quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Colinho

Não, não vou falar daquele clube (de piegas  - Passus dixit) que pediu «colinho» para conseguir ganhar o duplo campeonato…

Colinho tem tido – acho que mesmo sem pedir – os «senhores» da coligação para tentarem ganhar a dupla eleição.

Que grande, grande parte da comunicação social está há muito completamente obrigada a fazer-lhes o caminho não é novidade para ninguém. Nem sequer há necessidade de referir o presidente de Belém que, desde 2010, tudo tem feito para aguentar esta espécie de governo que ele tão bem promoveu.

Comentadores políticos já só restam, nos três canais de televisão, os pertencentes ao partido da maioria. Os entrevistadores, seguindo todos o estilo bacoco da pseudo melíflua Judite de Sousa ou do bajulador escrevedor de best-sellers, fazem as perguntas e põem as questões que lhes mandam e logo, logo interrompem os entrevistados que pretendem dizer algo que possa denegrir, beliscar sequer os mui poderosos «senhores» do poder.

O jornal mais lido no país – que mostra bem o “nosso” grau de cultura e de literacia – é um gordo odre de mentira e de maledicência sobre as estruturas fora do círculo da atual governação, instigando quem o lê a odiar tudo o que não esteja de acordo com a «situação» - termo que se usava no tempo da ditadura salazarista.

Mas não só. Ontem abri o DN, que já foi um verdadeiro jornal de referência, e até pensei que estava noutro país que não aquele de que temos tido notícia nos últimos anos. Só para referir títulos:

«Já há menos famílias a falhar pagamento do crédito da casa»

«Ferrari já vendeu 14 carros, cinco dos quais em Agosto e está a crescer mais 17% que em 2014»

«Tribunais. Obras urgentes de três milhões de euros vão avançar já neste mês»

«Menos área ardida em julho e agosto»

«Câmaras [que receberam a transferência de competências no âmbito da educação] evitam conflitos e até dão mais poder às escolas» e «Vários outros municípios tinham interesse em aderir»


E, por fim, “a cereja em cima do bolo”: uma carta de um leitor, uma, uma única, de um senhor Acácio Pinto (que me fez lembrar as redações super moralizantes que nos obrigavam a escrever na 4ª classe lá nos idos de 50) que dizia assim:

«Promessas não pagam dívidas

 Portugal é desde 2011 governado por PSD.CDS-PP com o compromisso de cumprir as medidas de ajustamento da troika em consequência do descalabro causado pela governação do Eng.º Sócrates. E não devia haver dúvidas de que foram cumpridas, apesar dos sacrifícios que passámos. A oposição entende que o governo foi longe de mais, a troika não exigia tanto. Não é o que diz o FMI, nosso credor. A Grécia não acatou as condições da troika e já vai no terceiro resgate. A Portugal bastou um, que foi duro mas resultou. Ficámos mais pobres materialmente, é verdade, mas ganhámos credibilidade internacional que não tínhamos. O governo mandou a troika embora e Portugal ficou livre das peias que não lhe permitiam aceder ao mercado em condições normais. Já se nota que o país está a crescer, o desemprego desceu significativamente, as exportações e o turismo estão a aumentar, a poupança dos emigrantes a subir. Isto não diz nada ao eleitorado que vai ter de decidir que governo deseja - este ou outro que não deu provas e o que diz não passa de promessas? Promessas não pagam dívidas.»

Se isto não é colinho, não sei o que mais será.




16 comentários:

  1. O sr. Pinto terá as quotas em dia? Será militante de pleno direito ou até lhe pagam as ditas em vésperas de "sorteio". Parece-me não ter esquecido um ponto sequer da cartilha passista. Não haveria num cantinho letras minúsculas com a inscrição "pub"? Só pode ser publicidade paga.
    Boa crónica, Graça?

    ResponderEliminar
  2. DN?
    Esse pasquim?

    (depois de terem corrido com o BB, não sei como ainda o lê)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto... Mas como pôde ele ir escrever assim
      para o Correio da Manha, esse sim, um pasquim!

      Eliminar
  3. Com colinho, ou sem colinho, no fim ganham sempre os melhores.
    Acho que também vai ser assim agora.
    Beijinhos, bfds

    ResponderEliminar
  4. É dificil mudar as mentalidades do povo.
    - Estes são maus mas os outros ainda são piores. Deus nos livre dos comunistas.
    Dizem as pessoas que mais fome passam.
    Depois as estatisticas não são reais. Elas são aquilo que convém aos governantes.
    Faltam-nos politicos de palavra e de respeito. Prometem cumprem.
    Falham são penalizados.
    Diz-se por aqui:
    «quem não tem bois não promete carrada»

    ResponderEliminar
  5. O DN é o descalabro total!
    Acho mesmo que nos querem fazer uma lavagem cerebral antes do voto.
    Estamos entregues à bicharada!

    ResponderEliminar
  6. Quem tem nome de Acácio Pinto não sabe escrever desta maneira. Será antes um Jacinto Leite Capelo? "A cereja em cima do bolo", coitado do bolo. O melhor seria o "lixo no fundo do contentor". Acorda Portugal. Como diz um amigo meu "eles andem aí". D'Albano

    ResponderEliminar
  7. Lembrei-me de uma reportagem, há dias, sobre a descida do preço da gasolina e de uma mulher que dizia que assim é e que era para sabermos em quem votar... Credo, que há gente parva que até dói.

    ResponderEliminar
  8. ~~~
    ~ Temo que ainda não é desta que acordarão...
    ~ Talvez despertem quando Portugal estiver completamente estropiado
    de tanta privatização.

    ~~~ Beijinho.~~~
    ~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar