quarta-feira, 19 de novembro de 2014

E um dia...

Um dia acordamos e vemos que aos poucos fomos ficando mais sós. São os avós que partem e os tios mais velhos e nós, na voragem fulminante da adultez nem tempo temos – e se calhar ainda bem – para reparar no menos brilho que nos ilumina a vida.

São os pais que nos deixam – alguns ainda bem novos – e a dor torna-nos a realidade quase translúcida. Mas ainda resta um irmão mais velho, um tio, uma tia, que se vão perdendo no virar de cada uma das esquinas do tempo. Até que chega o momento em que se despede o último dos mais velhos e passamos a ser nós os mais velhos. Apagam-se-nos as últimas velas que nos guiavam e é chegado o momento de, quase opacos, servirmos de velas aos que vieram depois de nós.

Não se trata de tristeza. A dor já não nos consome. (Ai os que saltam a ordem e partem antes do tempo, do seu tempo, do nosso tempo – esses doem mais!) É tão só o sentimento de passarmos a ser nós os mais velhos.


Hoje, sem que se esperasse, serenamente partiu a mais velha da família. E é como já disse: é o sentimento de passarmos a ser nós os mais velhos.


Último grande momento em família quando, em Maio último, completou 86 anos
a mãe do meu marido.

32 comentários:

  1. Graça nada mais de verdaderio em relação ao que disseste. A pouco e pouco tenho vindo a ver partir aqueles que me eram queridos. Fica um vazio muito grande, e acabamos por aceitar (???) a velha máxima... "É a Lei da Vida !"

    ResponderEliminar
  2. Graça, gostei de ler e dei comigo a pensar se eu seria a mais velha, atualmente. Mas, não, não sou. Tenho um primo um pouco mais velho. Ufa! Que alivio!
    um abraço.

    ResponderEliminar
  3. A morte tem vários nomes, acidente, violência, doença. A partida, por fim da vida, devia ser venerada. Até porque não sabemos se lá chegamos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Havemos de chegar, Rogerito! Até porque, como dizem os antigos, «vaso ruim não quebra»..... Beijinho.

      Eliminar
  4. Eu já sou quase o mais velho da família ( só tenho à minha frente a minha Mãe) e sinto bem o significado das suas palavras.

    ResponderEliminar
  5. Nestes momentos tristes de perda não existem palavras de consolo suficientes.

    Por isso deixo um abraço apertado e solidário , além dos sentimentos a toda a família, para ti e teu marido .

    ResponderEliminar
  6. Nestes últimos dias tenho andado com estes pensamentos. Talvez por ver os meus primos mais velhos festejarem 80 primaveras.
    Uma realidade que nos vai empurrando para o lugar de "mais velhos"
    A roda do tempo que nos vai oferecendo um presente cada dia mais amado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 80 anos, que bom, amigo Luís!! Havemos de lá chegar, vai ver!

      Beijinho.

      Eliminar
  7. Passamos a ser nós o muro que sustém a família...e um dia serão outros!
    Mas é a ordem natural da vida...o contrário, como dizes, é bem pior!

    Um abraço para todos e em especial para o S.

    Rosa dos Ventos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim é, Leo! (a frase parentética foi também pensando em vós) Beijinho.

      Eliminar
  8. ." (Ai os que saltam a ordem e partem antes do tempo, do seu tempo, do nosso tempo – esses doem mais!)" . Sim, Graça! No seu texto fixei-me neste parágrafo. Sei o que isso é! Para toda a Família vão os meus sentimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lamento, querido/a anónimo/a! Os meus respeitos.

      Eliminar
  9. Querida amiga, à família, especialmente ao teu marido, os meus sentidos pêsames.

    ResponderEliminar
  10. Meu carinho e orações por esse momento em que todos passamos ou passaremos.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os nossos agradecimentos, amiga Célia!
      Beijinho.

      Eliminar
  11. Amiga Graça, quando somos os mais velhos é sinal que a vida foi mais longa.

    Os meus sentimentos a si ao seu marido e toda a restante família.

    beijinho

    ResponderEliminar
  12. ~ Lamento muito, Graça. O meu sincero pesar. ~
    ~ ~ Beijinhos. ~ ~

    ResponderEliminar
  13. Os meus sentimentos a ti, a toda a família, mas especialmente ao teu marido.

    O meu marido partiu no dia 8 de Junho, antes do tempo, do seu tempo, do nosso tempo.

    Abraço solidário.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lamento muito, ematejoca! Não sabia e, acredita, que lamento sempre muito quem parte antes do seu tempo! (O meu pai morreu-nos nos braços em meia hora e tinha apenas 49 anos...

      Obrigada. Beijinhos solidários.

      Eliminar
  14. Lamento muito, são momentos de muita dor e fica a sensação que na próxima etapa estamos nós.
    Esta semana estive ausente de casa e apesar de ter um aparelho daqueles que vai na mala de viagem , não me entendo com ele.
    Detesto este mês , o mês não tem culpa, mas os antigos dizem que o cair da folha é complicado para os " velhos ". O meu pai faleceu num mês de Novembro.
    Um abraço solidário.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida amiga M.A.A.! O outono é sempre muito traiçoeiros para os idosos e para os pouco saudáveis...

      Breijinho

      Eliminar