sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Dia do idoso

Foi ontem que se celebrou o Dia Internacional do Idoso. A mim – e a muitos de nós – parece-me ridículo a celebração deste dia e até o nome de «idoso», mas entendo que a ONU sentisse, a certa altura, aí por 1991, a preocupação de chamar a atenção para as questões do envelhecimento e da protecção e cuidados a ter com os mais velhos.

Mas o que é, de facto, um idoso? Convencionou-se que idoso é todo aquele que tem 65 ou mais anos de idade. Mas também isso, como tudo na vida, é muito relativo. E cada vez mais!

No passado dia 26, na sessão solene de reabertura da Academia de Cultura e Cooperação da Santa Casada Misericórdia de Leiria, assisti a uma palestra em que o palestrante, o coordenador da Academia Cultural da Santa Casa de Lisboa, um simpático e extraordinariamente entusiasmado e entusiasmante ex-professor de Física Quântica da Faculdade de Ciências de Lisboa, arrebatou com o seu discurso um auditório cheio de «idosos» durante cerca de hora e meia.

Depois de se questionar alegremente sobre o que era um «idoso», um «sénior», um «velho», uma «pessoa da terceira idade», um «cota» e a partir de que idade se devem designar assim as pessoas, disse ele entre muitas outras coisas sábias:

- definiu-se a «terceira idade, mas ter-se-á definido a primeira e a segunda?

 - a longevidade está aí: fala-se já de uma quarta idade e adivinha-se quinta pelo que as pessoas desocupadas e cheias de saber e de experiência de vida devem manter-se ativas e em jovial convivialidade, daí que sejam cada vez mais importantes as academias de cultura – recusa chamar-lhes «universidades seniores» porque estas dão atribuem diplomas e graus – cujos objetivos deverão ter a ver com o convívio, a ocupação de tempos de ócio, a troca de dinâmicas, o trabalho intergeracional, o otimismo, as empatias e as partilhas, o amor!

- viva-se que a vida é apaixonante! Recusemos a ideia de «velho» porque velhos são os bons vinhos e os bons amigos! Ninguém quer ser velho, mas todos queremos chegar a velhos; quando um velho morre é uma biblioteca que fecha! E, ao proferir esta frase tão sábia, lembrei-me do meu querido Professor Vitorino Nemésio que, às portas da morte, conta-se que terá dito: «Nunca tive tanto saber acumulado

Pois a Academia Cultural e de Cooperação da Santa Casa da Misericórdia de Leiria vai, muito em breve, (re)abrir portas ao fim de três ou quatro anos em que não funcionou. De início vai contar com sessões (abertas a pessoas que já não trabalhem nas suas profissões) de Artes Performativas – Pintura, Arte da Reciclagem, Música e eventualmente Teatro – História(s) e Factos de Leiria; Escrita Criativa; Enologia e Inglês. As sessões terão lugar da parte da tarde, de 2ª a 6ª feira no espaço do Lar da Misericórdia à Senhora da Encarnação. Os monitores são todos ex-professores das escolas de Leiria (nos quais me incluo…). Haverá visitas de estudo e muita animação…

Se, por acaso, passar por aqui, for de Leiria ou arredores e estiver interessado em ser «alunos» ou até monitor – why not? – poderá dirigir-se para mais informações e pormenores ao Lar da Santa Casa. 


                                                          Contactos
Cristina Agostinho - 914 987 292
Marta Violante - 966 576 214
Av. N. Senhora de Encarnação
geral@misericordiadeleiria.p




11 comentários:

  1. Uma excelente iniciativa.

    E que os "jovens" adiram em massa.
    : )

    ResponderEliminar
  2. Um espaço de partilha intergeracional é uma excelente ideia, agora espaços só com pessoas da mesma geração acho redutor!
    Fui convidada, há uns tempos, para "monitora" numa US (universidade sénior) termo que também não aprecio e não aceitei por isso mesmo.
    Penso que vocês, pelo que depreendo, irão ter gente jovem nessa dinâmica e isso é muito importante!


    Abraço e muito sucesso

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, amiga! (Não queres vir dar Literatura e Pensamento?!.... Uma vez por semana, só...

      Eliminar
  3. Tudo faria para ser teu aluno.
    A distância nos separa, como diz a canção.
    Excelentes iniciativas essas, que em países organizados e evoluídos, esta parte pertence ao estado social. No caso português infelizmente diariamente vamos ficando com cada vez menos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes vir.... eheheheheh.... E muito obrigada pela confiança nesta velha professora!

      Eliminar
  4. Um post muito interessante, Graça. Sinto-me acompanhada, e bem acompanhada, nas minhas preocupações de mulher da terceira idade! E penso que as universidades sénior - está bem, academias de cultura é mais bonito - são uma das grandes "invenções" sociais dos últimos tempos!

    ResponderEliminar
  5. No Guia do Idoso que acabei de escrever, também já abordo- ainda que superficialmente - essa questão da quarta idade que tem toda a lógica. Quanto à decisão da ONU tem a ver com duas coisas: a definição e elencagem dos direitos dos idosos ( também consagrados na Carta Europeia dos Direitos Fundamentais) e a necessidade de tomar medidas a nível global, em virtude do envelhecimento progressivo da população. Nomeadamente no que concerne ao Envelhecimento Activo
    Uma iniciativa que merece forte aplauso, essa da Santa Casa de Leiria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver se conseguimos levá-la a bom porto, Carlos.

      Eliminar
  6. Gostei do post, muito.


    Agora somos séniores...enfim, haja pachorra

    Pena que este bando do Poder não nos respeite e nem se lembre que chegará também a ser velho !! Mas não ficarão impunes, ai não !

    Bom resto de dia :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora somos a «peste grisalha», São! Filhos de um cão raivoso!!

      Eliminar