domingo, 8 de novembro de 2015

Uma morte mais

(daqui)

Recebi a notícia de manhã: que tinha falecido de madrugada. Já se falava nos últimos meses do mau estado da sua saúde. Confesso que me foram sempre indiferentes essas notícias. E o seu passamento apenas me sugeriu um pensamento – que descanse em paz e que deixe os outros também em paz. A morte não pode forçar o branqueamento automático de todas as maldades que se foram fazendo ao longo do nosso trajeto.

Pessoa ressentida com a vida, sem modos, nem polidez, nem a civilidade que a sua profissão exige, foi quem mais me desconsiderou na escola sem outro motivo que fosse o ataque pelo ataque, a vingançazinha por ter ganho as eleições ao “grupinho” da sua predileção. E, tirando as pessoas que integravam o tal “grupinho”, posso aqui afirmar com um «saber de experiência feito» que incomodou muita e boa gente naquela escola, para além de mim. A mim incomodou-me muito. Posso dizer desafrontadamente que me fez chorar muitas lágrimas com as suas palavras e comportamentos, quase sempre, injustamente (digo eu!) agressivos e deseducados.


Se lhe consigo perdoar todas essas ofensas? Não, meus amigos. Não tenho esse poder. Tenho para mim, desde sempre, que o perdão como a vingança é para os deuses, não para nós simples mortais. Se outros não me perdoarem as minhas ofensas? Paciência! Fica na minha conta-corrente. E depois logo se vê.

29 comentários:

  1. Perdoar não é esquecer..
    Que te sintas tranquila.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. perdoar, nunca! concordo.

    mas por vezes devemos ser grandes e esquecer a árvore para olhar a floresta,

    e quem não tem contas para ajustar "que atire a primeira pedra"

    abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi, de facto, uma árvore mais de que já pouco me lembrava... Longe da vista, longe do coração. Esta minha "dureza" deve vir da minha costela transmontana, não te parece, herético?!...

      Beijinhos gratos.

      Eliminar
  3. Há horas do diabo! Diz o povo: "cá se fazem cá se pagam". Muitas vezes aquele que ganha apresenta-se ufano para enganar os tolos, inchado na pose, mas, no fundo, no fundo, inicia, solitariamente, o caminho para os caldeirões do inferno.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim é? Não sei. Assim será, sei lá...

      Beijinho.

      Eliminar
  4. Se se trata de alguém que te fez sofrer por maldade e injustiças profissionais, tu lá saberás porque razão não perdoas nem esqueces , mas falas dessa pessoa, Graça!
    Não é a morte que vai limpar toda as maldades que muita gente faz enquanto anda por cá.
    Se desejas que descanse em paz, pois que isso aconteça.
    Ainda fui tentar informar-me, mas não me parece que os óbitos que encontrei tivessem a ver com o caso que referes. Nem isso interessa.

    Fica bem e tranquila.

    Um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Janita, pelas tuas palavras. Não é que não perdoe, é que não sei fazê-lo; não me compete...

      Beijinhos

      Eliminar
  5. Graça,
    Não gosto nada de pessoas que passam a achar os outros extraordinários só porque morreram.
    Hipocrisia?
    Não, obrigado.
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois.... também não pactuo com comportamentos e palavras hipócritas...

      Boa semana por aí longe!

      Eliminar
  6. Não dizes o nome e eu não quis ver, mas passei pelo cemitério na hora do funeral e havia muita gente. Possivelmente foram apenas gestos sociais.
    Finalmente fez-se justiça?
    Irá pagar pelos erros cometidos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Luís, se paga ou não paga pouco me interessa. É como digo: isso é com os deuses e não comigo...

      Eliminar
  7. À situações na vida, que pelos piores motivos nunca mais se esquecem...

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  8. Penso que é bom, saudável, perdoar. No sentido de guardar ressentimento que não resolve nada e apenas prejudica os lesados. Não perdoar é passar demasiado cartão, dar demasiada importância.
    Perdoar não é esquecer, não é passar uma borracha sobre o mal que alguém provocou.
    Boa semana, Graça!
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não guardo ressentimentos. Já passou. É tudo, Isabel!!

      Beijinho e obrigada pelas tuas palavras.

      Eliminar
  9. Morre o corpo mas não morrem os actos nem as atitudes que praticou.
    E são os seus actos e as suas atitudes que permanecem e definem a pessoa que foi.
    E quando acontece passarem a "serem" boas pessoas (tinha lá o seu feitio mas no fundo nem era má pessoa) até dá vontade de dizer: já devia ter morrido há mais tempo!
    Não sabendo a quem te referes (e isso que me importa?) terminaria com o habitual: paz à sua alma.
    Mas eu não sou de acreditar em almas.

    Beijos com sorrisos bem vivinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paz à sua alma! Finalmente.

      Beijinhos com sorrisos

      Eliminar
  10. Os actos ficam com quem os pratica, mas quem sofre as consequências fica sempre com a mágoa.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, Elvira! A mágoa fica.

      Beijinhos e boa semana.

      Eliminar
  11. Texto claro, bem escrito e, na minha opinião, correcto nas posições que defende! Concordo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Justine. Sei que sim, que concordarias...

      Eliminar
  12. ~ Concordo com as tuas convicções,
    que me parecem inteiramente éticas...

    ~ Dias serenos e felizes. Beijinhos. ~
    ~ ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Majo! Os moralismos não têm nada a ver comigo. Obrigada por me compreenderes.

      Beijinhos

      Eliminar
  13. Perdoar é para os deuses? Vais-me desculpar mas não concordo nada!
    Perdoar é para humanos, perdoar é humano... perdoar faz-nos bem e ajuda, inclusive a equilibrar essa tal de conta-corrente de que falaste.

    Confesso que fiquei chocada com muitos dos comentários aqui escritos. Chocada e triste :(

    Um beijo triste desejando que encontres a paz... no perdão que dizes não conseguir dar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida, lamento ter-te chocado!! Sou assim. e sinto-me tão em paz hoje como noutra altura qualquer... Diz-se que Jesus deu a outra face, mas também ele era um deus.... E eu não disse que não consigo dar esse perdão: eu apenas não tenho esse dom! Desculpar, talvez, mas perdoar é algo mais transcendente...

      Beijinhos

      Eliminar
  14. Compreendo mas penso que perdoar, sendo um exercício difícil, é redentor. Vale a pena treiná-lo.

    ResponderEliminar