quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Crazy

Uma das (muitas) canções da minha vida, numa versão antiga que muito me agrada.


7 comentários:

  1. Não conhecia esta versão nem a malograda cantora.
    Já agora, quem foi o malandro que colocou aqueles apêndices duros que certos animais têm na cabeça atrás da jovem?
    :)

    ResponderEliminar
  2. Meu Deus!!! Eu ADORO esta música!
    Não conhecia esta versão, que acho muito interessante, embora muito peculiar.

    Muito obrigada pelos "cúbicos" parabéns:)))

    Continuação de boa semana. Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. E quem não há-de gostar de "Crazy"?! :-))
    Também não conhecia esta versão...
    O Rui tem razão com os apêndices atrás! :-))

    ResponderEliminar
  4. Sempre gostei muito desta canção. Foi bom recordar.

    bj.

    ResponderEliminar
  5. Sem pretensões, e só para facilitar quem estiver interessado em saber quem foi PATSY CLINE.

    Patsy Cline, (8 de setembro de 1932 – 5 de março de 1963) foi uma cantora norte-americana de música country.

    Nascida Virginia Patterson Hensley em Winchester, Virginia, Estados Unidos, ela assinou seu primeiro contrato como cantora country em 1953 e, apesar de sua vida curta, tornaria-se uma das intérpretes mais influentes da história da música popular norte-americana.

    O Seu primeiro sucesso foi "Walkin' After Midnight" (1957), escrito por Don Hecht e Alan Block. Embora tenha começado a carreira gravando rockabilly, era evidente que sua voz combinava mais com os sucessos pop/country. Outros dos seus sucessos foram "Crazy", "She's Got You" e "I Fall To Pieces".

    Cline morreu num acidente de avião em Camden, Tennessee, aos 30 anos, em 1963. No avião com ela estavam outras figuras conhecidas do country na época, Hawkshaw Hawkins, Randy Hughes e Cowboy Copas. Hughes, então amante e empresário de Cline, era o piloto do avião. Ela foi sepultada no cemitério Shenendoah Memorial Park em sua cidade natal de Winchester, Virginia.
    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

    É só para evitar trabalho!

    No Hotel Palácio do Estoril às sextas feiras, esta música fazia (muitas vezes), parte do menu.
    Há outras versões que também gosto, saliento a de Nora Jones.

    ResponderEliminar
  6. Obrigada, Gato Preto, pelas informações sobre a Patsy Cline. Gosto mesmo muito desta versão porque foi a 1ª que ouvi e ela tinha uma voz óptima.
    Têm razão quanto aos "apêndices" que lhe puseram por trás... mas não é de admirar já que se trata de uma cantora country...

    ResponderEliminar