quarta-feira, 13 de maio de 2015

Nascer a 13 de Maio

Tenho um amigo que faz anos hoje, 13 de Maio. Na casa dos oitenta, conheço-o desde o dia em que, vai para 41 anos, me apresentei na “minha” escola aqui em Leiria. Passámos bons e belos momentos na nossa velha escola – a D. Dinis nas instalações do antigo Lyceo Rodrigues Lobo (com a escrita de não sei que acordo ortográfico…) – já que foi ele que, ainda nos loucos e revolucionários idos de 70, me desafiou para aquelas coisas da direção da escola, convidando-me, ou melhor, obrigando-me a ser sua vice-presidente. Um dia, apresentou-se em minha casa (nem sei como a descobriu) com um papel azul na mão e disse-me: «Assina aqui que precisamos de ti para vice-presidente do Conselho Diretivo!» E eu assinei, quase sem saber ler nem escrever…

Depois foi a loucura de dirigir uma escola de prestígio um ano e tal depois de deixar de ter Diretor (daqueles do antigamente) com quem, aliás, nos dávamos e nos demos sempre muito bem! Ficámos todos seis – cinco elementos do Conselho e um amigo do peito que funcionava como assessor – sempre muito amigos e, durante anos, nos juntámos em jantares habituais em que contávamos anedotas e ríamos até às tantas. Numa dessas noites, decidiu que tínhamos de ir roubar maçãs para a quinta do pai nos arredores de Leiria. E lá fomos nós com sacos e tudo para trazer as maçãs “roubadas”. Com tanto azar que fomos “apanhados” não sei bem por quem que se pôs aos tiros para o ar e tivemos de fugir a correr. Como disse acima: loucuras dos idos de 70.

Encontrei-o há dias com a mulher no supermercado – que é onde encontro muitos dos antigos colegas, vejam lá o desconchavo! – e disse-lhe: «Olha que nunca me esqueço do teu dia 13 de Maio!» Riu-se e tratou de me dizer que já fazia oitenta e… e que daí a dias iam os dois fazer uma viagem a Israel e que gostava muito de viver e tinha pena de deixar isto tudo… «É que eu sou uma pessoa serena e gosto desta vida calma da província e tudo. Sou assim de nascença.» – dizia. E, a propósito, contou-me como, no dia em que estava para nascer ali no Vidigal, o pai queria um carro de praça para ir buscar a parteira a Leiria e não encontrava nenhum em parte nenhuma porque era dia da Senhora de Fátima e os carros de praça estavam todos para lá. Por isso o pai teve de ir de burra até Leiria e trazer a parteira na burra e ele esperou serenamente para nascer… Rimo-nos bastante mas lamentei pela pobre mãe…


Anos 30 do século passado, nos subúrbios próximos de uma capital de distrito e era gente de algumas posses… (Vejam só o atraso deste país. Desde tempos imemoriais!)



18 comentários:

  1. ~~ Que leitura tão agradável, Graça!

    ~~ As minhas congratulações pelo aniversário do teu amigo
    e que te proporcione o prazer desses alegres encontros por
    muitos e muitos maios...

    ~~~~ Beijinhos. ~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  2. Gracinhamiga

    ... e sem esquecer o grande Eça que o Zambujal transformou em título Eça agora... na sua obra-mestra "A Cidade e as Serras" há que lembrar o Zé Fernandes que retrata o Jacintinho de Tormes:
    "O meu amigo Jacinto nasceu num palácio, com cento e nove contos de renda em terras de semeadura, de vinhedo, de cortiça e de olival.
    No Alentejo, pela Estremadura, através das duas Beiras, densas sebes ondulando por e vale, muros altos de boa pedra, ribeiras, estradas, delimitavam os campos desta velha família agrícola que já entulhava o grão e plantava cepa em tempos de el-rei D.Dinis. A sua Quinta e casa senhorial de Tormes, no Baixo douro, cobriam uma serra. .."


    Já no tempo d'el rei D. Dinis o País esta atrasado. Passaram-se séculos e a salazarenta criatura esforçou-se por atrasa-lo mais... Porém, depois do 25 de Abril (jugo que sabem o que foi, é e será...) aconteceu o impensável: Cavado, Cuelho e Porta ainda conseguiram a proeza de o atrasar mais e mais...

    Qjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente assim é! Este povo atrasado votou neles porque gosta de ser atrasado....

      Eliminar
  3. É bom este tipo de encontros, principalmente quando as recordações fazem sentir saudades dos tempos em que existia respeito e camaradagem.
    Que continues por muito tempo a encontrar o teu amigo com a boa disposição de ambos.
    Faz hoje 38 anos fui internada na Clínica da Marinha Grande para a minha filhota mais nova nascer, mas ela fez-me um toma, fez-me estar a soro até ao dia 20 e à noitinha fui transferida para o Bissaya Barreto para fazer cesariana, mais soro até dia 30 à noite, altura em que resolveu nascer de parto normal.

    Beijinho Graça desculpa a extensão, há quem as ponha no cabelo, ou unhas, eu coloco nos comentários :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. eheheheheheh.... essa das extensões está boa, Adélia!!!
      Mas olha que a tua filha mais nova deve ser de força........ Bolas!!

      Beijinhos para ti e para ela!

      Eliminar
  4. Ainda hoje parece mentira que essas coisas tenham acontecido, Graça.
    E foram tão reais e tão próximas.
    É bom que se vão contando para evitar que apareçam certos saudosismos de gente que se recusa a perceber o óbvio.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem toda a razão, Pedro!! Insuportáveis estes saudosismos lusos....
      Beijinhos

      Eliminar
  5. Contar esses factos aos mais novos é uma epopeia, pois os jovens não acreditam que há poucos anos atrás o país era assim.
    Um abraço e parabéns ao seu amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acontece-me contar episódios destes e outros parecidos aos alunos e eles perguntarem: «Isso foi antes da República?» E eu digo-lhes: «Bolas! Sou velha mas não tanto!» Noção de tempo histórico é coisa que muitos deste jovens não têm nem lhes interessa!
      Beijinho

      Eliminar
  6. "Deus dá o frio conforme a roupa"...Como seria hoje recorrer a essa forma de socorro na iminência de um parto? Viver para contar!.
    Cumprimentos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem quero pensar nisso que me voltam as dores dos partos...
      Cumprimentos.

      Eliminar
  7. Com jeitinho, estes tipos em oito anos fazem o país regressar a esses tempos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me admirava! E eles não se importavam nada...

      Eliminar
  8. bons tempos esses!...
    em que os "milagres" aconteciam montados em burra!...
    e Fátima era um corropio de automóveis...

    beijo

    ResponderEliminar
  9. Qualquer local é bom para reencontrar amigos e pôr a conversa em dia, Graça! Gostei imenso deste teu texto...da vontade de viver do teu amigo, que aos oitenta já sente pena por não ser mais novo e ainda ter mais para desfrutar da terra onde vive, das viagens e dos amigos.
    O mundo evoluiu, Graça, não foi apenas Portugal. Os burros até estão em vias de extinção...os verdadeiros, porque dos outros, cada vez há mais!

    Só num aparte, o meu filho também está em Telavive, não a fazer turismo, mas a trabalhar. Já regressa amanhã.

    Se não tivéssemos Fátima o corropio seria todo para Lourdes...

    Beijinhos!

    Janita

    ResponderEliminar