quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Ao musgo

(A caminho de Monserrate)

Era por este e por outros caminhos igualmente belos como este que, nos idos de 60, mal terminavam as aulas, o nosso habitual grupo de rapazes e raparigas da Vila munidos de cestas e de facas, se lançava na difícil mas super-divertida tarefa de ir ao musgo para o presépio. 

A serra é, como sabem, verdejante, sombria e húmida mais do que suficiente para cobrir muros, pedras e caminhos com musgosos tapetes altos de fofos que faziam as nossas delícias. 

Frio de rachar, humidade que chegava aos ossos, chuva muitas vezes, que Sintra era como Londres. Mas o gozo era o passeio, a brincadeira, a risota, a zombaria. A beleza estonteante da paisagem nem era por nós notada porque era a habitual de todos os dias. Com as mãos enregeladas e com a perícia de quem corta escalopes, metíamos as facas por baixo do musgo e cortávamos cuidadosamente longas pastas verdes que, no dia seguinte, iríamos dispor no canto da sala onde o presépio caseiro iria nascer.

Serra dentro, a noite começava a esboçar-se aí pelas quatro e meia da tarde. A essa hora, porém, saídos para o nosso passeio apenas depois do almoço, a tarefa que nos movia não estaria nem sequer a meio. Além de que os caminhos eram infindáveis e a nossa vivacidade não nos aconselhava a voltar tão cedo para trás. «Vamos só até àquela curva!» «Não! Até à Fonte dos Amores!» (que não voltei a encontrar quando ultimamente visitei a Serra porque, parece, foi encerrada em propriedade privada)



E, por fim, já quase noite escura, com os cestos bem carregados com as boas das plantas quase molhadas, o regresso em passo de corrida serra abaixo. Quando avistávamos o palacete da Zezinha, já nos sentíamos em casa, mas ainda tínhamos mais uns seis ou sete minutos até ouvirmos a minha mãe a ralhar-nos por nos demorarmos tanto!


(Casa da Mira Longa)

No dia seguinte, quase na antevéspera da noite de Natal, dispunham-se as figurinhas de barro sobre o musgo fresco e perfumado e enfeitava-se o pinheirinho – que não de plástico – com as bolas de vidro pintado e as fitas prateadas. O Natal brilhava e rescendia.




Bom Natal!

15 comentários:

  1. Nesse tempo eu ainda era um menino da cidade... lembro-me bem de andar com o meu pai pelo pinhal do meu avô a apanhar o musgo, o pinheiro, as pinhas e outros pequenos ramos que a minha mãe depois pintava. Fazer o presépio e montar a árvore de natal envolvia a família toda, mais ou menos como agora...
    :)

    ResponderEliminar
  2. Boas Festas também para si e para toda a sua família.

    ResponderEliminar
  3. Tb cheguei a ir ao musgo e a encher latas de conserva com arroz (ou com trigo?) para obtermos “as searas”. Era ainda a época em que o Menino Jesus é que trazia as prendas e as coloca no sapatinho.
    Boas festas, Graça. : )

    ResponderEliminar
  4. Oi, Graça! Linda a sua narrativa natalina com descrição de uma vida vivida e natural. Belas recordações! Foi muito bom ler e conhecer você e sua região. Obrigada!
    Abraços natalinos!
    Célia.

    ResponderEliminar
  5. Tudo aquiloi que fazemos nós mesmos tem muito mais gosto e valor.
    PARABÉNS XXXX

    ResponderEliminar
  6. Tradições que se vão perdendo no escoar dos tempos, mas que ficam aqui muito bem documentadas.
    Feliz Natal também para si

    ResponderEliminar
  7. Nesse tipo de tarefas aprendia-se a ser gente. A descoberta da natureza, as aventuras por montes e vales, a fazer coisas bem e outras mal, era, no meu ponto de vista, muito melhor que estar agarrado a uma consola de jogos eletrónicos.
    Bela crónica, O Natal também é recordar.

    ResponderEliminar
  8. Na impossibilidade de dirigir a cada amiga/o uma mensagem de Natal personalizada, escrevi umas palavras muito simples mas bem significativas do meu sentir:

    “Neste Natal gostaria de trazer-te:
    O verde da árvore – a cor da Esperança;
    E, das bolas coloridas:
    - O vermelho – a cor do meu Amor fraterno;
    - O azul – a cor da suavidade dos Anjos;
    - O dourado – a cor da prosperidade que te desejo;
    - O roxo – a tristeza que sinto quando não te vejo;
    - O branco – A Paz que quero para a tua vida.
    No tanger dos sinos ouve a minha voz pedindo protecção para ti e toda a tua família.
    Seja onde for que te encontres deixa-me ser um pouco do teu Natal.
    Mas… acima de tudo, desejo que, na tua noite de Natal, o “Menino” não tenha que perguntar:
    - Então e eu? - (V. minha postagem de 27/12/2009 – NATAL DE QUEM?)

    Mil beijos natalícios
    Mariazita
    (Link para o meu blog principal)

    ResponderEliminar
  9. Não tenho tido tempo para deixar a minha opinião mas sigo este blogue inteligente e lúcido, de forma atenta.
    Estou muito cansada por isso deixo votos de um fim de semana bom e um beijinho

    ResponderEliminar
  10. Um agradecimento muito especial para as queridas Mariazita e Maria Sol. E para todos os maus amigos bloggers em geral.

    Votos de muito Bom Natal!

    ResponderEliminar

  11. Obrigada por esta partilha.
    Se o espaço da narrativa não surgisse tão claramente identificado, eu diria que fazia parte desse grupo de miúdos.

    Um beijo e votos de um Natal Feliz.

    Lídia

    ResponderEliminar
  12. ⋱ ⋮ ⋰ ♬♪ ⋯ ✰ ⋯ ♬♪ ⋰ ⋮ ⋱
    Passando para desejar um FELIZ NATAL e um NOVO ANO repleto de muitas e grandes realizações.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Adorei Graça, sabes que as minhas filhotas não usam arvores artificiais e fazem o presépio com musgo que vão recolher ao pinhal.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  14. E eu hei de voltar aos pinheirinhos naturais pelo cheiro e pela originalidade!

    ResponderEliminar