segunda-feira, 24 de abril de 2017

Devemos cantar!

Levantam canções no ar
os grilos sem terem voz

Com as asas é que nós
também devemos cantar

(David Mourão-Ferreira)




20 comentários:

  1. Há que cantar e festejar! Viva o 25 de Abril!

    Beijinhos Graça

    ResponderEliminar
  2. Não sei cantar, nem com cordas, nem com asas,
    mas aplaudo veementemente de pé.
    ~~~ Beijinhos libertados ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada um canta como pode, Majo! Aplaudir é uma das formas.

      Beijinhos revolucionários.

      Eliminar
  3. E que nunca nos faltem as asas
    Um abraço e viva a Liberdade

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos nem que seja nas asas do sonho, Elvira.

      Viva a Liberdade!|

      Eliminar
  4. Cantemos
    do modo que soubermos

    Como os grilos?
    Que seja!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois então!!!

      "Canta, canta, amigo, canta
      vem cantar a nossa canção
      tu sozinho não és nada
      juntos temos o mundo na mão!»

      Eliminar
  5. Portugal vive em liberdade, em democracia, sem movimentos extremistas.
    Valeu e vale a pena.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Vale sempre a pena" como disse o Poeta.

      Beijinhos, Pedro.

      Eliminar
  6. Com asas, de preferência, festejemos e cantemos o 25 de Abril!
    Bom Feriado!

    Votos de uma semana muito feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  7. Que cada um cante pois
    com as asas que tem.

    Bom Feriado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Embora haja quem ainda chore...

      Beijinho, Agostinho.

      Eliminar

  8. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
    Muda-se o ser, muda-se a confiança:
    Todo o mundo é composto de mudança,
    Tomando sempre novas qualidades.

    Continuamente vemos novidades,
    Diferentes em tudo da esperança:
    Do mal ficam as mágoas na lembrança,
    E do bem (se algum houve) as saudades.

    O tempo cobre o chão de verde manto,
    Que já coberto foi de neve fria,
    E em mim converte em choro o doce canto.

    E afora este mudar-se cada dia,
    Outra mudança faz de mor espanto,
    Que não se muda já como soía.

    Luís Vaz de Camões (1524-10 de junho de 1580)

    25 DE ABRIL, SEMPRE!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O nosso grande Camões fica bem em qualquer situação, tempo ou espaço. Como é possível que os escritos dos Poetas tenham tão grande alcance!

      25 DE ABRIL, SEMPRE!

      Eliminar
  9. David Mourão-Ferreira cantava o AMOR como nenhum outro poeta daquele tempo.

    Então, eu canto com os grilos para que os cravos vermelhos não murchem para SEMPRE.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cantemos juntas então, ematejoca!

      (A poesia de David Mourão-Ferreira é espantosamente bela e cheia. Uma maravilha! Ele é que era cá um vaidosão lá pelos corredores da Faculdade!.... Perdoa-se-lhe, à distância...)

      Eliminar