terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Terrorismo

O terrorismo chegou a Portugal e não pela mão dos jihadistas. Veio mesmo pela mão deste "governo", mais concretamente pela mão do ministro da Saúde: que se saiba já morreram cinco pessoas do grupo da chamada peste grisalha nas urgências dos hospitais antes de terem tido a possibilidade de serem vistos por um médico.


Sabemos que este é o "governo" que prometeu desde o início «fazer mais com menos» e tem-se visto os resultados a todos os níveis, nomeadamente no campo da Educação e da Saúde. 

O número de óbitos nos últimos dias aumentou desmesuradamente (cerca de 1200 entre 1 e 3 de Janeiro e 2268 na segunda semana do mês) pelo frio que se tem feito sentir e pela falta de condições económicas de grande parte dos idosos para se protegerem das condições climatéricas.

Mas ainda há mais: grande parte dos doentes infetados com hepatite C não tem acesso a um tratamento inovador porque os hospitais não têm dinheiro para comprar o respetivo medicamento.

Apetece, a propósito, deixar aqui a imagem também algo terrorista  que um meu facefriend pôs no seu mural.




11 comentários:

  1. Que revolta que isto me faz...
    Mas não é só a peste grisalha,são também os doentes crónicos e os outros que embora tendo alguma saúde a vão perdendo pela falta de assistência clínica na prevenção da saúde pública.
    Chocam-me ainda aquelas caras de pau com sorrisos pré-datados justificando -se na comunicação social...mentindo...mentindo...mentindo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, amigo Luís! E haver quem ainda os leve a sério!! Que povo este!

      Eliminar
  2. Morrer porque não se é atendido a tempo devia ser punido criminalmente.
    Não será um homicídio involuntário??
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso sê-lo-ia sem dúvida num país civilizado e num estado de direito, mas aqui...

      Eliminar
  3. ~ O nosso desesperadamente indelével PM conhece bem o ambiente: é filho de médico e enfermeira,,, ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, mas se tiver uma diarreia não teria de ir para as urgências nem lhe poriam uma pulseira amarela para esperar 20 horas até ser atendido...

      Eliminar
  4. Tantas vezes disseram que ele era o melhor ministro deste governo que ele encheu-se de brios e passou a fazer igual aos outros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos muito maus a avaliar pessoas e suas atuações...

      Eliminar
  5. O bando do Poder, ao contrário do que geralmente se diz, é competente e está a cumprir o seu programa, isto é, a destruir deliberadamente o país e livrar-se daquilo que considera "peste grisalha" e de quem não produz.

    Um dos seus mastins ( com perdão para os animais) chamado Camilo Lourenço defende publicamente na televisão paga com os meus impostos que se não deve gastar dinheiro com doentes terminais.

    ESperemos para ver se a memória portuguesa é curta.

    Abraço, Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O bando já está afastado mas nem por isso não deixou de tentar impor um estado neo-liberal.
      Precisa de alguma fonte que documente a afirmação do camilo lourenço em relação aos doentes terminais.
      Já procurei na net e não encontro. Agradeo qualquer ajuda.
      Obrigado
      Francisco Xavier

      Eliminar
  6. Há a necessidade imperiosa de se criarem mais negócios. Para quem?

    O povo não sabe da missa a metade. Depois de décadas de rapina descarada vêm dizer que não há sustentabilidade na Saúde...
    A vontade deles é porem o SNS elegante como as meninas anoré(c)ticas que desfilam nas passerelas: serviço mínimo garantido: clisteres, água destilada, sangrias e passagem da certidão de óbito para a SS suspender pensões.

    ResponderEliminar