quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Histórias da minha rua (11)

A jovem senhora está na faixa dos quarenta mais próxima dos cinquenta, embora apresente um aspeto juvenil de quem veste 36 e de uma bonita loira com cabelos aos caracóis.

Não obstante, tem já em cima uma boa carga de problemas de saúde, o que ninguém dirá dado o olhar alegre e o sorriso fácil.

A sua médica de família, que é muito cuidadosa e por isso muito gabada pela jovem senhora, preocupada com uma ciática e com as queixas das lombares, depois de lhe encomendar uma série de exames, marcou-lhe uma consulta de neurocirurgia em Coimbra – que em Leiria o SNS não tem – para confirmar um tratamento mais completo e adequado.
Ontem contou-me como foi: entrou no gabinete do médico neurocirurgião que, sem sequer a mandar sentar, lhe perguntou de chofre a que queria ela ser operada.

Cara de espanto da jovem senhora, perplexidade, encabulação. Depois de recomposta e de perguntar se podia sentar-se, a jovem senhora respondeu que não vinha para nenhuma operação e apresentou os relatórios dos exames realizados que o senhor doutor se viu quase obrigado a ler.

E, em cinco minutos, lá lhe prescreveu, secamente, uma operação à coluna por causa da lombar 4 ou 5 ou fosse ela qual fosse.

Que a jovem senhora diz que não fará, pelo menos para já e depois de uma consulta assim…

(Que fique claro que não estou aqui a maldizer o SNS. Vivi até perto dos meus 30 anos sem a existência de tal comodidade social e nem quero lembrar-me desse tempo! Profissionais dignos e interessados há-os dentro e fora do SNS e dos outros também…)




22 comentários:

  1. Pois!!!
    Até na saúde é preciso "ter sorte" de encontrar alguém competente!
    Operar à coluna ... requer muita opinião!!! Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. À coluna e não só... As pessoas não são números.
      Beijinho.

      Eliminar
  2. Há cada um... Imagino como não ficou a tal senhora. Na verdade há bons e maus profissionais em todos os domínios mas de um médico esperamos melhor que o descrito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há profissionais e "profissionais" em todas as áreas... Mas quando se trata da saúde (e da educação) é bem pior...

      Eliminar
  3. Infelizmente encontram-se muitos desses e isso prejudica os bons que também existem mas de quem se fala pouco.
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Maus profissionais há-os em toda a parte. Mas quando esses profissionais podem ter nas suas mãos a vida das pessoas, é deveras preocupante.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito preocupante, Elvira. Pode acontecer a qualquer um de nós...

      Beijinho.

      Eliminar
  5. Hoje, aqui no Brasil comemoramos o dia de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil e o dia das crianças.
    Vim para lhe deixar um abraço, com esse pensamento.
    Nunca deixe a criança que existe dentro de você desaparecer, porque um pouco de inocência é bom .Se quer permanecer jovem, só tem um jeito, conserve viva a criança que existe dentro de você, um coração cheio de amor, se interesse pelas coisas que acontecem, perdoe, se alegre com as mínimas coisas, esqueça as ofensas, as tristezas e as quedas, sorria mais, tenha sempre um coração disposto a amar, abraçar o mundo inteiro, um coração que não se apequena e não se esfria.
    Enquanto conservar calor no coração, a alegria de viver, não envelhecerá.
    Que Nossa Senhora Aparecida lhe cubra de bênçãos e que essa criança que existe dentro de você permaneça viva e feliz. Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Lourdes Duarte. Bem haja!
      Por aqui celebra-se a Nossa Senhora de Fátima. Desejo-lhe o mesmo em dobro.

      Beijinho.

      Eliminar
  6. 'Prescrever' uma operação tão melindrosa, como quem receita um analgésico, é coisa de bradar aos céus.
    Pobres dos pacientes que caiam em mãos de médicos destes.
    Não seria preciso que se fosse como o foi 'João Semana', mas a falta de ética, dignidade e brio profissional entre a classe médica, está a tornar-se assustadora.
    Felizmente, há muitas excepções.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ouvi na minha visita ao museu de Júlio Dinis em Ovar que o escritor ao criar a figura de JOÃO SEMANA se inspirou num médico que frequentava a casa da tia em OVAR.

      Eliminar
    2. Muitas exceções, Janita. Felizmente. João(s) Semana já não há, que isso era de outros tempos de má memória.

      Beijinhos para ambas.

      Eliminar
  7. Que rua essa, Graça.:)

    Pior só mesmo o hospital dos "médicos que adoram brincar às operações"...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São muitas e comuns as pessoas que moram na "minha rua"...

      Eliminar
    2. ... e cada uma com a sua história...

      Beijinho.

      Eliminar
  8. Vi agora mesmo passar uma ambulância dos bombeiros de Leiria, lá dentro, esse tal médico metido num colete de forças...
    Consta que a despesa dessa assistência foi paga pela Previdência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda me ri com o teu comentário, Rogério, no entanto, era realmente a única coisa a fazer a esse médico.

      Eliminar
  9. Há pessoas que não têm vocação para ser médicos.
    E isso não se ensina nas Universidades.
    Ou se tem, ou não.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para médicos e para muitas outras profissões de que se espera muito, Pedro!

      Beijinho.

      Eliminar
  10. Há profissionais de saúde que são o principal cancro do SNS

    ResponderEliminar