domingo, 5 de fevereiro de 2017

Um preto e um branco!

A vizinha da frente tem muitos gatos. Alguns passam-se para cá em busca de alguma “ascensão social”, ou melhor dizendo, de comidinha. Faço um esforço enorme para não os adotar, mas não pode ser.

A Rosita – uma gata preta luzidia e esperta como um alho, que entra cá em casa quase sem darmos por isso – teve uma ninhada há uns três meses e dois deles: um belo siamês de olhos bem azuis, grande e comilão – o maior da ninhada – e uma gatinha quase preta, com leves riscas cinzentas antracite e olhos bem verdes, a mais pequenina da ninhada, não saem aqui do meu quintal. Por muito que eu os carregue ao colo, desde a mais tenra idade, para o jardim da vizinha, eles voltam para cá quase ato contínuo. As outras irmãs (felizmente) não adotaram o meu espaço, mas estes dois, inseparáveis, não me perdem de vista. Um preto e um branco.

São muito meiguinhos um para o outro. Naqueles dias de frio intenso, abrigavam-se por aí e deitavam-se um por cima do outro para se manterem mais quentes. São inseparáveis. Um preto e um branco.



Hoje, belo dia de Sol, estiveram ali a lavar-se um ao outro com todo o carinho. Inseparáveis. Um preto e um branco.








Aí lembrei-me de uma anedota muito antiga que dizia assim:

Vinha um homem pela rua abaixo, visivelmente furioso, repetindo sem cessar: «Fosca-se! Um preto e um branco! Fosca-se! Um preto e um branco! Fosca-se! Um preto e um branco.» (talvez usando o vernáculo mais forte, que me escuso de utilizar aqui…)

Passa um padre por ele e diz-lhe:

«Meu filho! Vejo que vens aperreado, mas não devias dizer esses palavrões; podes chocar as pessoas. Mas o que te aconteceu? Será que queres desabafar?»

O homem, esbaforido, responde:

 «Ó senhor padre, é que acabei de ser pai!»

«Meu filho, mas não há alegria maior! Não entendo a tua consternação!» - responde-lhe o padre com suavidade.

«É que são gémeos!» - gagueja o homem ainda mais desesperado.

«Mas isso é uma alegria redobrada! Uma dádiva de Deus! Não é motivo para desespero. Tudo se cria!» - continua o padre.

«O senhor padre não está a entender! É que um é branco e o outro é preto!»

E o padre: «Fosca-se! Um preto e um branco!!!»


Boa semana!

16 comentários:

  1. As fotos estão tão ternurentas!
    Quanto à anedota... às vezes acontecem coisas estranhas. "Fosca-se".
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
  2. São uma ternura os "meninos" -tenho uma "família" assim, ternurenta :-). Boa semana, Graça

    ResponderEliminar
  3. Sei de uma anedota parecida.
    Eram trigémeos,
    o terceiro era mulato
    seria pardo
    se fosse gato

    ResponderEliminar
  4. Já hoje tinha comentado que o meu avô paterno era assim.
    Tinha o quintal cheio de gatos que iam lá parar porque ele os alimentava a todos.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
  5. Esses olhares são enternecedores!
    Não tenho gatos mas os dos vizinhos encarregam_se de esgravatar os meus terrenos anexos à casa!
    A anedota é ... o máximo!!!bj

    ResponderEliminar
  6. Saio sempre daqui a rir, Graça...
    Quanto as gatos, entendo bem como podem ser irresistíveis. As fotografias são uma ternura.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. São lindos, os bichinhos! Uma ternura!

    Beijos, Graça :)

    ResponderEliminar
  8. Gatos ternurentos como estes, sempre!

    Compreendo, os palavrões do pobre homem. Preto e branco, só faltava um mulato/pardo segundo o comentário do Rogério.

    Desejo-te um semana muito azul.

    ResponderEliminar
  9. ahahah... Fosca-se sr. Padre ! ... Nem o sr. escapou à ira originada por esta minha grande dúvida !!!

    :)))

    ResponderEliminar
  10. um dia seremos todos filhos da mesma Mãe...

    ResponderEliminar
  11. Estou a ver que tantos dos meus queridos amigos são sensíveis à ternura dos gatinhos. (e à dúvida daquele pai de um preto e um branco também... :)))

    Beijinhos e ronrons para todos.

    ResponderEliminar
  12. "Ascensão social" = a comidinha, Graça? Vai lá vai!! :))
    Os tarecos são uma ternura, sem dúvida.
    Já a anedota pensei que fosses contar a daquele pastor serrano, a quem um turista abordou fazendo perguntas acerca dos dois rebanhos que o homem apascentava. Uma ovelhas eram brancas e outras pretas. Quantos litros de leite davam? O pastor respondia com outra pergunta: as pretas ou a as brancas? As brancas! Ah essas dão 50 litros de leite. E as pretas? As pretas, também! Depois de muitas perguntas e obtendo sempre respostas idênticas, o turista ( lisboeta ) já farto, questionou porque razão o pastor respondia sempre o mesmo. Ah, é que as brancas são minhas! Então e as pretas, amigo? As pretas, também...

    Fosga-se!!!

    Beijinhos, boa semana, Graça!

    ResponderEliminar
  13. Os bichanos além de ternurentos são inteligentíssimos.
    E o padre? Querem lá ver que tem de ir ao bispo!
    Bj.

    ResponderEliminar
  14. Os animais são surpreendentes. Se soubermos olhar bem e entendê-los, podemos aprender com eles. Aí está uma relação de amizade que começa no berço! :) Afinidades...

    A anedota não faz muito sentido nos dias de hoje.,, talvez fizesse antes, não sei. Parte do pressuposto - imagino, que o povo do país não referido é branco. (Ou negro, mas não me parece que tenha caído aí a mancha). Ora, se a mulher for negra e o marido branco, porque não um filho de cada cor? Mas parte-se do pressuposto que o casal não é «interracial» lol. Enfim, as anedotas não têm de fazer sentido nem são para ser analisadas assim :) Não passam de engraçadas chalaças :)))

    ResponderEliminar