sexta-feira, 7 de outubro de 2016

“Um ultraje e um desastre” – disseram elas!

António Guterres vai ser o nono homem a ocupar consecutivamente o cargo de secretário-geral do Conselho de Segurança da ONU. E elas não gostaram. Foi grande a campanha das feministas que defendiam a necessidade de eleger uma mulher como secretária-geral das Nações Unidas depois de oito homens seguidos a desempenhar o respeitável cargo.

O movimento Campanha para Eleger Uma Mulher Secretária-Geral da ONU, que no seu site destacou  Kristalina Georgieva como "mulher da semana", afirmou que  "é injusto quer para as mulheres e para a Europa Oriental e representa os acordos de bastidores habituais que ainda prevalecem na ONU" (…) "Mais uma vez é um desastre para a igualdade de direitos e igualdade de género". E concluiu o movimento: "Permaneciam sete candidatas mulheres na corrida e no final parece que elas nunca foram seriamente consideradas. Isto é um ultraje!"

Por seu lado, o Center for Women"s Global Leadership, de New Jersey, fez saber na sua conta do Twitter que "o próximo secretário-geral não é uma mulher, mas vamos ter de garantir que ele é feminista".

Não sou nada a favor deste tipo de feminismo moderno. Este feminismo funciona como uma forma de machismo. Entendo e aceito os movimentos feministas do início do séc. XX que lutavam por direitos que nunca tinham sido consentidos às mulheres, bem como os dos anos 60/70 aqui em Portugal que lutaram contra os padrões clericais e salazaristas impostos às mulheres, mas este pseudo-feminismo que defende que «há que pôr lá uma mulher porque já foram muitos homens para mim, não colhe. Como nunca aceitei muito bem o modelo das quotas de mulheres na elaboração das listas de candidatos às eleições legislativas. As mulheres, tal como outros grupos ditos minoritários, devem ter acesso aos cargos por mérito e não por razões de género, ou de cor, ou de incapacidade física, ou da cor dos olhos …

Também considero que teria sido muito constrangedor para os eleitores se tivessem escolhido a senhora Kristalina depois de ter sido apresentada da forma mais atabalhoada e menos cristalina quase no final do processo.

Por mim, tenho de concordar com o Presidente Marcelo (imagine-se!!) quando afirmou que escolheram «o melhor» de todos os candidatos.

António Guterres foi sempre muito bom, foi sempre o «o melhor». Porém, e bem à maneira portuguesa, só agora, depois de ter sido reconhecido mundialmente, é que vêm todos “tecer loas” a Guterres… Outrora era a «picareta falante», o homem que «deixou Portugal num pântano», o homem que se enganou a fazer uns cálculos numéricos…

Ele é o homem que, feminista ou não, escolheu sempre «As pessoas em primeiro lugar» e cujas primeiras palavras são de «gratidão e humildade para servir».

Não é para todos…




22 comentários:

  1. Como tu, eu e a maior parte dos meus amigos admiram-lo desde sempre.
    Fiquei aborrecida por não ter terminado o 2º mandato, mas acabei por compreender...
    As feministas deviam de ter protestado contra a horrorosa da Merkel que foi um exemplo degradante - para o mundo - de liderança feminina.
    ~~~ Beijinhos vitoriosos ~~~

    ResponderEliminar
  2. Comentarei com a mesma quantidade de palavras que hoje ouvi da boca do Secretário-Geral da ONU, por várias vezes repetidas nos meios de comunicação audio-visual e tu terminas o teu artigo:

    OXALÁ NÃO SE DEIXE MANIPULAR... Muita sorte, é tudo o que, enquanto portuguesa, desejo a António Guterres, de quem conheci duas familiares em Castelo Branco.

    Beijinhos, Graça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me parece que seja pessoa para se deixar manipular! Mas, como tu, assim o desejo.

      Muito sorte para o nosso candidato vencedor!!!

      Eliminar
  3. Como escrevi no CR, estas organizações só prejudicam as mulheres, pois percebe-se bem o carácter de quem as dirige e os princípios que as regem. Não são mulheres. É mulherio!

    ResponderEliminar
  4. «Serão inconsequentes os líderes se os liderados não só não cooperarem como agirem subvertendo os percursos traçados... »

    Estava a pensar numa mulher quando escrevi este título

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quem seria a tal?
      Não consigo vislumbrar: não me leve a mnal...

      Eliminar
  5. Tenho a certeza que cumprirá a sua missão com dignidade!!!
    bj

    ResponderEliminar
  6. Concordo a 100% com as tuas palavras.
    Uma análise muito bem feita, como já nos habituaste quando se trata de política.
    Que não se deixe corromper e que dignifique o nome de Portugal, são os meus desejos.

    Beijinhos Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas tuas simpáticas palavras, Manu! Ele vai, com certeza, dignificar o nome do nosso país!

      Beijinho.

      Eliminar
  7. Finalmente um VERMELHO nas Nações Unidas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só tem esse defeito, Irlando! Ser do Benfica... eh eh eh eh....

      Eliminar
  8. Supor que AGuterres é uma pessoa que se posse corromper é percorrer este mundo assaz distraído dos valores éticos que caracterizam os perfis psicológicos dos seres actuantes da história que se está construindo...
    Não me refiro à vermelhidão, porque é ressabiamento demasiado grotesco...
    ~~~ Beijinho, amiga ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queria dizer... 'que se possa corromper, ou seja,
      'corruptível'!!
      Um atestado de estupidez aos avaliadores...

      Eliminar
    2. A "vermelhidão" a que o Irlando se refere é à do Benfica...

      Eliminar
  9. Plenamente de acordo com seu post, Graça!
    "As mulheres, tal como outros grupos ditos minoritários, devem ter acesso aos cargos por mérito e não por razões de género, ou de cor, ou de incapacidade física, ou da cor dos olhos"...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  10. Onde é que eu assino amiga Graça ?

    Um beijinho e boa semana por aí

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, qurida amiga carneirinha...

      Beijinhos azuis...

      Eliminar
  11. É inegável o valor de António Guterres (mesmo não sabendo fazer contas de cabeça (joke) ) e digo isto com isenção e sem empunhar nenhuma bandeira partidária, como tenho visto por aí muitas congratulações vitoriosas.
    E concordo com a amiga Janita ,oxalá!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oxalá! Mas ele vai conseguir: é por de mais bem formado!

      Eliminar