quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Meninas, mulheres

(no rescaldo de um Nobel da Literatura no mínimo estranho e para o qual me estou nas tintas... aqui fica um poema muito bonito. Como se hoje fosse o "inefável" dia da mulher...)


MENINAS, MULHERES

Nasce-se sem culpa formada,
menina e mais nada,
mais tarde
mulher
sempre preparada
para o que der e vier.

(...) 

Nasce-se criança, já grande
com um peso imenso nas costas,
para arcar com culpas postas
e outras diferenças incutidas,
nos espiritos, dos homens que não são mais…
Que crianças por nós tidas!

Nasce-se como e onde for,
Porque o momento não espera
com o coração cheio de amor
entre sangue e sofrimento,
revestidas de força e génio
pr’a ir além do firmamento!

Olham-nos como se fossemos fracas
e pouco tivéssemos para dar
que não fosse só sorrir
e caladas aguentar
o mundo à nossa volta a ruir
sem poder, ao menos, gritar

(...)

Nasce-se… Força da natureza
carregadas de beleza
mesmo que não salte logo à vista
porque a vida de uma mulher,
seja ela como for, esteja ela onde estiver.
É dura! Mas, linda. É uma constante, conquista

É um oceano de AMOR.

(Maria Rocha Soares)

in "Sobretudo cansaço"




12 comentários:

  1. Gostei imenso do poema, Graça. Li e reli.A vida duma mulher é um oceano de amor. Umas vezes calmo outras vezes cheio de revoltadas vagas.

    ResponderEliminar
  2. Fizeste muito bem amiga Graça brindar-nos, neste dia que é nosso como são todos os dias, como um belo poema sobre a dimensão da mulher tal como a dimensão do oceano...de amor.
    Quanto ao Nobel , surpreendeu-me !

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  3. Não vejo ironia no poema, mas se houver na intenção tu lá saberás, Graça!
    Acho até que é uma bela Ode à Menina-Mulher ou Mulher-Menina que, afinal, toda a mulher deve guardar em si.
    Quanto à decisão do júri da academia sueca, quando eu quiser ler o Nobel da Literatura, compro um CD do vencedor...e oiço o poema!
    Há que abrir novos Mundos ao Mundo!!


    Beijinhos irónicos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janita, a ironia estará na minha breve introdução ao poema. Nem ponta de ironia no poema que é de uma doçura quase cristalina.

      Beijinho.

      Eliminar
  4. Tal como disse: um oceano de amor a vida feminina! Bj e gostei

    ResponderEliminar
  5. Um poema de que gostei muito. Obrigada pela partilha…
    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. Parte do hino da mulher, digo parte, porque nós somos isso e muito mais! Gosto muito do poema.
    Quanto ao Nobel, eu gosto dos seus poemas, cantados.

    Beijinho amiga.

    ResponderEliminar
  7. Um Nobel que foi uma surpresa total.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lá isso foi! Um verdadeiro "charco na pedrada"...

      Eliminar
  8. Feliz por terem apreciado o poema.

    Beijinhos no feminino...

    ResponderEliminar