terça-feira, 7 de novembro de 2017

A Vida

A vida é o dia de hoje,
A vida é ai que mal soa,
A vida é sombra que foge,
A vida é nuvem que voa;

A vida é sonho tão leve
Que se desfaz como a neve
E como o fumo se esvai:
A vida dura num momento,
Mais leve que o pensamento,
A vida leva-a o vento,
A vida é folha que cai!

A vida é flor na corrente,
A vida é sopro suave,
A vida é estrela cadente,
Voa mais leve que a ave:

Nuvem que o vento nos ares,
Onda que o vento nos mares,
Uma após outra lançou,
A vida – pena caída
Da asa da ave ferida
De vale em vale impelida
A vida o vento levou!

João de Deus


Perdi hoje a última pessoa da minha família materna. A última e a mais próxima. O meu querido primo-irmão, presente na minha vida desde que me lembro. Criados juntos, vivemos juntos até ao dia de cada um seguir a sua própria vida.

Mais novo do que eu um ano, partiu em grande sofrimento de uma doença daquelas más que se declarou há menos de dois meses.

Grande dor. Grande tristeza.  

15 comentários:

  1. Um abraço, Graça.
    Também estou de luto.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Os meus pêsames pela sua perda.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Graça, deixo te um grande abraço e sentimentos de amizade para te dar apoio nesses dias de luto pelo falecimento da pessoa querida teu familiar proximo,

    beijinho
    Angela

    vinha deixar no teu blogue a mensagem de esperança pela floresta perdida,
    https://florestadointerior.blogspot.pt/2017/11/reflorestacao-da-mae-terra-em-coja-25.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+FlorestaDoInterior+(Ultimas)

    ResponderEliminar
  4. Dói-nos o coração com estas fatalidades, ainda mais quando inesperadas e próximas. Parece-me haver uma forma de minorar a perda: reservar um cantinho do coração para preservar a memória das coisas boas vividas com esse alguém que amamos. E focarmo-nos nos mais novos que nos rodeiam.
    Bj, Graça Sampaio.

    ResponderEliminar
  5. Como te entendo, Gracinha!
    A perda de um ente querido deixa sempre um vazio difícil de preencher... especialmente quando quem partiu era muito próximo.
    As palavras pouco adiantam, por isso prefiro deixar-te um forte abraço solidário.
    Acompanho a tua dor.

    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
  6. O meu abraço de condolências, Graça.

    ResponderEliminar
  7. Porque há momentos em que as palavras não servem de consolo, deixo um abraço bem apertadinho.

    ResponderEliminar
  8. Que dizer, num momento em que faltam as palavras, querida Graça?
    Sinto muito a dor que sentes e abraço-te, fortemente, com amizade.

    Janita.

    ResponderEliminar
  9. Sentidas condolências. Gostei muito do poema referente à vida.
    Gostei também muito do seu blogue. Fiz-me seguidor

    Se o entender podemos trocar linkes.

    brincandocomaspalavrass.blogspot.pt/
    .
    Votos de um dia feliz.

    ResponderEliminar
  10. Graça, não há palavras que consolem nesses momentos. Por isso me calo e te envio um abraço apertado e amigo

    ResponderEliminar
  11. Querida Gracinhamiga I

    Creio que dentro em pouco vou estar nessa situaão - ou mesmo pior. O meu irmão Braz está muito debilitado e... Oxalá não aconteça o seu fim - duma caminhada perigosa.

    Temo o pior... brevemente

    A Raquel e eu apresentamos-te os nossos pêsamos e estamos solidários contigo; infelizmente a vida é muito madrasta

    Bjs da Raquel e qjs do teu muito amigo
    Henrique, o Leãozão

    Se te confortar um pouco podes ir à NOSSA TRAVESSA e... sorrir

    ResponderEliminar
  12. Obrigada, queridos amigos, pelas vossas palavras de conforto.

    Beijinhos, beijinhos, beijinhos.

    ResponderEliminar
  13. Sinto muito pela tua perda e deixo-te um enorme abraço.

    Beijinhos Graça

    ResponderEliminar
  14. Minha querida, abraço solidário nesta hora de dor !

    ResponderEliminar