sábado, 3 de janeiro de 2015

Cratinices

Sabemos que esta espécie de governo que nos calhou em sorte por culpa e descuido de muitos portugueses governa contra o povo, contra o país, contra a Constituição, contra a ética e a solidariedade sociais, contra os velhos, contra os reformados, contra as crianças, contra os diferentes. Cortaram complementos solidários a idosos, abonos de família e complementos a deficientes.


Ficámos entretanto a saber que, pelo menos, oito colégios particulares de ensino especial não abrem na próxima segunda-feira por dificuldades financeiras por pagamentos em atraso por parte do Ministério da Educação.

Já antes tinham vindo a cortar nos professores e técnicos de apoio até nas escolas de referência com unidades de ensino integrado.

E é por isto que me vejo forçada a concordar com tudo o que Santana Castilho (que, em tempos, muito se pôs em bicos de pés para tomar o lugar de ME neste “governo” notando-se-lhe sempre um certo “ressabiamento” nos seus escritos) escreveu no seu artigo de fim de ano no Público, nomeadamente no que toca à atuação do ministro da Educação.


          Diz ele:
  • «Em três anos e meio desta legislatura foram retirados ao financiamento do ensino público 3.294 milhões de euros e despedidos colectivamente 30.464 professores. O ano de 2014 destaca-se do conjunto por ter exacerbado os dois ódios de estimação de Nuno Crato: a escola pública e a Ciência, onde, de uma penada e com uma avaliação trapaceira, foi liquidado o trabalho criterioso de Mariano Gago.»
  • «Quando (…) Nuno Crato aceitou que o ensino público fosse penalizado com mais um corte de 700 milhões de euros no orçamento de Estado de 2015, logo se apressou (portaria n.º 269/2014 de 19 de Dezembro) a garantir que o financiamento público do ensino privado não fosse beliscado com qualquer corte.»
  • «Quando alunos e professores sofriam com o escândalo do pior lançamento de ano lectivo de que guardamos memória, o responsável primeiro por tanta incompetência saiu de cena. Foi para Milão, para uma reunião informal sobre… telecomunicações. Remake de pequena monta do que já havia feito aquando da sétima avaliação da troika, altura em que se ausentou três semanas. Coisa de somenos se comparada com as quatro voltas ao mundo que deu no ano em apreço. Nada, se tivermos em vista que em estudos e pareceres gastou por mês mais que um milhão de euros.»

E, depois de se estender por mais uma boa quantidade de parágrafos sobre o empobrecimento brutal da maioria dos portugueses que «serviu só para pagar juros, sem que um cêntimo tenha sido abatido ao montante da dívida» termina apelando para o renascer do «orgulho profissional dos docentes» fazendo o seguinte voto: «Que os professores se consciencializem de que o poder, particularmente o opressivo, só se exerce sob consentimento daqueles que lhe obedecem.»

(É verdade: por onde anda o Mário Fenprop«f?!...)

12 comentários:

  1. O Mário Nogueira, vai estar dia 14, às 17,30h, no Salão dos Bombeiros Voluntários de Paço de Arcos, ao lado dos vereadores da CM de Oeiras e de Loures, numa sessão pública.

    Graça.
    Está convidada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grata, Rogerito. Mas eu queria vê-lo de novo a pôr 200 mil professores nas ruas a pedir a queda do ME e do governo... Será que não há motivos?

      Eliminar
  2. Este governo, o do 'corta', de incómodo passou a irritante.

    Que pena ser hoje, o 'aparecimento' do sindicalista que o povo (qual?) consagrou. Gostaria de estar presente, se fosse convidado, e ter a possibilidade de lhe fazer umas perguntas. Fica para uma próxima oportunidade, se houver.

    Graça, um Crato não 'cratina', 'cretina'. A bem dizer ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cretina e de que maneira! E fá-lo dia sim, dia também!

      Eliminar
  3. Amiga, este governo tem cortado tanto que eu pensava que não mais, seria apanhada de surpresa. Mas a verdade é que nenhum de nós é capaz de atingir até onde estes senhores são capazes de ir.
    Um abraço e bom ano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizes bem, Elvira! Não param de nos surpreender - pelos piores motivos!

      Eliminar
  4. Este nome assentava-lhe como uma luva: CRETINISSE...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E assenta! Esse e outros nomes bem piores. A ele e aos comparsas de "governo".

      Eliminar
  5. E assim, vai o sistema educativo/ judicial/ de saúde e social, em Portugal...Está tudo mal!

    Mais palavras para quê? :((

    Beijinhos e saúde da boa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos quase como antes de Abril - só que agora podemos falar e vociferar e pintar a manta. De resto, mais nada...

      Eliminar
  6. A Paula Teixeira da Cruz já disse que não voltará a ser ministra, mas palpita-me que este pretende renovar o contrato.

    ResponderEliminar
  7. Se alguém souber que me explique como é que se gasta tanto dinheiro em estudos no Ministério da Educação? Não há ninguém no Ministério que saiba qualquer coisinha?
    É um crime pôr na prateleira quem sabe só porque não faz vénias aos meninos aprendizes de feiticeiro.

    ResponderEliminar