segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Ou isto ou aquilo

«Ou isto ou aquilo» diz a poeta e eu, na minha pequenez, gosto, concordo. Mas admiro muito quem consegue fazer isto e aquilo.

No meu constante afã de servir a (minha) escola fazendo tudo o que havia para fazer – aulas, direção, formação de professores, coordenação de grupos – e de tratar (e ganhar para) a casa, a família (ah! Paulo Portas como tu conheces bem o papel das mulheres! Estás é um pouco desfasado no tempo – uns 50 anitos ou mais!!) não consegui manter-me culturalmente atualizada e deixei que tantas coisas importantes acontecessem e tantos homens e mulheres de nome passassem sem que deles quase desse conta. Houvera net nesses idos de 80/90 e talvez a falha não fora assim desmedida.

Um desses ilustres desconhecidos foi o malogrado poeta Luís Miguel Nava de que ouvi falar há muito pouco tempo numa entrevista na rádio à autora do livro «Maçãs Azuis», Edila Gaitonde, a faialense que casou com o nacionalista goês  Pundolika Gaitonde, médico-cirurgião formado em Lisboa e primeiro deputado nomeado para o Parlamento Indiano , após a anexação de Goa à India.

De novo me surgiu o nome do poeta na rubrica «A Alma Vagueante» que Mário Cláudio assina às sextas-feiras no DN.  No artigo «Nocturno à Beira-Mar», aquele excelente escritor da actualidade recorda Luís Miguel Nava no ano em que se cumprem vinte anos sobre a sua trágica morte. De facto, desapareceu em Maio de 1995, com apenas 37 anos, da forma mais trágica: foi encontrado morto no seu apartamento em Bruxelas, onde trabalhava para a Comunidade Económica Europeia, brutalmente assassinado por um qualquer parceiro de ocasião. (in Wikipedia)

Da sua poesia Gastão Cruz diz: «trata-se da única presença verdadeiramente forte e diversa afirmada no panorama português dos anos 80.» A sua poesia pode ser comparada a um vulcão cuja lava irrompe súbita e violentamente do interior da terra e das trevas (a memória, o corpo e a alma) em forma de pedras e materiais explosivos em estado sólido. Ainda nas palavras de Gastão Cruz, Luís Miguel Nava só pode ser relembrado como “um ser paradigmaticamente livre” e desmistificador, em todas as acepções: transgressivo, anti-conservador e crítico.

Deixou uma obra marcada pela transgressão e pelo excesso mas também pela vulnerabilidade extrema e “desamparadamente humana” de quem assumiu o “desejo irresistível de se expor até ao âmago”. É dele o verso: “Desnudar-se é pouco, há que mostrar as entranhas”.

Talvez isso explique a razão pela qual ainda hoje esteja por esclarecer o facto de Luís Miguel Nava ser tão pouco conhecido pelo grande público, apesar da sua imensa qualidade literária.
Ele próprio escreve em “Os nós da escrita”:

«Escrever é, para mim, tentar desfazer nós, embora o que na realidade acabo sempre por fazer seja embrulhar ainda mais os fios. A própria caligrafia é sufocada. Há todavia, um momento em que as palavras são cuspidas, saem em borbotões, e o sangue e a saliva impregnam o sentido. É impossível separá-los

Deixo ainda um poema seu de que gosto particularmente:

«As ondas que se encontram
ainda agora em formação no espírito
dele já não vêm rebentar ao meu.

Por mim não volto a vê-lo, encontros houve
com ele dos quais a alma ficou cheia de dedadas.

Já nem sequer dele quero ouvir falar,
saber que se ele
fosse uma cama estaria por fazer nada me traz
agora além de desconforto.»

 (1987)

25 comentários:

  1. Pois (a minha ignorância é grande) não conheço. Fiquei com vontade de saber mais para poder dizer apenas que não conhecia, ainda.

    ResponderEliminar
  2. Desconhecia por completo...

    Bons sonhos, Gracinha

    ResponderEliminar
  3. desgostos de amor
    quem os não tem?

    até os poetas
    não importa quem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Especialmente os poetas
      tantas vezes tidos por «patetas»...

      Eliminar
  4. Também não conhecia Luís Miguel Nava, mas gostei do que li e vou pesquisar para me inteirar.
    Parece-me um escritor que gosta de dramatizar a vida, sendo ela já tão trágica.

    Agradeço a sugestão e vou tentar saber mais sobre este jovem e malogrado escritor!

    "«As ondas que se encontram
    ainda agora em formação no espírito
    dele, já não vêm rebentar ao meu."

    Que desencanto...

    Beijinhos com amor pela poesia!

    ResponderEliminar
  5. Gracinhamiga

    A sorte (e a desdita) do jornalista é encontrar e conhecer meio-mundo- Conheci o Nava e conheço a Edila Gaitondé (é assim mesmo). O Nava era um "bom malandro" como diria o meu amigo Mário Zambujal; a Edila é uma Senhora que viveu uma aventura tramada na Índia e especialmente em Goa.

    O Luís Miguel Nava teve uma morte terrível; mas com a vida desregrada que tinha pareceu-me tê-la encomendada... Nunca se conseguiu saber o nome do assassino, pois eram tantos os parceiros que...

    O Gastão Cruz que também conheço desde o tempo em que era adido cultural da nossa embaixada em Paris, é um enorme Poeta.

    Enfim dizem os espanhóis que el mundo es un pañuelo... E têm razão.

    Bjs da Raquel e qjs do Leãozão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este homem conhece todo o mundo... (já estava à espera que assim fosse...)

      Beijinhos, leãozinho.

      Eliminar
  6. Não conhecia, confesso.
    Fiquei a conhecer e gostei.
    Beijinhos, bom resto de semana

    ResponderEliminar
  7. Aprendizagem sempre!
    Destaco: “Desnudar-se é pouco, há que mostrar as entranhas”.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei que nesse país nosso irmão há muitos estudiosos deste poeta.
      Uma poesia muito «em carne viva», poderosa.

      Eliminar
  8. Já conhecia o poeta e alguma da sua poesia. Na dilaceração de ser, na sedução imparável do caminho, colocou-se à beira do abismo por onde sopram as tempestades.
    Belo trabalho, Graça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso mesmo, Agostinho, «colocou-se à beira do caminho» e deixou-se engolir
      Obrigada pela palavras sempre simpáticas.

      Eliminar
  9. Uma vida e uma escrita, nos limites!

    Bj.

    Lídia

    ResponderEliminar
  10. Obrigada por me recordares esse poeta "maldito", incómodo, verdadeiro, inteiro. Só os que obedecem aparecem nas livrarias...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo assim, Justine. Um país de «bons alunos»...

      Eliminar
  11. Confesso amiga que também não conheço a obra de
    Luis Miguel Nava. Vou tentar saber mais coisas sobre
    o mesmo. Obrigada pela partilha.
    Desejo que se encontre bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  12. Também vou procurar Graça, o mundo é tão extenso por todos os lados e sentidos que facilmente precisaríamos de mais umas quantas vidas!
    parece-me que o caminho desse poeta foi uma constante provocação, até em relação a si mesmo
    abraço

    ResponderEliminar
  13. ... ...
    ~«Ou compro o doce e gasto o dinheiro.
    ~~ Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo
    ~~~ E vivo escolhendo o dia inteiro!»
    ... ...
    ~~~~ Gosto muito disto...
    ~~~~~~~~~~~~~~~ Grande Cecília!

    ~~~ Beijinho. ~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma grande senhora da Língua Portuguesa.

      Beijinho

      Eliminar
    2. ~ Não é a primeira vez que digo isto neste teu espaço...
      ~ Tenho muita dificuldade em apreciar a escrita de mentes perturbadas...
      ~~~ Boa noite. Bj. ~~~

      Eliminar
  14. Feliz por ter contribuído para divulgar mais um poeta daqueles que as nossas Letras escondem...

    Beijinhos para todos

    ResponderEliminar