terça-feira, 30 de junho de 2015

Finisterra

(Lagoa dos Teixoeiros ou da Mata; Tocha; Cantanhede
onde Carlos de Oliveira viveu)

Recordo sempre «Uma Abelha na Chuva» (19 53) como um dos melhores romances que li. Foi de tal modo que, no fim de uma daquelas excelentes formações que tive em Lisboa sobre essa obra, ainda no âmbito da Reforma Viga Simão, em finais de 70, fui à (saudosa) Sá da Costa, comprei o livro e li-o quase todo de enfiada na viagem de comboio para Leiria.

Há dias li não sei onde que a obra-prima de Carlos de Oliveira em prosa não fora «Uma Abelha na Chuva», nem «Casa na Duna» (1943), mas «Finisterra» (1978). E aí me mandei eu para a Biblioteca Municipal para requisitar o dito romance.

Comecei a lê-lo assim que cheguei a casa e garanto-vos que na página trinta e tal ainda não tinha percebido nada. Só que não era capaz de parar à espera que, ao virar de página ou de linha, me aparecesse uma ponta da meada para começar a (des)enrolar o novelo. Nada!

A voracidade com que li «Uma Abelha na Chuva» foi a mesma com que li «Finisterra». Mas enquanto da primeira vez eu avançava célere para conhecer o enredo, agora, lia para entender a construção da narrativa. Copiei frases, palavras-chave, ideias e quando ao fim da tarde do dia seguinte cheguei ao fim das suas 180 páginas, voltei ao princípio – como tantas vezes me acontece no final da leitura de tantas obras – para completar as notas que avulsamente fui tirando e, saltitando atrás e à frente, reli o livro todo.

Cola-se-nos como o líquido pastoso da gisandra – planta ou mineral? não se sabe – que perpassa toda a obra se cola à casa e à narrativa, enfim.. É que toda aquela arquitetura do romance que se aprendia na faculdade sobre as personagens, o narrador, o espaço, o tempo e a ação cai por terra nesta obra. Trata-se da verdadeira desconstrução do romance numa perpetiva neo-realista da fase tardia do Modernismo em Portugal.

«Finisterra» - fim do mundo – tem como subtítulo «Paisagem e Povoamento» e é toda ela mais descrição da paisagem e da forma como foi povoada pela família em questão. E é dentro dessa descrição algo caótica e enigmática que nos são contados em constantes e nublados avanços e recuos os contornos da família que povoou a paisagem e construiu a casa. [“A casa, vista de fora, impressiona. Fortaleza, resistindo aos impulsos da névoa. Fantástica, também: o halo, o contorno fosforescente…”] A casa está em ruínas como a família – ou o que dela resta e… (não vou dizer como termina…)

O narrador (um ou vários, vá-se lá saber…) tanto fala como narrador (em 3ª pessoa) como personagem (em 1ª pessoa) e isso acontece muitas vezes quase dentro da mesma frase.

As personagens não têm nome, apenas lhes é referido o laço familiar. Há a criança “sentada no osso de baleia” no jardim a desenhar, quase sempre febril, que alterna com o homem adulto (a mesma personagem diga-se) “a vaguear toda a noite” pela casa e “vai a caminho da infância, duplica a própria imagem regressivamente”. Há o pai, a mãe, o tio – a memória do avô povoador, o amigo da família e o executor fiscal – todos apresentados quase como silhuetas rodeadas de névoa e de uma reverberação enigmática.

O leit motiv da narrativa – que é a obsessão de toda a família –  é o registo da imagem: da casa, das dunas, da lagoa, do jardim, quer pelo desenho (a criança), pela fotografia (o pai), pela pirogravura em carneira (a mãe), pela topografia, a maquete (pelo homem adulto – que é afinal a criança e muitas vezes o narrador.) Mas tudo desfocado, moldado pelo orvalho, pela névoa do mar e das dunas, pelo vento, por um halo de luz, pela penumbra, pelos jogos de sombras em labaredas, a madrugada e o crepúsculo.

Tudo muito misterioso, muito enigmático num desconcerto de tempo e de espaço, mas com uma linguagem poética de índole romântica pelo assunto, mas modernista pela forma, num jogo de cores, de luz e contraluz, de fluidez, de bruma e encantamento que fazem lembrar a ambiência dos tempos de Merlin e das maléficas deusas de Avalon.

(Amanhecer na Lagoa dos Teixoeiros, Tocha)

Poderia estar aqui a falar desta obra por mais sei lá quantas páginas, mas não o farei sob pena de…

Quem gostar e se atrever, leia a obra. É um espanto em termos de literatura e de língua. De Língua Portuguesa.


20 comentários:

  1. Fui ao site do sistema de bibliotecas públicas de Toronto de onde requisito todos os meus livros. Procurei por “Uma abelha na chuva”. Não têm. Têm “Finisterra”, “Entre duas memórias”, “Poesias, 1945-1960”, “Pequenos Burgueses”, “O aprendiz de feiticeiro” e mais dois de referência que não podem ser requisitados.
    Acabei por não requisitar nenhum por agora. Tenho uma série deles em lista de espera na biblioteca que vou receber dentro de poucos dias. Mas tarde, por curiosidade, lerei um livro deste autor do qual não li nada ainda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É muito bom!! Escrevia muito bem!

      Boas leituras.

      Eliminar
  2. Não conheço! Fica a sugestão que parece bastante interessante.

    Beijinho Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bom, muito bonito, mas muito difícil! Vale a pena, porém.

      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar
  3. Li-o muito jovem e não o compreendi bem como a tantos outros lidos fora do tempo e aos quais temos que regressar.
    Éramos quase "vizinhos"... Ele pelas gandaras eu pela Figueira.
    Esta Lagoa na Tocha não a conheço.
    Obrigada pelas visitas e até breve.
    Beijinho :)

    ResponderEliminar
  4. ~~ Grata pela sugestão e apoio.
    ~~ Tenho a certeza que vou gostar de o ler no Outono.

    ~~~ Beijinhos. ~~~
    .

    ResponderEliminar
  5. É uma sugestão a ter em conta. Para quando as noites forem maiores. Agora os dias são grandes mas dão para pouco. Um abraço Graça

    ResponderEliminar
  6. Pela sua descrição, Graça, é um estudo literário de época. Não conheço a obra. Muito interessante para absorver-se outras narrativas. Valeu pela indicação. Felizes somos nós que temos o hábito de boas leituras! Parabenizo-a pela gentileza da partilha.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é que agradeço o facto de me ler....

      Beijinhos

      Eliminar
  7. Gracinhamiga

    Gosto do Carlos de Oliveira, mas não gosto, nem percebo, do Finisterra. Por isso já somos dois... Raio de livro (?)

    Bjs da Kel e qjs do alfacinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois de o ler e reler, acabei por entendê-lo. É uma obra poética!

      Beijinhos ao(s) alfacinhas!!!

      Eliminar
  8. Impressionou-me tanto este seu escrito , ontem , que nem coragem para comentar....mas pode acreditar , foi o que me deu mais " trabalho"...tenho uma grande amiga , que vive no Porto e é a pessoa mais culta que conheço. Ontem , à noite, estivemos a ler e interpretar o seu escrito e hoje ela vai comprar o citado livro.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida M.A.A.! Não sei quantas vezes tenho de lhe agradecer a consideração em que leva os meus escritos.... Tenho a certeza que a sua amiga e a M.A.A. vão achar o livro uma verdadeira loucura....

      Beijinhos.

      Eliminar
  9. Que desejo me ficou de ler essa obra. Vou anotar. :)

    ResponderEliminar