quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

As moções de censura



Já não se pode mais ouvir falar em moções de censura ao governo! Eu não sou nada nem ninguém, mas se fosse o PM já tinha mandado tudo às urtigas e já teria ido, nem que fosse, vender caramelos para Badajoz! Foi o que fez o (meu muito apreciado) Guterres e fez ele muito bem. Ninguém merece aguentar este trabalhar a curto prazo, este viver na corda bamba!

De facto, este povo não tem paciência para governos minoritários. Teve paciência para uma boa ditadura de meio século mas governos minoritários por ele eleitos (!) nem pensar! Não sei como fez a Senhora Merkel da primeira vez que foi eleita: teve de se coligar, naturalmente! Mas nós não aguentamos. Somos muito suis generis (eu diria mesmo muito parvos, ou mesmo muito invejosos, mas pode parecer mal).

Agora cada partido vai querer apresentar a sua moçãozinha de censura ao governo e o Senhor coelho do PSD vai dizendo, no seu ar mais sério e na sua voz mais grave, que não, que o país, neste momento, não precisa de instabilidade política e que se deixaram passar o orçamento, não ia agora derrubar o governo e que isto e que aquilo. É! E eu sou o coelhinho da Páscoa!

Bem, bem escreveu o jornalista Pedro Tadeu no DN de ontem: «O que me parece é que Passos Coelho não avança por uma razão: enredado em compromissos, internos e externos, semelhantes aos do primeiro-ministro, ele sabe que, agora, limitar-se-ia a executar as mesmas políticas que José Sócrates aplica. Se é para queimar alguém, que se queime quem provocou tudo isto, pensará ele. Terá razão. Mas então, por favor, poupe-nos ao argumento hipócrita, ofensivo para a nossa inteligência, de que não derruba Sócrates para defender o superior interesse nacional...Pode ser, doutor? Pode?»

11 comentários:

  1. Graça, se me permite a ousadia de a tratar pelo nome, o problema do 1º Ministro Sócrates é apenas um:

    Não fala verdade aos portugueses e isso, permita-me que lhe diga, nada tem a ver com Governos (minoritários ou maioritários), tem a ver com a confiança das pessoas em que os dirige.

    Por outro lado, a "Frau" Merkel vive numa outra realidade democrática incomparável com a nossa triste realidade.

    Como diria o "seu" muito apreciado Guterres: "É a vida!", eu acrescentaria, basta (parafraseando a Mafaldinha) de tanta mentira.

    Até a próxima!!!

    P.S.- Obrigado pela sua visita ao "meu canto".

    ResponderEliminar
  2. Segundo um "entendido", concretamente Luís Filipe Meneses, que acabei de ouvir debitar sobre a questão em causa, iremos de moção em moção, sem qualquer resultado, até à decisão "providencial" do senhor que vai tomar posse a 9 de Março!
    Agora, como Presidente por mais 5 anos, já não teme a "penalização" dos eleitores!
    Haja paciência!

    ResponderEliminar
  3. No meu fraco entender, o problema do nosso Primeiro-Ministro é mesmo a falta de ouvido…

    ResponderEliminar
  4. Pois...

    Cá andamos nós a ver se encontramos o fio à meada!
    Sempre que nos metemos por estes caminhos ínvios, não temos grandes alternativas.
    Ou temos que nos sujeitar a ouvir um chorrilho de contraditórios, como muito bem gostam de dizer os homens do Direito e do Debate político na TV, ou tentamos remar contra a maré.
    É que se está a construir, de betão à prova sísmica, uma imagem de Sócrates, que ai de quem não alinhar pelo diapasão da maioria do bota-abaixo porque sim.

    Claro que já se percebeu que o homem não é nenhum santo, nem sequer será a pessoa providencial para o lugar que está a ocupar. Mas que diabo, porque razão é que votámos nele para governar?
    A questão é que, quando os nossos políticos carreiristas se aperceberam que a coisa ia dar para o torto, começaram logo todos a sacudir a água do capote, a benzerem-se para que não ficássemos sem governo, mas sem se comprometerem.
    Como se tal fosse possível.
    Claro, agora andamos nestas jogatanas do malhas tu ou malho eu? Cada um por usa vez, vêm logo as recomendações cautelosas, não vá o diabo tecê-las e aparecer por aí uma maioria «anti-natura», esquerda+direita> PS. E o PS é esquerda ou direita?

    Sempre somos muito burros! Queremos fazer omoletes sem ovos e vamos lá a ver se não acabamos por entornar toda esta caldeirada mal amanhada!...

    ah... ainda temos o nosso senhor PR, que ele, sim, com o seu estilo pessoal e a Constituição que temos é que nos vai salvar!

    ResponderEliminar
  5. Muito bem, Amigo António. E muito bem todos! isto está cá uma embrulhada!
    Obrigada também RSM pelo seu ponto de vista: o homem pode ser mentiroso, mas é só ele? Cadê os outros? Será que o senhor Passos Rabbit vai conseguir manter sempre aquele ar de mansa superioridade dizendo sempre a verdade?

    Rosiha, só lamento que a dita tomada de posse por mais cinco anos sem receio de penalzações de eleitores calhe no dia dos teus anos...

    Beijos.

    ResponderEliminar
  6. Cara Graça,

    eu não disse que era só o 1º Ministro o mentiroso, mas como estávamos a falar de Governo, pensei, na minha humilde cabeça, que nos referíamos ao Sr. Engenheiro.

    Quanto aos outros, alguns estão na ONU, outros na Comissão Europeia, mas não se preocupe porque estão todos bem de saúde (quer corporal, quer financeira).

    Bjs

    P.S.- Quanto à pergunta sobre o Passos Coelho não lhe sei responder.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Tem razão. Todos de boa saúde, especialmente financeira...

    ResponderEliminar
  9. O que chateia é saber que quem for para lá será mais do mesmo, o cheiro é que é ligeiramente diferente. Beijoca!

    ResponderEliminar
  10. Desculpem!

    Estão a falar de quê?

    Carol, vou eu próprio apresentar uma moção disso. Censura não é?

    Uma moção dessa coisa porque aqui na minha rua há muitos buracos e eu acho que é por causa do Sócrates.
    O Rabbit passa por cá mas só de helicóptero. Nem se deixa ver.

    :D

    ResponderEliminar
  11. O que vale é que a gente ri-se.... Que remédio!

    ResponderEliminar