sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Poema antigo

Encontrei, num livro antigo, uma folha com um soneto muito bonito manuscrito por mim, sem data nem nome de autor, dos tempos antigos da adolescência, em tempo de desamores... 

Foi um belo reencontro, podem crer. Tanta companhia me fez este como outros muitos poemas que eu transcrevia de livros e revistas que encontrava lá pela Biblioteca em Sintra. Mas tão tontinha que não registava o nome dos seus autores...

Querem ler? É um lindo poema de amor - digno de uma Florbela Espanca, sei lá!





15 comentários:


  1. Que lindo Graça...
    Tentei encontrar pelo motor de busca os versos deste poema... mas não encontrei!
    Que pena não podermos conhecer quem o escreveu!

    E fizeste dele uma belíssima moldura!
    Que bela maneira de se começar um fim de semana... :))

    Beijinhos Amiga, fica bem.
    (^^)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também tinha procurado no Google, mas nada encontrei.
      Gosto muito de rosas amarelas, sabes? Sou uma romântica....

      Beijinhos poéticos.

      Eliminar
  2. Realmente, Graça muito belo!
    Autor ou autora inspiradíssimo (a)!
    Um belo postal você elaborou!
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto muito de rosas amarelas, Célia. E de sonetos românticos...

      Eliminar
  3. Talvez tenha sido a Graça a escrevê-lo. É um soneto todo inspirado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem teria gostado, Benó! Mas não teria sido capaz...

      Eliminar
  4. ~ A uma semana do dia de S. Valentim...
    ~ Uma recordação romanesca e bela que tocou o tenro coração da Graça, menina.
    ~ Um canto de amor de uma doçura inexcedível, numa doação total e pura.
    ~ Bom gosto de quem guardou-o como um tesourinho e hoje partilhou-o com amigos.

    ~ ~ Beijinhos com votos de eterno amor, dedicado, solícito e muito terno. ~ ~
    ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Majo, pela ternura das palavras.

      Beijinho.

      Eliminar
  5. Lindíssimo, Graça ! ... pena não se saber a autoria, mas não me parece ser da Florbela Espanca. Ela é mais dramática, mais de perdas, mais de tristezas! ...
    Este, é mais um "rogo de permissões de um regresso" : "Deixa-me ver-te", "deixa-me ouvir-te", "deixa-me ser ...outra vez" ...
    Um Belo Soneto, que é (quanto a mim) a forma mais bonita de versejar (no bom sentido) "o amor" !

    Beijinho, Graça e bfds !
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não é certamente da Florbela Espanca! Também gosto muito de sonetos - uma forma de poesia muito completa e muito difícil de escrever. Camões tem-nos lindos de morrer!

      Beijinho.

      Eliminar
  6. Também tinha esse hábito, lá pelos meus 15/16 anos. Será comum a todas as adolescentes desse tempo?
    E o poema é de facto muito belo, mas não o consigo atribuir a autor conhecido...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem eu... Nesse tempo não havia internet, nem sequer fotocopiadoras, quase não havia televisão e nós... líamos e copiávamos à mão...

      Eliminar
  7. Daqui se conclui que muitos de nós, temos, muitas vezes, guardados nas nossas gavetas, poesias lindas, como é o caso desta. Gostei muito !
    Vou levar um livrinho de autógrafos para o almoço e vais ter de assiná-lo Graça ! :)

    ResponderEliminar