terça-feira, 25 de outubro de 2016

Cópia da cópia é no que dá...

(Pode ser já vossa conhecida, mas esta chegou-me hoje por mail.)

Um jovem noviço chegou ao mosteiro e logo lhe deram a tarefa de ajudar os outros monges a transcrever os antigos cânones e regras da Igreja.

Ele surpreendeu-se ao ver que os monges faziam o seu trabalho copiando a partir de cópias e não dos manuscritos originais.



Foi falar com o velho Abade e comentou que, se alguém cometesse um erro na primeira cópia, esse erro se propagaria em todas as cópias posteriores.

O Abade respondeu-lhe que sempre fizeram assim, há séculos copiavam da cópia anterior, na verdade desde o início da Igreja, para poupar os originais. Mas admitiu que achava interessante a observação do noviço.

Na manhã seguinte, o Abade desceu até às profundezas da cave do mosteiro, onde eram conservados os manuscritos e pergaminhos originais, intactos e com a poeira de muitos séculos . . .

Pois passou-se a manhã, a tarde e a noite, e ninguém mais vira o Abade. O último que o vira informou que ele estava indo na direcção da cave. Preocupados, o jovem noviço e mais alguns monges decidiram procurá-lo.

Nos labirintos do mais profundo e frio compartimento da cave, encontraram o velho Abade completamente descontrolado, tresloucado, olhos esbugalhados, espumando e com as vestes rasgadas, batendo com a cabeça já ensanguentada nos veneráveis muros do mosteiro.

Apavorado, o monge mais velho do grupo de busca perguntou:

- Mas, Abade, pelo amor de Deus, o que aconteceu?

- IMBECIL ! IMBECIL ! IMBECIL o primeiro copista! Desgraçado, que arda no Inferno! CARIDADE! . . . era CARIDADE !!! Eram votos de "CARIDADE" que tínhamos que fazer . . . e  não de "CASTIDADE"!!! . . . .


Tenham uma boa noite!

26 comentários:

  1. ahahahah... Séculos e séculos enganados e a saberem agora o que andaram a perder ! ...
    Se calhar é por isso que muitos não a praticam !?... Talvez tivessem descido às profundezas das caves bibliotecas e já tinham reparado no engano ! rsrsrs

    Beijinhos, Graça ! :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me admirava nada, Rui!! Eh eh eh eh...

      Beijinhos castos...

      Eliminar
  2. Terá sido a partir dessa descoberta que os votos de castidade foram para o brejo, Graça? Vais ver que sim!! :))

    Beijinhos castos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só pode, Janita!

      E beijinhos castos também para ti...

      Eliminar
  3. Agora fez-me soltar uma gargalhada :))))
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. HAHAHAHAHAHAHA...
    Viu só? Confiar desconfiando sempre...
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. E esta???!!!
    Escolha bem interessante!
    Bj amigo

    Conhece este poema?
    http://mgpl1957.blogspot.pt/2016/10/charles-chaplin.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bom, muito belo, muito certo, o poema de CC!

      Beijinho.

      Eliminar
  6. Moral da história: um homem nunca confia em "mangas de alpaca".
    Um bom dia.

    ResponderEliminar
  7. Ahahah, e já foi tarde com tanta castidade... :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
  8. Amiga Graça, foi preciso um jovem noviço chegar ao mosteiro para o caldo entornar :))

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Fê! A malta nova sempre com as suas ideias avançadas...

      Eliminar
  9. Será que o Papa Francisco vai fazer o milagre de corrigir
    esse erro, que transformou-se numa aberração contra-natura?
    Aplaudo o bom humor!
    ~~~~ Beijinhos ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pobre Papa Francisco, que não nem para onde se virar com tanta coisa para corrigir...

      Beijinhos e sorrisos...

      Eliminar
  10. Fizeste-me lembrar que o tal noviço
    ia a sair do hospital
    quando se cruzou com esse tal monge mais velho
    pergunta este ao noviço

    - tu por aqui?
    - sim, vim ser castrado!
    - castrado?
    - circuncidado! Ó meu Deus que engano do Diabo!

    ResponderEliminar
  11. Castidade ou caridade? No Vaticano são termos desconhecidos.

    ResponderEliminar
  12. Apesar de já conhecer não deixa de merecer um sorriso. Lembrei- me do abade de Trancoso, a quem os votos de castidade não surtiram qualquer efeito.
    Um abraço

    ResponderEliminar