segunda-feira, 22 de maio de 2017

Dia de...

Deus do céu!!! Fiquei agora a saber que o dia de hoje é, para além (da pepineira) do Dia do Abraço – o facebook e os telejornais estão cheios de pessoas a darem abraços apenas porque é o dito dia deles – é também o Dia do Autor Português (o que me parece bastante louvável, se servir para celebrar os autores portugueses) – e é também do Dia da Biodiversidade – não me perguntem porquê.

Será que os dias do ano já não chegam para comemorar mais Dias de? Ou foi só porque sim, porque calhou? Será que não há nada de mais importante e substancial para entreter o pessoal ou assim fica mais barato e ajuda a manter-nos levezinhos e simples (leia-se simplórios…)?

Sei, não! O que sei é que o facebook e os telejornais bem se encheram com imagens tolinhas de pessoas a correr com cartazes no ar a pedir e a querer dar abraços, mas quanto aos Autores Portugueses e à Biodiversidade, nem palavra! – É que essas realidades não são divertidas, nem servem para manter o pessoal levezinho e simplório… (Ui, o que eu vou levar na cabeça pelo que estou para aqui a dizer! Mas é assim que penso, que se há de fazer?!)

Lembram-se do fado do Zé Cacilheiro (1966) cantado pelo José Viana, ator do teatro de revista, cantor e desenhador? Pois veio-me à memória parte da letra que dizia qualquer coisa como:
«eu vi ou então sonhei
que os braços do Cristo-Rei
estavam a abraçar Lisboa»

que é uma imagem lindíssima da nossa lindíssima Lisboa.

E assim dá para celebrar o Abraço (a Lisboa), os Autores Portugueses (que escreveram a canção: César de Oliveira e outros) e a Biodiversidade (com todos os seres vivo, micro e magro organismos que se adivinham no Tejo e nas lindas margens que o abraçam…





Ah! Mas há mais: é que hoje é também o Dia da cidade de Leiria, toda ela abraçada pelo Lis, sob o olhar vetusto e atento do Castelo…











19 comentários:

  1. Um verdadeiro três em um. Esta tarde participei duma tertúlia, alusiva ao dia do autor português. A mim tocou-me ler, a "Balada da Neve" de Augusto Gil. Não foi difícil. Difícil vai ser na Sexta feira dizer Jorge de Sena
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Dar abraços não custa muito. Não é preciso pensar! Já o Dia do Autor Português e a Biodiversidade requer pensar, analisar, deduzir, concluir... Já viste tantos -ars e tantos -irs ?! : ))

    ResponderEliminar
  3. Como já comentei noutro espaço dei há bocado um abraço que preferia não ter dado.
    A um amigo que perdeu o pai no final da semana passada.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. estão a tentar deslocalizar os santos, Graça ?!!!
    santo António, São João, Santo Estevão, Santa Irene, etc. ficam sem dias ???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei lá! É que "só" há 365 dias no ano! :)))

      Eliminar
  5. Então um belo de um abraço e obrigada pela bela partilha!!!

    ResponderEliminar
  6. Graça, será que as 24 horas do dia chegam para tanta celebração?
    Mas tens razão, a generalidade das pessoas - sobretudo nas redes sociais - agarram tudo pela rama, falam do que não entendem, só discutem a banalidade! Triste realidade, que felizmente gente como tu vão contrariando

    ResponderEliminar
  7. Tanta patetice...já enjoa!
    A tua cidade é muito bonita h´anos que não vou aí mas vou tentar ir este verão.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se eu estiver por cá, podemos encontrar-nos. Era giro!

      Beijinho.

      Eliminar
  8. Os abraços todos os dias são bons de dar ou receber desde que sejam verdadeiros!
    Ontem em Leiria, 5ª feira aqui ao lado.

    Beijinho imenso

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pessoal quer é festas!!!

      Beijinhos, Adélia!

      Eliminar
  9. Que grande abraço deu a Graça!
    Quando li a exclamação inicial percebi logo o que vinha a seguir. Pena que as afirmações "escondidas" em letra pequenina não estejam em destaque.
    Bj.

    ResponderEliminar