sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Dos pares mais bonitos de Hollywood

No tempo em que o cinema era rei e em que os cinemas eram edifícios respeitáveis e elegantes com salas amplas e brilhantes de luzes e o flagelo das pipocas não tinha ainda sido instituído, o nosso sábado à noite era muitas vezes gasto em idas ao cinema. 

Porque hoje é sábado, convido-vos a rever um dos pares mais bonito de Hollywood.






Um dos filmes mais marcantes dos anos 50 e um dos filmes da minha vida. Todos se lembram do título, não é verdade?

Bom fim de semana e, já agora, bons filmes.

19 comentários:

  1. Não são do meu tempo mas reconheço a beleza:)

    ResponderEliminar
  2. Na verdade não me lembro! acho que nunca vi mas gostava de saber qual o titulo!
    Bom fim de semana
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Concordo plenamente Graça e não só pela sua beleza ! Que dois grandes actores ! ... E já em fins dos anos 50 , não havia vertigens, mesmo com as "patas" quentes" !

    Um Bom Fim de Semana, Graça !
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah ah ah, Rui! Podia dizer o título à vontade.... Não se trata de um enigma!

      Beijinhos.

      Eliminar
  4. "Gata em Telhado de Zinco Quente" , um excelente filme...com duas das pessoas mais bonitas que Hollywood já teve...

    Bons sonhos , Graça :)

    ResponderEliminar
  5. Gata em telhado de zinco quente!
    Mas mesmo com esta beldade e com outras o Paul, um gato, foi sempre fiel à sua Joanne...coisa pouco vulgar no mundo do cinema!

    Abraço

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
  6. Houve uma altura em que era cinéfilo,
    não perdia um bom filme
    e este também eu não perdi...

    ResponderEliminar
  7. Só o vi mais tarde, porque nos anos 50 ainda não podia ver filmes desses, mas concordo consigo, Graça. E que saudades eu tenho das idas ao cinema ao sábado à noite e dos "Sábados à tarede, num cinema da Avenida"...
    Bom FDS

    ResponderEliminar
  8. Nos anos 50 nasci eu, por isso não via filmes :) não sei de que filme se trata!
    Dos cinemas tenho muitas, mas muitas saudades.

    Bom fim de semana Graça.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Gata em telhado de zinco quente» segundo uma obre de Tenessee Williams. Muito bom!!

      Eliminar
  9. No tempo em que ir ao cinema era um ritual que era pensado com antecedência, ver este e outros grandes filmes, era a certeza que ficavam gravados para a vida. Quanto a este filme, baseado na obra de Tennessee Williams, ainda que maravilhoso, perde algo em relação à obra do autor, mas isso é outra conversa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os filmes perdem sempre em relação aos livros - digo eu...

      Eliminar
  10. Gracinhamiga

    O Rui é um verdadeiro manipulador das palavras para dar "dicas"... rrrsss. Eu sou mais pelo contrário, um desbocado. Claro que vi (e adorei) o Gata em telhado de zinco quente. Não sei quem é o "anónimo" (nem quero saber porque não gosto de "anónimos").

    Mas abro uma excepção e sempre lhe digo que o Tenessee adorou o filme. Foi ele próprio que o disse quando foi galardoado com a Medalha Presidencial da Liberdade pelo presidente Jimmy Carter, mais precisamente quando agradeceu a condecoração. Eu (ainda) sei coisas que não lembram ao Diabo...

    Como sabes Gracinhamiga, adoro a Verdade; daí que re recorde sempre da Maggie, ou seja da Elizabeth Taylor quando grita: Verdade! Verdade! Todos querem a verdade! Mas a verdade é tão suja como a mentira!

    Qjs

    ResponderEliminar
  11. ~ ~ Uma curiosidade: Paul Newman era daltónico, pelo que, nunca teve a completa noção da sua beleza, nem da rara beleza dos olhos de Liz que dizem terem sido de um azul violeta espetacular, nem dos olhos verdes da sua magnífica Joanne.

    ~ Todos nós, vimos o filme mais tarde, mas todos estamos de acordo: gostámos das magníficas interpretações.

    ~ ~ ~ Foi uma boa recordação. ~ ~ ~ Beijinhos. ~ ~ ~

    ResponderEliminar
  12. Gostei muito deste filme e depois arranjei a peça :)

    ResponderEliminar
  13. Ir ao cinema eram oportunidades de nos arranjarmos, de ver gente bonita, de catrapiscar, de convier nos intervalos com prolongamento no final da fita e de contemplar na tela os deuses da nossa devoção.
    Não havia ainda a moda do milho para galinhas esfomeadas.
    Toda a gente via naquela época (anos sessenta) o par e o filme evocados pela Graça. Boas recordações nos traz.

    ResponderEliminar