTA FEITA INDIANÍSSIMO PARA O QUAL PODEM ENVIAR O QUE QUISEREM. É O

    henrique20091941@rediffmail.com


    Bjs da Raquel e qjs do Leãozão

    ResponderEliminar
  16. Olá Gracinha

    Percebi a ironia...
    --------------------------------------
    Gostei de recordar Sttau Monteiro. Tive o gosto de assistir a esta peça, no tempo em que a televisão transmitia Teatro...
    Hoje está diferente.
    Abraço.
    Dilita

    ResponderEliminar
  17. Felizmente, Graça! Para alegrar um domingo triste...

    ResponderEliminar
  18. Felizmente!...

    há luares assim "a incendiar a Terra"
    apesar das nuvens negras.

    beijo, minha amiga

    ResponderEliminar
  19. Sttau Monteiro teria entristecido com este povo pouco dado a luares...

    Beijos, Graça :)

    ResponderEliminar