sábado, 27 de fevereiro de 2016

Porque rir é preciso...

Uma anã vai a uma consulta ginecológica.

- Bem doutor... Na verdade não sei o que dizer...cada vez que chove a minha vagina dói-me.

- Dói-lhe? Como?

- Ah, doutor, dói, arde, fica avermelhada...

- Bem, suba para a marquesa que vou examiná-la.

O médico observa-a atentamente e diz-lhe:

- Na verdade não encontro nada de anormal... Mas como é a dor?

- É uma dor muito intensa. O interessante é que só sinto quando chove...

- Bem, recomendaria que venha num dia de chuva, assim posso fazer um diagnóstico mais preciso.

Passam-se 15 dias e numa tarde chuvosa aparece no consultório novamente a anã.

- Ai, doutor...Não aguento mais as dores! Hoje, que está a chover, está-me a doer muito novamente!

O médico olha e manda-a deitar-se na marquesa ginecológica. Coloca um lençol entre as pernas, agarra uma tesoura e começa a trabalhar.

Cinco minutos depois, diz-lhe para descer da marquesa:

- Como se sente?

A anã caminha um pouco e diz:

- Estou muito bem doutor, já não sinto nada. O que é que o senhor fez?

- Nada. Só cortei um pouco as galochas...

(Paula Rego)



19 comentários:

  1. Ahahahahh.
    Muito boa e a propósito peno menos por aqui não para de chover!
    bjs

    ResponderEliminar
  2. Muito bem caçada esta, Graça, já me ri à brava... não só pela anedota , mas por me trazer uma lembrança super engraçada que aconteceu lá pelas minhas bandas Alentejanas.
    Todos os anos apreciam vendedores ambulantes de todo o tipo de mercadoria, desde fruta do Algarve, relógios de pulso e peças de roupa feminina.
    Uma vez apareceu lá um fulano descarado cujo pregão fazia as raparigas soltar risinhos à supaca. Era assim:
    "Comprem meninas compre, meias da baratona, que vão dos bicos dos pés até ás bordas da commmmmmmprem, meninas comprem".
    Isto é verdade, graça!

    Essa usava as botas de borracha do mesmo tamanho das meias.

    Isto no Alentejo profundo e no tempo da ditadura. Se as meninas compravam, não sei, nunca assisti. Talvez as mais brejeiras, sim!!
    Eu não, era muito criança e ainda usava soquetes...

    Beijinhos, Graça. :)

    ResponderEliminar
  3. "Porque rir é preciso!" É mesmo, Graça. Eu venho cá também à procura disso.

    Um beijo

    Lídia

    ResponderEliminar
  4. Sobre galochas e chuva lembro-me daquela:
    A mãe leva a sua filha, que já fez 18 anos, ao médico pois ela queixa-se de enjoos. O médico depois de examina-la conclui que ela está grávida. Então pergunta-lhe se teve alguma relação com o seu namorado. Depois de pensar um pouco ela diz: "Sr. doutor só me lembro de uma vez ter calçado as galochas dele para atravessar um ribeiro num dia de chuva..."

    ResponderEliminar
  5. Está demais, esta não conhecia!

    Bom domingo Graça e um beijinho

    ResponderEliminar
  6. Imaginei de tudo... menos "as galochas"...
    kkkkk
    Abraço.

    ResponderEliminar
  7. ~~~
    (Lá) teve o médico que fazer de sapateiro.
    Alguns possuem mais jeito neste mister...
    O que sofrem as Anãs!l: ))

    ~~ Beijinhos, Graça. ~~

    ResponderEliminar
  8. Ora ainda bem que se divertiram caras amigas!! Rir é mesmo preciso!

    ResponderEliminar