domingo, 4 de janeiro de 2015

Receita para a Alma de Portugal



O DN fez 150 anos em finais de Dezembro. É uma bela idade que foi sendo celebrada com várias iniciativas ao longo de algumas semanas que antecederam a data – 28 de Dezembro.

Fizeram um vídeo inspirado no poema de Fernando Pessoa «Ó Mar Salgado», a que deram o nome de “Alma da Portugal” – com um objectivo optimista e inspirador. Pensaram criar uma tinta imaginária que pintasse essa “Alma” rejuvenescida, mas como a produzir?

Foram fazendo experiências e acabaram por misturar os seguintes ingredientes:

  • 2 gotas de orvalho da Serra de Sintra
  • 1 dose de canela dos pastéis de Belém
  • 15 gotas do mar da Madeira
  • 1 frasco de fumo de sardinhas assadas
  • 14 gotas de água do Tejo
  • 4 gotas de café da Brasileira
  • 23 ml de um vinho do Douro
  • 9 raspas de sobreiros do Alentejo
  • 1 raspa de ardósia da Universidade de Coimbra
  • 15 gotas de água do Douro
  • 1 bocado de tinta da caneta de um escritor
  • 1 gota de suor de um pastor alentejano
  • 4 gotas de licor de medronho
  • 11 grãos de areia de uma das praias de Sagres
  • 1 raspa de giz do Liceu Camões
  • 1 frasco de vento da praia do Guincho
  • 25 pétalas de cravos vermelhos
  • 1 fio de azeite
  • 12 gotas do mar dos Açores
  • 1 raspa do palco do Teatro São João
  • 1 punhado de pôr do Sol do cabo da Roca
  • 1 gota de café do Majestic
  • 5 gotas de ginjinha de Óbidos 

Poderão ver o vídeo no seguinte link:



17 comentários:

  1. Tenho pena que o DN se tenha degradado nos últimos anos, mas a edição de aniversário foi um luxo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está muito por baixo, mas as alternativas ....

      Eliminar
  2. Desde que a direcção foi substituída, o nosso Baptista Bastos foi despejado e o jornal se tornou um pasquim, que deixei de o ler... Comprei este. Deu para perceber que os nossos intelectuais desistiram do país de Abril, nenhum dos convidados escolheu a data, ninguém se referiu a essa madrugada. O luxo a que se referiu o Carlos está expresso na gramagem do papel e na impecável paginação dos anúncios de página inteira...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós vamos comprando em alguns dias da semana. As alternativas também não são famosas... Público? Blheque!

      Eliminar
  3. Gracinhamiga

    Nem com esta receita (aliás bem imaginada) voltei a ler o DN que não é o meu DN; nem com ela, nem com o video dela resultante. O Rogério G. V. Pereira (que não me grama nem com molho de tomate) tem bastante razão no comentário dele; não toda, mas bastante.

    Dos componentes utilizados gostei da Raspa de giz do Liceu, (aliás Lyceu como consta da frontaria), Camões. Andei lá os sete anos do secundário tal como vivi 16 no Diário de Notícias... São fases da minha vida que nunca esquecerei. Mas, volto a dizer, este DN não é o meu DN.

    Queres um exemplo? Quando estava quase a lançar o Crónicas das minhas teclas (já compraste?) telefonei ao "Senhor Director" um tal André Macedo que não me atendeu porque estava muito ocupado; quem mo disse foi a secretária dele Elsa não-se-quê.

    Ela aconselhou-me a mandar um imeile directamente ao "Senhor Director" e disse-me que no jornal muita gente se recordava de mim ou, pelo menos do meu nome.

    Mandei o imeile pedindo somente uma peque notícia antes ou depois do lançamento. Resposta zero. Por isso três dias antes do evento no Palácio da Independência voltei a telefonar, voltou a atender-me a secretária Elsa que me disse "vou já saber..." E alegadamente com a mão no bocal: "Ó André está aqui outra vez o velho chato..." Naturalmente nem me despedi da secretária Elsa e desliguei.

    Definitivamente, este DN não é o DN! Estou mesmo velho...

    Qjs


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro! E com toda a razão! Eu teria feito o mesmo. Lá na "minha" escola fizeram-me mais ou menos o mesmo...

      Pqop, Henriquamigo!! Pqop!!!

      Eliminar
  4. ADENDA

    Já me esquecia: para as páginas dos 150 anos fui entrevistado pelo jornalista Leonídio Ferreira sobre a entrevista que illo tempore fizera à Indira Gandhi. Publicaram duas páginas o que agradeci como me competia - a boa educação nunca fez mal a ninguém. Presumo que com isso esgotaram o espaço para a "peque notícia". Desculpa-me a chatice: sou um velho melga...

    + qjs

    ResponderEliminar
  5. Gostei da receita.
    Beijinhos, votos de boa semana

    ResponderEliminar
  6. Uma receita de "ano novo?"
    Enfim, que 2015 a faça bem feliz, Graça junto aos seus queridos!
    Abraço.

    ResponderEliminar
  7. Vamos experimentar a receita? Deve ficar um "prato" delicioso:-))))))
    Bom ano, Graça, com saúde, justiça e alguma alegria...

    ResponderEliminar
  8. Minha amiga, esqueceram-se de adicionar as lágrimas de tanta gente que está sem emprego e com dificuldades económicas.
    Sinceramente por muito que façam a nossa alma anda perdida.

    beijinho

    ResponderEliminar
  9. Goste da ideia! Será que não há receita para fazer cair dos poleiros.

    Beijinho e boa semana Graça

    ResponderEliminar
  10. A receita é engraçada...o pior é o resto, que é intragável !

    Beijinhos e bom Dia de Reis

    ResponderEliminar
  11. Pelos vistos anda muita gente descontente com o escorregar do DN pela avenida abaixo.
    Por este andar aproxima-se perigosamente do lodo do Tejo. No lodo não vai nadar, vai afogar-se. Será que pretende fazer concorrência ao diário do crime?

    ResponderEliminar