quarta-feira, 7 de junho de 2017

Conversas dramáticas


(Na cabeleireira)

(…) «Perguntaram pelo seu marido, D. Ernestina, e eu disse-lhe que tinha morrido.»

«Ai, D. Cristela, foram 56 anos de tormento! Quando tinha 48 anos, bem quis separar-me, mas ninguém me apoiou e tive de aguentar todos os dias de maus-tratos. Agora censuram-me porque ando vestida de preto, mas foi o meu filho que me pediu e agora tenho a roupa preta, tenho de a usar. Pelo menos até Agosto… Olhe mas ainda bem que ele morreu no hospital, foi uma sorte para mim.» (…) E caiu-se num silêncio pesado…
…..

(…) «Olha, esta também é viúva. E este também é viúvo! E este também? Ou já morreram? Têm uma cruz cada um…»

Pergunta a Cristela: «Que cruz? O seu facebook é mais atualizado que o meu? Deixe ver… Ah, essas fotos com uma cruz! São pessoas que não são suas amigas e a quem você pode pedir amizade!... » (…) Risos e gargalhadas, muitas gargalhadas…
….
(…) Diz a Cristela: «Se precisar de organizar uma festa, a qui o filho da D. Fernanda organiza eventos, festas, com brinquedos e tudo o que for preciso. A D. Fernanda faz bolos muito bons. E olhe que até já organizou festas de divórcios.» (…) Sorrisos e olhares enigmaticamente disfarçados…

....

As conversas são reais: ouvi-as hoje na minha cabeleireira. Só os nomes são fictícios. 

Dramáticas, cada uma à sua maneira e no seu tom. Porém, muito mais dramático, foi ver aqui na rua uns papéis colados no portão de uma vizinha que quase apelavam à sua leitura. E eu fui ler. Eram do tribunal. E lá estavam os nomes do vizinho e da vizinha e, por baixo, o apodo de «insolvente». Não li mais. Senti que estava a violar a privacidade daquelas pessoas. Senti-me incomodada, chocada, ultrajada - podia ser eu ou alguém da minha família!

Assaltou-me de imediato o pensamento: «Será que colaram papéis destes na porta da casa do Duarte Lima? Do genro do Cavaco?»

Dramático, no mínimo!!



16 comentários:

  1. Instala-se a revolta no peito.
    Que raiva!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  2. Na semana passada fui almoçar fora e vi lá o Duarte Lima!!!
    Pensei que era alucinação mas não era ....
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pertence a um dos dois grupos deste país em quem ninguém toca: o PSD/CDS/BPN... Podem roubar milhões, matar, vilipendiar que nada lhes acontece. Uma grande afronta à democracia e ao povo!

      Eliminar
  3. Infelizmente há fachadas e portas que não permitem colagens, Graça.
    Todos iguais mas uns mais iguais que os outros.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Cenas dum vale de lágrimas. As cabeleireiras são uma espécie de profissionais tipo CM.
    A Graça, com este manancial, não tarda, está a editar um best seller book...
    Bj.

    ResponderEliminar
  5. Conversas às vezes muito reveladoras se ouvem nas cabeleireiras...
    Os "editais" não são para todos...
    Não podemos esquecer que "somos todos iguais mas alguns são mais iguais que outros"!

    PS – Obrigada pela presença e palavras tão gentis na minha CASA

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Mariazita, «uns são mais iguais do que outros»... Muito triste!

      Beijinho.

      Eliminar
  6. As "conversas de cabeleireira" e as realidades que nos cercam... 5 ***** a sua análise, Graça.
    Abraço,

    ResponderEliminar
  7. Curioso ! :)... Já se deram conta de quão diferentes são as conversas entre grupos de mulheres e grupos de homens ?... rsrsrs
    Nada que se pareça !
    Nos homens é quase só, futebol, política ou mulheres ! eheheh

    Abração, Graça :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso sempre me dei melhor em grupos de homens... :)))

      Eliminar
  8. Raramente vou a csbeleireira mas sei qur é assim mas aqui na aldeia...é muito semelhante! Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mesmo por todo o lado, Gracinha. Talvez seja diferente nos cabeleireiros "finos" tipo Eduardo Beauté ... :)))

      Beijinho.

      Eliminar