sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Corando...

Não tenho emenda. Às portas das sete décadas de vida, continuo a corar como uma adolescente pudica sempre que, por algum motivo, sou posta em evidência.

Fui sempre assim. Nas aulas, perante os muitos alunos tímidos que coravam assim que lhes dizia o nome, serenava-os irmanando-me com eles no que tocava à coloração das faces. Nas reuniões dentro e fora da escola, sempre que tinha de tomar uma forte posição contrária à da maioria – e aconteceu bastantes vezes – eu dizia com clareza: «Eu coro muito, mas digo sempre!» E dizia. Mesmo que fosse contra tudo e contra todos.

Hoje, estava eu a ver de uns livros na secção de livraria do Continente, e a uns dois ou três metros de mim estava uma jovem senhora que olhava para mim com alguma insistência. Até que, depois de me fazer algumas perguntas sobre a minha profissão e onde a exercera, acabou por me dizer que tinha sido minha aluna. Claro que não me lembrava dela. Classes de trinta e tal alunos, nos idos de oitenta… E aí, a senhora começa a dizer: «Foi minha professora de inglês e uma boa professora e eu gostava tanto da senhora! Muito boa professora… Eu gostava muito da senhora.»

Então não é que comecei de corar, corar, corar até à raiz dos cabelos? Que vergonha. O que terá a minha ex-aluna pensado de mim? Certamente que estou xexé…




16 comentários:

  1. Reconhecimento pelo que você fez a sua aluna! E, corar é sinal de caráter. No caso, emoção pelo elogio. Isso é gratificante, Graça.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. Oh, Gracinha, para além de todos os predicados que possuis- e são muitos - ainda és tímida, como o foste na adolescência. Acho isso tão lindo.
    Também corava como uma romã, quando mais jovem. Agora não me lembro de corar: ou fiquei desenvergonhada ou ninguém me enaltece em nada!! :)

    Beijinhos, Graça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esqueci-me de falar no gato: está a tapar a cara envergonhado?
      Que querido!! :)

      Eliminar
  3. que vergonha!
    corar, claro.

    ainda bem que há justiça na Terra
    (e se encontra nos supermercados)

    a serio,
    a tua aluna gostou mesmo de ti, caso contrario diria que eras "ex" professora.

    beijo

    ResponderEliminar
  4. Corar não mata ninguém. Se matasse eu já não estaria aqui, já que em matéria de corar sou uma desgraça.
    Decerto que a senhora pensou que tinha ficado emocionada. E corar por ter visto o seu mérito profissional reconhecido, não é motivo de vergonha coisa nenhuma.
    Bonita imagem a do gatinho.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  5. : )))
    A foto do gatinho está giríssima. Muito bem escolhida.
    Corar é muito chato!!! Não sei se ainda coro ou não, mas ficaria “pior que estragada” se me apercebesse disso. : ))
    Deixa lá; ficaste com uma cor que radiava saúde. : )

    ResponderEliminar
  6. :)) ... Momentos "embaraçosos" esses, mas de excepcional valia, Graça !
    Não resisto a contar esta: Estava de passagem, eu e a Lena em "Cu de Judas" (?), quando nos apeteceu tomar "um café e qualquer coisa".
    Sentamo-nos, pedimos o que queríamos e quando pretendíamos sair, pedi a conta. "A pessoa" veio ter connosco e disse :
    "O quê ? ... Pagar ?...Nem pense numa coisa dessas, meu alferes!... O Sr. foi para mim uma pessoa excepcional, a quem muito devo, ainda hoje !!!
    ... Já lá vão uns 20 anos, mas já tinham passado uns 30 sobre esses tempos !!!

    Bom fim de semana, Gracinha :)

    ResponderEliminar
  7. Como a entendo!
    Adoro reencontrar quem ensinei!
    Bom sábado!

    ResponderEliminar
  8. Corar acontece a muito boa gente. Agora dizer que "corou" já não é com muita frequência...
    Um bom fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há que admitir e enfrentar as nossas "fraquezas"...

      Eliminar
  9. Ora que belo encontro!
    Corada ou não deve ter sido um grande momento que enche a alma.
    Conseguiste dizer-lhe alguma coisa?!?
    Tive duas professoras que nunca esquecerei a "stora" Alda Figeiredo de Fisico-Quimica por ser optima muito justa e compreensiva e a"Stora" Anabela prof. de Ginastica que me mostrou que trabalhar, treinar, não desistir ser pontual, ter sentido de responsabilidade de grupo, saber ganhar e perder eram aplicadas na prática os ensinamentos que sempre recebi em casa.
    Pude dizer a ambas o quão foram importantes.
    Parabéns, Gracinha .bjs

    ResponderEliminar
  10. Acontece-me muitas vezes encontrar antigas alunas e ficar envergonhada por não me lembrar do nome, mas corar, nunca corei e vá se lá saber porquê, talvez o meu coração fique mais vermelho em alturas assim.
    Receber um elogio assim é ter a sensação de que fizeste um bom trabalho.

    Beijinhos Graça

    ResponderEliminar
  11. Agradeço as palavras elogiosas e a compreensão de cada um de vós.

    Beijinho de bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  12. Eu sou na mesma, Graça. Embora às vezes pareça que não...

    ResponderEliminar
  13. Suspeito que quando uma pessoa é humilde, para toda a vida reage como humilde. Geralmente os elogios nos deixam um pouco desconfortáveis e sem graça.

    Quanto à ex-aluna, decerto que ela não se separou de si a achar nada disso. Terá se afastado feliz por ter reconhecido uma das professoras que mais gostou e encabolada sentia-se ela. Saiu agradecendo a Deus por não lhe ter posto os conhecimentos de Inglês à prova ahahah! Provavelmente já mal sabe falar e não queria expor essa realidade :P

    Digo eu, que gosto de olhar uma questão por vários prismas :)

    ResponderEliminar