domingo, 22 de dezembro de 2013

Em nossa defesa



Mais do que a mentira, a hipocrisia, a estupidez e até a própria vaidade, é a arrogância – defeito muito português – que mais me incomoda.

A incapacidade que temos em ouvir os outros falando até por cima deles; a facilidade e a insensatez com que nos pomos a discutir e a opinar sobre qualquer matéria ou assunto desde o futebol até à semiótica com a certeza absoluta do que afirmamos; a forma como altivamente olhamos para os outros de cima para baixo e lhes avaliamos e criticamos o comportamento; a ausência de humildade enfim confrange-me.

Lembro-me de ter já abordado este assunto neste espaço, mas não me canso de a ele voltar e de, a propósito, voltar a nomear o filme Dogville que tão bem trata a temática da arrogância vs. humildade.

E, falando sobre a nossa (dos portugueses) sabida arrogância com as minhas filhas – que não me poupam os elogios – logo diz uma delas: «Ó mãe, mas olha que tu muitas vezes também és bem arrogante em certas posições que tomas!» «E quem o não é de vez em quando?» -  contestei, algo contristada.


Fiquei a pensar na crítica e concluí em minha/nossa defesa que, muitas vezes, a arrogância é uma forma de encobrir as nossas fragilidades. Indesculpável, porém.


9 comentários:

  1. Que não lhe fique qualquer sentimento de culpa... A arrogância, a verdadeira, a que faz vitimas e silencia a verdade, é a que é assumida por quem detém (o) poder!

    ResponderEliminar
  2. Ai as filhas, como podem ser demasiado siceras, implacáveis!
    Devemos considerar as pequenas arrogâncias e as que são graves, como as que indicou nos dois primeiros parágrafos. Essas são detestáveis e penso que estão relacionadas com falta de inteligência.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Penso que a arrogância é um estado que nos obriga a todos a passar fome e miséria...
    A outra, a que ensina boas maneiras em casa, essa será talvez um dialogo aberto...Também devemos ouvir o outro lado da questão...

    ResponderEliminar
  4. Bem, Graça, vejo a "arrogância" quando não prejudicial, até um bom item a ser conservado e elaborado. Eleva nossa autoestima, desde que saibamos o limite certo dessa ousadia! Quanto aos "filhos"... de certa forma, são termômetros do nosso ser e fazer.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Dizer a verdade não é ser arrogante!

    Cá entre nós, tenho a inveja como o maior defeito ibérico...e que a Inquisição e a ditadura fortaleceram isso.

    Bom Natal e feliz Ano Novo.

    ResponderEliminar
  6. A arrogância é tida como pecado mas nem sempre o é, como defendem a São e a Célia Rangel. A necessidade de forçar um pouco para se alcançar objetivos pode ser compreensível. Neste caso é fundamental ser capaz de parsr na altura certa.

    ResponderEliminar
  7. digo, ... ser-se capaz de parar na altura certa e nunca deixar de se ouvir o que o outro tem a dizer.

    ResponderEliminar
  8. por muitos defeitos que citemos, o problema está em menorizar os seus efeitos. não sendo eu uma fada capaz de espalhar pozinhos de perlimpimpim que resolvessem um pouco, deixo votos de Feliz Natal e que a esperança deixe de andar tão escondida de envergonhada.

    ResponderEliminar