quinta-feira, 28 de maio de 2015

Clausura

Há, no Palácio da Vila, em Sintra, um pequeno quarto – conheci-o há muitos, muitos anos atrás e impressionou-me bastante – chamado «Quarto dos Infantes» onde o infeliz rei Afonso VI foi encarcerado, depois de ter regressado da Ilha Terceira para onde fora deportado cinco anos antes. De regresso a Lisboa, foi alojado nesse quarto de pequenas dimensões no Palácio de Sintra, apenas nesse Verão já que nas restantes estações do ano o quarto recebia muito frio e muita humidade. Porém lá permaneceu, «sepultado, como se fora morto» (nas suas próprias palavras) até à sua morte, nove anos depois.




A janela do quarto dava para a Serra, de onde os seus leais amigos, o Conde de Castelo-Melhor por exemplo, comunicavam com ele enviando-lhe sinais de fogo – diziam os cicerones do Palácio. E chamavam a especial atenção dos visitantes – nos quais me incluí várias vezes – para as lajes do chão do quarto gastas de tanto o infeliz rei andar no quartinho de um lado para o outro.



Lembrei-me deste triste episódio da nossa História e dos meus conhecimentos de juventude um dia destes ao atravessar aquela minha sala e subir e descer estas minhas escadas. Para cá e para lá, vezes sem conta. Salvas as distâncias espácio-temporais e históricas, às vezes sinto que também este meu chão vai acabar por ficar gasto…


17 comentários:

  1. Referes-te ao Palácio da Pena, Graça?

    É que já o visitei, em tempos, e não me recordo do cicerone ter mostrado e referido esse aposento! Mas já foi há tanto tempo!!

    Enclausurada é coisa que não estás, Graça e quanto a desgastares o teu chão, não sei, mas com o tempo tudo se gasta! :-)


    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é no Palácio da Pena, Janita. É no Palácio do centro da Vila, o das chaminés altas.

      Eliminar
    2. Ah...Esse não conheço, Graça!

      Obrigada!!
      :)

      Janita

      Eliminar
  2. Mas a Graça não está em clausura.
    Só a palavra é claustrofóbica, caramba!
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E se a clausura for psicológica?!.... Coisas loucas da (minha) mente, caro Pedro....
      Beijinhos e bom fim de semana.

      Eliminar
  3. Porque é que o infante foi enclausurado?

    ResponderEliminar
  4. Tal como tu também me assomei à porta desse quarto e tive exactamente a mesma perspectiva que as tuas fotos mostram.
    Segundo se sabe foi o "sacana" do mano, o D. Pedro II (estou certo não estou?) que o pôs a "pão e laranjas" para o resto da sua vida com a justificação que o Afonso era Chóné.
    Não me recordo se o J.H.Saraiva nas suas prelecções confirmou ou negou tal coisa, mas a certeza que temos é que o Afonso ali ficou inclausurado até que a morte o libertou.
    São comportamentos reais, porque são da realeza e as realezas tem prerrogativas muito próprias.
    Beijinhos rodeados de sorrisos :))

    ResponderEliminar
  5. Segundo conta a História, clausura a realeza no mundo era normal. E, que ótimo Graça Sampaio a compara em prática também normal (voluntária ou não), exemplo o cotidiano a diversidade as pessoas em sendo refém os afazeres. Claro, sob a perspetiva sem castigo a opção de vida.

    Bem, a questão o reino outrora lamentavelmente o foi e está registado o deste modo infeliz a sucessão, contudo este modelo a monarquia portuguesa houve excelentes reis e rainhas a boa conduta.

    ResponderEliminar
  6. Clausura psicológica....Eu entendo.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  7. Gostei de ler!...
    Sobre o "gastar o chão", pode ser só o resultado da pequenez dos passos. Nada como ter asas... :)


    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. «Quem nos deu asas para andar de rastros?
      Quem nos deu olhos para ver os astros
      - Sem nos dar braços para os alcançar?!... »

      (Florbela Espanca)

      Eliminar
  8. Que bela memória, Rosa!
    Com essa cabeça a funcionar tão bem não clausura que se instale, foi alguma nuvem passageira que passou por aí...logo virão bons pensamentos e muita criatividade para animar.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso, Papoila! Por vezes passam-nos uns «vaipes» tontos pela cabeça....
      O brigada.

      Beijinho

      Eliminar
    2. Graça eu peço desculpa porque me estou sempre a enganar e umas vezes chamo-te Rosa e outras Graça....pelos vistos a minha cabeça também anda muito criativa :))))
      bjs

      Eliminar
  9. Infelizmente para mim nunca visitei o palácio. Mas enclausurados estamos quase todos hoje em dia. Voluntário ou não, psicológico ou não. Mas porque não nascemos com asas?
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso mesmo, Elvira! Bom que me entendes....

      Beijinho

      Eliminar