quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Parabéns, António!

(Se assim me é permitido dizer – eu que não passo de uma paramécia…)

Fiquei a saber – abençoado facebook! – que o escritor António Lobo Antunes, que considero o nosso  melhor escritor vivo, faz hoje anos. 74 para que conste. Por isso digo: Parabéns, António!

Corri lá acima para ver se encontrava no seu livro de Cartas de Guerra (que diariamente escreveu, no ano de 1971, a sua mulher Maria José Fonseca e Costa, quando esteve na guerra do ultramar em Angola) uma carta datada do seu dia de anos. E encontrei. Passo a transcrevê-la.

«Gago Coutinho
  1.9.71

Querido amor

Faltam já só vinte e tal dias para te ver, e, à medida que a data se aproxima, o tempo parece tornar-se mais lento… Fui hoje ao Ninda, e suponho não ter de voar mais até à próxima quarta-feira: sete dias de existência terrena, de platitude.

Espero que mantenhas esses 55 kilos! A mim, magníficas rotundidades! Quanto ao cafeco [a filha bebé que ainda não conhecia] começo a perder as esperanças de ver retratos dela… Os rolos estragam-se uns após os outros… Diabo de sorte!

Começam a andar no ar boatos acerca de uma possível rotação do batalhão para uma zona melhor, mas tudo, ao que penso, sem consistência. A verdade é que temos já 5 mortos – fora o resto. O batalhão anterior teve só 1 morto em combate durante quinze meses, e por esta comparação podes ver o recrudescimento da guerra por estar bandas. Mas não falemos mais nestes tristes assuntos.

Já me esquecia de que faço anos hoje. Ninguém aqui me deu os parabéns porque ninguém sabe. E eu próprio não me sinto como dantes me sentia nesta data. Tenho a impressão de que o dia 1 não representa nada para mim. a velhice, a usura. E este melancólico desencantamento…

Há que tempos que não escrevo aos meus pais. Nem aos teus. O teu velho faz anos no dia 7, mais ou menos, não é? Teve a lata, coitado, de me mandar um livro chamado «Saber ser pai». Eu sinto-me mais teu amante do que teu marido: cada vez que penso em ti relambo os beiços. E, a propósito, gosto tudo de ti, facto notabilíssimo.

Milhões de beijos do
António

Saudades à criancinha, fruto dos nossos ardentemente ilegítimos amores.
GTS»


(O último livro de Lobo Antunes que lei foi «As Naus» publicado em 1988 - um portento! Hei de falar desse livro, um dia destes.)


(no colo de sua mãe)

(com a sua mulher Maria José)


(em Angola)


(capa do livro Cartas de Guerra)


(O Ninda, Angola)

21 comentários:

  1. Então , Parabéns ao António (Lobo Antunes). :)
    Quando leio relatos destes, fico arrepiado, porque vivi estes episódios, sempre "na corda bamba".
    Somos praticamente da mesma idade.
    Naquela altura a ida para a Guerra era um terrível pesadelo. Eu fui vendo partir aos poucos os meus "camaradas" sempre com a espada sobre a minha cabeça ! Os dias foram passando, os meses também e a certa altura senti que já não iria. Simplesmente teria que esperar que os meus camaradas regressassem e assim lá se passaram 40 meses de medo, até por que ia recebendo notícias de colegas amigos falecidos ! :(( ... Por isso, ainda hoje me "dói", mesmo que com um sabor doce (por ter escapado) !
    ... E salvei-me também dessas necessárias cartas de amor ! Felizmente poderia dizê-las pessoalmente ! :)

    Abraço, Gracinha ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma época de terror, Rui!! O meu marido, e eu com ele, passámos por esse tormento de espera como tu. Mas, não sabemos por que sorte, nunca foi mobilizado. Felizmente. Mas foi o meu irmão e o meu primo-irmão. Uma época muito negra!

      Beijinhos, Rui.

      Eliminar
  2. Excelente homenagem!Parabéns Ao António.

    Beijinho Graça

    ResponderEliminar
  3. Como nāo tenho contacto no Facebook não li que o meu escritor favorito festejou ontem o seu aniversário.

    Adorei a tua homenagem que é bem merecida.

    Parabéns, António!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu soube porque sou «facefriend» da Cristina Carvalho, filha de António Gedeão, e foi ele que o anunciou aos quatro ventos. Também gosto muito, muito do António Lobo Antunes!

      Eliminar
  4. E por isso estreou o filme Cartas da Guerra de Ivo Ferreira, com Margarida Villanova, ambos residentes em Macau.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois foi. E a crítica é muito favorável. Quero ir ver.

      Beijinhos e bom fim de semana.

      Eliminar
  5. Parabéns ao António.
    Mais tarde foi pior ainda. Especialmente no Norte e leste. Quem por lá andou não consegue esquecer.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi muito mau, Elvira!! Foi uma época muito negra. E depois ainda há quem diga que falta cá um Salazar! Até me arrepio quando oiço essas bacoradas...

      Eliminar
  6. Parabéns ao António e que além de saúde não lhe falte inspiração!
    Obrigada pela partilha...e bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece-me que inspiração é que não lhe falta! Assim tenha saúde - que já venceu três cancros...

      Eliminar
  7. Tal como o Pedro, também li que estreou o filme e pelo que li parece que está bom...
    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Sabes que antipatizo com o teu admirando; é uma quezília
    não apenas inteletual, mas também física, visceral...
    Não acho a carta minimamente interessante e estar a falar
    de mortos à esposa preocupadíssima é do maior mau gosto,
    especialmente quando o autor é médico...
    O livro foi publicado a pedido da filha - então adolescente -
    quando já estava casado com outra mulher...
    Que tenha longa vida, porém, anda com cores demasiado vivas,
    próprias de quem abusa de destilados...
    ~~~ Beijinhos ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostos não se discutem, Majo. Há muita gente que embirra solenemente com ele, com a sua atitude, com o seu comportamento algo desbragado. Mas eu gosto mesmo muito de o ler...
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Momento de aprendizagem, Graça! Obrigada, pela partilha!
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é que agradeço as visitas...

      Beijinhos lusos...

      Eliminar