quinta-feira, 25 de maio de 2017

No dia da espiga

Eu podia hoje falar do trágico ataque terrorista que aconteceu na cidade de Manchester – mais um! E quantos mais poderão acontecer?

Poderia, por outro lado, lamentar as trágicas mortes inúteis dos tantos milhares de sírios, de afegãos, de iraquianos (e crianças, senhor!) por força daquelas “primaveras” árabes de tão triste memória. E as crianças e as famílias que sucumbem naquelas travessias lúgubres da Líbia para a Itália em precários barcos de borracha?

Poderia comentar a balbúrdia instalada em Brasília por um presidente que, ávido do poder, conspirou e destituiu a sua antecessora e que agora se vê na mesma situação, agarrando-se, frágil e temeroso, ao posto do comando, prometendo – ou ameaçando – não sair!

Poderia ainda ironizar, zombar, escarnecer as cenas façanhosas daquele presidente tartufo que o povo americano escolheu – ou se lhe impôs, sei lá! – nas suas rústicas visitas a Moscovo, ao Vaticano e hoje na NATO.

Poderia, tão-somente, deixar aqui o pensamento que me tem assolado o espírito ultimamente sobre o número de greves que têm sido convocadas para a função pública – convenientemente marcadas para as sextas-feiras, note-se! – número mais elevado, parece-me, no espaço de tempo em que o atual governo está em funções do que nos quatro longos anos do governo anterior que, esse sim, deitou por terra grande parte dos benefícios dos ditos funcionários…

Mas não!... Hoje foi o dia da espiga – tradição tão nossa, tão simples e primaveril, que dá vontade de reler Cesário Verde e trautear música popular de qualidade…

«Espreitam-te, por cima, as frestas dos celeiros;
                O sol abrasa as terras já ceifadas,
                E alvejam-te, na sombra dos pinheiros,
                Sobre os teus pés decentes, verdadeiros,
                As saias curtas, frescas, engomadas.(…)

Exótica! E cheguei-me ao pé de ti. Que vejo!
                No atalho enxuto e branco das espigas
                Caídas das carradas no salmejo,
                Esguio e a negrejar em um cortejo,

                Destaca-se um carreiro de formigas(…)»

("De Verão", Cesário Verde, 1887)





Votos de muita farturinha para todos!




24 comentários:

  1. Quinta-feita da espiga nao era o dia dos namorados?
    Grande Amalia! : ))

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. E eu lembro-me porque a senhora que me limpa a casa pergunta-me sempre onde vou à espiga...

      Beijinho.

      Eliminar
  3. Dia da espiga é feriado aqui na Marinha Grande e tradição de ir fazer piquenique na nossa mata!
    Para mim foi mais uma viagem a Coimbra.

    Já não me lembrava desta música cantada pela Amália.

    Beijinho Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem sei que é o dia da cidade da Marinha, Adélia.
      Lamento não teres podido festejá-lo convenientemente... :((

      Quanto às canções... cá estou eu para vo-las fazer lembrar...

      Beijinhos cantados...

      Eliminar
  4. Parece que a celebração da Espiga foi esmorecendo. Quando vierem as trovoadas sempre quero ver como se fará.
    Será que o rol de desgraças do Mundo, que a Graça apontou, vai aumentar ainda maise a sensibilidade do homem diminuir?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que não, Agostinho. Pelo menos, não foi essa a minha intenção...

      Eliminar
  5. São muitas, como diz. as "desgraças" que vão por este mundo fora! Fica-nos a lembrança maravilhosa da nossa Amália com o trevo (de 4 folhas?) neste Dia de Espiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grande trevo de 4 folhas para si, amigo Manuel. E para todos nós, que bem precisamos.

      Eliminar
  6. Amiga ainda bem que nem tudo é mau!
    Uma comemoração que desconhecia!!! Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh!!! A menina não conhecia esta tradição tão portuguesinha?!

      Mas está, de facto, muito esquecida... e é uma pena porque é tão primaveril! Se tivessem sido os americanos a festejá-la, nós, portuguesinhos tontos, depressa a imitaríamos...

      Eliminar
  7. Por aqui foi feriado e dia de ir para o campo. Foi um bom dia!

    ResponderEliminar
  8. Agora também já é Dia que me passa e passa sem que dê por ele, Graça! :) Mas, tempo houve, em que ia para o campo com as minhas amigas apanhar o ramo da espiga. Se tivesses ido ao 5º Encontro, terias visto fotos que tirei, nos Olivais, dos anos 60, com duas amigas. todas três vestidas de igual. :))

    Beijinhos Graça. Adorei reler Cesário Verde, ouvir a nossa querida Diva do fado, e claro, ler-te a ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cesário é outro (dos muitos outros) que também está completamente esquecido... Um impressionista como Monet... mas português...

      Eliminar
  9. Eu também fico pela poesia de um dos maiores poetas portugueses. Ultimamente, até receio ler ou ouvir notícias.

    Os portugueses têm de amar o Donald Trump. Ele também odeia a ALEMANHA, embora as críticas ao país onde vivo, não sejam tão disparatadas como parecem à primeira vista.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo bem o teu azedume contra quem se opõe à Alemanha porque é o país onde gostas de viver. Mas temos de admitir que os alemães também se põem a jeito. Não estou a falar do Trump, que esse é um energúmeno sem miolo!

      Eliminar
  10. Podias ter falado de muitas coisas tristes que acabaste de mencionar, mas o melhor foi a forma como assinalaste o dia da espiga. Gostei de recordar a voz da nossa Amália.
    Eu fui apanhar a espiga.
    Que haja sempre muita farturinha em tua casa,

    Beijinhos Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que lindo, teres ido apanhar a espiga! Trouxeste fotografias lindas, imagino!!!

      Beijinho.

      Eliminar
  11. Boas leituras, sempre!

    " "as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam"... E eu que nunca colhi as plantas para a espiga. Não havia esse costume, que me lembre, por aqui.

    Bom domingo!

    Bj.

    Lídia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lindas palavras sempre! As suas. Bem haja.

      Beijinho.

      Eliminar
  12. Embora seja feriado no meu concelho natal eu não o gozo, pois trabalho noutro local. E este ano não arranjei nenhum raminho de espiga. :(

    ResponderEliminar