domingo, 14 de maio de 2017

Finalmente deu-se!

No tempo em que por cá pouco ou nada havia, o Festival da Canção era um acontecimento. Havia que, depois do jantar, tratar da cozinha o mais rapidamente que se podia, porque tínhamos de nos postar em frente do aparelho de televisão para não se perder pitada. Isto desde 1964, que foi a primeira vez que Portugal se apresentou na competição musical europeia. Toda a gente via atentamente e discutia-se o assunto dias a fio.

Nesses anos de 60 e 70, concorremos com boas canções, bons poemas, boas orquestrações, boas vozes, mas limitávamo-nos a receber os pontos que a Espanha, simpática e quase obrigatoriamente, nos dava. Isto porque estávamos ainda – e estivemos – mergulhados naquele cinzentismo fascista que a Europa derrotara anos e anos atrás.

Começámos por apresentar a música própria da nossa “austera, apagada e vil tristeza”. Depois tentámos seguir uns ritmos mais ao gosto festivaleiro e, na chamada “primavera marcelista” [a triste ironia com que se chama “primavera” aos ventos de pretensa mudança! A desconsolada lembrança da das “primaveras árabes”!] lá avançámos com a frescura das canções do Tordo, do Carlos Mendes, do Ary.

Lembro com especial carinho as prestações de Carlos Mendes – “Verão” e “A Festa da Vida” – do Fernando Tordo, com a Tourada, das Doce, do simpático mas infeliz Carlos Paião, da Dora, da Maria Guinot…

Nesse tempo, eu gostava de dizer que mesmo que concorrêssemos com uma canção dos Beatles, nem assim conseguiríamos ganhar!

Depois da Revolução, continuámos a levar algumas boas canções, mas continuávamos a ser tão pequeninos!

Os festivais foram alterando as regras de participação e de votação, tornando-se, na minha modesta opinião, mais circenses e de qualidade musical cada vez mais fraca. Por lá e por cá.

Há anos que me desinteressei completamente de os ver pelo aborrecimento das suas longuíssimas apresentações.

Este ano não foi para mim diferente. Francamente depositei tantas esperanças no nosso representante como nos anos anteriores. De modo que foi com enorme espanto mas com muita alegria, diga-se, que soube, esta manhã, que a canção portuguesa, cantada em português, fora a vencedora por larga margem!

Finalmente, deu-se! Ainda custa a crer!

O poema é muito bonito. O rapaz tem à vontade no palco. É simpático, de uma simplicidade algo afetada e exprime-se muito bem num inglês corrido e lindo!


A canção não faz o meu género, não senhores. Mas gostei que a Europa tivesse gostado tanto dela!



10 comentários:

  1. interrogo-me se não será milagre! rss

    beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eh eh eh eh.... também já pensei o mesmo....

      Eliminar
  2. Eu adorei.
    Foi uma alegria para todos nós.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. É ideia minha ou o festival é um negócio, não um concurso de canções?
    Dei uma espreitadela ontem, coisa que não fazia há uns trinta anos, já o Salvador tinha apresentado a sua canção.
    Achei tudo o que vi espalhafatoso e de um mau gosto atroz.
    Afinal, o Salvador foi o melhor: simpático, bom intérprete, com uma canção honesta, correspondeu às expectativas que corriam nos meios de comunicação.
    Este prémio só vem confirmar que Portugal está na moda: bom marketing, bom negócio.
    Boa semana.

    ResponderEliminar
  4. Pela primeira vez gostei de uma música que ganhou o Festival.
    E não é por ser portuguesa, é por ser muito boa.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
  5. Mudam-se os tempos, mudam-se os gostos... É curioso que os rumores duma possível vitória portuguesa, começaram lá fora e não por cá...

    ResponderEliminar
  6. Um festival que raramente vi e curiosamente passei pelo canal no momento qem que o Salvador venceu!
    Já ouvi ao vivo a irmã do vencedor e os irmãos têm uma forma de cantar bem diferente do que se vê!!!
    Quanto à canção...estrangei...entranhei e gostei pela diferença na interpretação!
    Bj

    ResponderEliminar
  7. Uma canção bem concebida - obrigado, Luisa - e uma interpretação a valer a única vitória portuguesa no Festival da Eurovisão - boa malha, Salvador!

    Diz hoje a comunicação social tuga que Luisa Sobral "chorou como um bebé ao ver tanta gente no aeroporto". Como tenho a dificuldades cognitivasà segunda feira, gostaria que alguém me explicasse como terá sido esse choro.

    Pode ser, Graça?

    ResponderEliminar
  8. Finalmente, Graça!
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  9. Como não sou grande "espingarda" em matéria musical, não me pronuncio sobre a valia da canção. mas gostei de saber que o Salvador venceu o certame. O rapaz é inteleigente, simpático e tem uma voz bem modulada. Parece-me.

    ResponderEliminar