sábado, 17 de janeiro de 2015

A Leiria de Miguel Torga

Fiquei a saber pelo amigo as-nunes que passam hoje 20 anos sobre a morte de Miguel Torga. E pensei que poderia fazer lembrar que o poeta/médico viveu em Leiria, onde teve consultório, entre 1939 e 1943.

Diz Carlos Alberto Silva, no Guia da Cidade «A Leiria de Miguel Torga» (2010) que “nesta terra, que o autor considerou uma encruzilhada do destino», viveu Torga um dos períodos mais intensos da sua vida: aqui iniciou a prática da especialidade de «otorrino», fez amigos para a vida, foi preso por motivos políticos, decidiu casar, viveu, conviveu e escreveu.”




O consultório (que abriu a 6 de Julho de 1939)



As instalações [do consultório] servir-lhe-ão, pelo menos provisoriamente, de local de trabalho e de residência, até casar, no ano seguinte. Sobre o seu dia-a-dia, diz o escritor, em O Quinto Dia da Criação do Mundo:

«E ali passava parte das manhãs e das tardes, sonolento, a atender os raros doentes que a notícia da minha chegada num jornal da terra ia trazendo, a ler e a escrever nos longos intervalos das consultas, enquanto os quartos caíam monotonamente da torre da Sé e a senhora Glória [funcionária do consultório] fazia renda ou ponteava na sala de espera.»

Nas proximidades do consultório, logo a seguir ao Largo Marechal Gomes da Costa, em direcção ao rio, ficava a antiga Rua de Santana, onde gravitavam os amigos mais íntimos que em Leiria arranjou, que o haviam de apoiar nos seus momentos mais difíceis, o Dr. Alfredo Baptista, a D. Gena e o marido, António Moreira. O primeiro era o advogado Alfredo Batista, que tinha escritório perto do arco que rematava a rua. A D. Gena morava com o marido, António Moreira, por ali perto.



Nas traseiras da Sé, existia outro dos espaços de que Torga era assíduo frequentador: a Biblioteca Erudita e Arquivo Distrital, sobre a qual Torga diz em A Criação do Mundo.

«Foi o que me valeu, encontrar aqui uma biblioteca assim. Nunca supus. Boa de verdade! O fundo de clássicos portugueses, então, é notável. Excepcional, mesmo. E de literatura francesa moderna tem também muita coisa...- Sem falar na obra-prima da bibliotecária…
- Ah, seu malandro! Eu na minha inocência, e você com segundas intenções! [...] 
- Bonita a valer, o raio da rapariga! Mas fico-me pela admiração...»


Torga com a mulher, Andrée Crabbé, na antiga Rua de Santana.


A publicação de O Quarto Dia da Criação do Mundo, que saiu em Abril de 1939, haveria de trazer a Miguel Torga os maiores dissabores: a 30 de Novembro desse ano, a PSP deteve-o, sob orientação da PVDE e por ordem do Ministro do Interior. O médico foi conduzido para a esquadra, a caminho do castelo, interrogado e encarcerado, em regime de incomunicabilidade.





Casa onde viveu depois de casar, em 1940. (Local onde atualmente se ergue o Hotel Eurosol).





Poema que o seu amigo Dr Alfredo Baptista descreveu Miguel Torga.



(Informação e fotografias retiradas do Guia da Cidade «A Leiria de Miguel Torga» de Carlos Alberto Silva, Textiverso, Leiria, 2010)


18 comentários:

  1. Bom trabalho. Leiria, para que se veja, tem de lançar mão a figuras que por aqui passaram, como Eça. Torga personificou o homem austero e justo português, com raízes profundas na realidade rural que poderia hoje dar uma varridela aos pavões do poder.

    ResponderEliminar
  2. Um momento de excelentes recordações.
    Parabéns pelo trabalho.
    Que nunca morram pelo esquecimento da nossa cidade tão ilustres escritores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Luís! Miguel Torga foi um autor incontornável!

      Eliminar
  3. .
    ~ ~ Sem dúvida, uma honra para a cidade ter sido vivida e apreciada pelo brilhante pensador e exímio literato, portador dum caráter impoluto e deveras especial. ~ ~
    ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma honra mesmo! E, apesar do seu ar sisudo e fechado, deu-se com os intelectuais da época que por aqui viviam encontrando-se com eles em tertúlias no atelier do artista desenhador/pintor Narciso Costa (certamente para conspirarem - também...)

      Eliminar
  4. Nas minhas recordações, sempre associei Miguel Torga às suas origens de Trás-os-Montes e a Coimbra. Fiquei satisfeito por agora saber que viveu e teve consultório em Leiria, cidade capital do meu distrito. Curiosa a sua descrição: "deteve-o sob orientação da PVDE". Para os que não sabem,este foi o primeiro nome que Salazar deu à sinistra polícia; seguiu-se o outro,PIDE, Em 1969, com uma invenção de Marcelo Caetano, DGS. Três nomes, um só objetivo...
    Os meus cumprimentos, Graça,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E atualmente... chama-se MP invenção da senhora Marques Vidal...

      Eliminar
    2. É isso mesmo!
      ehehehehe

      Eliminar
  5. Muito interessante. Fiquei a conhecer melhor o poeta e a cidade. Obrigada:-)

    ResponderEliminar
  6. Adorei tudo, Graça. Sou torguista de coração. Li tudo dele e sobre ele. Há dias revi um programa sobre ele na RTP Memória e fiquei de alma lavada.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma prosa arrebatadora, uma poesia de hidromel...Lembro-me de, ter lido A Criação do Mundo de enfiada - uma maravilha!

      Eliminar
  7. De edifícios, tijolos, cimentos,
    largos, praças e arruamentos
    placas da história
    também se constrói a memória

    dela,
    prefiro-lhe a palavra
    essa
    é eterna

    (claro que é só para "pegar" consigo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não "pega" nada que não há maior apaixonada do que eu pela palavra! É de facto a maior realização humana!

      Eliminar
  8. Bonita homenagem ao grande dramaturgo, médico, poeta e escritor, que foi Miguel Torga.
    Tenho publicados muitos dos seus contos e poemas. Sabia que nasceu em S. Martinho de Anta e viveu em Coimbra, mas desconhecia que também aí viveu.
    Obrigada, por mais esta informação, Graça! Sobretudo, pelas fotos históricas e respectiva descrição!

    Beijinhos e bom resto de Domingo.

    ResponderEliminar
  9. Que diferente era este Homem dos pavões que por aí se passeiam..
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  10. E daqui, do meu cantinho eu teria que lembrar o que ele escreveu sobre esta região:
    "O Algarve, para mim, é sempre um dia de férias na pátria.(...) passado o Caldeirão, é como se me tirassem uma carga dos ombros.
    Sinto-me livre, aliviado e contente, eu que sou a tristeza em pessoa!"

    Muito interessante saber da vida de Torga, em Leiria. :)

    ResponderEliminar