quarta-feira, 18 de novembro de 2015

De meu tenho muito pouco

Tirando a vida (que também me foi dada, mas com tanto amor!), o curso (que me permitiu viver a vida dentro de uma boa mediania) e a família (que restrinjo a uma boa dúzia de pessoas que amei e me amaram na vida), posso afirmar que nunca tive nada de meu.

Tive, sim, a possibilidade de usufruir de coisas boas, comodidades e outras facilidades, alguns confortos, de vivenciar experiências – algumas muito boas, outras nem tanto – de aproveitar oportunidades, de exercitar práticas, de saborear realizações. 

De meu, assim mesmo meu - nada, ou muito pouco. Uma coisa é certa, porém: é que tudo isso de que usufrui e que experienciei está guardado bem no fundo da minha memória, do meu coração, do meu ser e ninguém alguma vez mo poderá tirar.

Por isso é uma profunda emoção a que me toma de cada vez que a realidade me faz rever situações, reviver estados de alma, ou simplesmente (re)encontrar determinados objetos.


Foi qualquer coisa assim de muito forte que senti quando, um destes dias encontrei num pequeno hotel nos recônditos da serra, um piano igual, mas igualzinho ao que havia por lá esquecido numa saleta daquela casa – que nunca foi minha e que para trás ficou, como tudo  – onde comecei a aprender a ser eu. 






29 comentários:

  1. Uma publicação bastante intimista onde sinto alguma melancolia, Graça!

    Dizes que de teu tens muito pouco...e eu acho que és muito afortunada, pois a vida deu-te bons motivos para seres feliz. Digo eu...por aquilo que de ti tenho ido conhecendo através dos teus desabafos!
    Esse piano é uma verdadeira relíquia. Transportou-te a tempos idos, e deixou-te triste?
    Na vida, por vezes, temos encontros que nos trazem o passado de volta, com tudo o que nele houve de bom e menos bom!

    Um grande abraço, Gracinha!


    ResponderEliminar
  2. Reencontrar sera viver de novo. Suponho que, mesmo com um grande saudosismo, este encontro com um piano igualzinho te tivesse trazido boas recordacoes.
    : )

    ResponderEliminar
  3. Graça momentos destes são daqueles que nos levam a pensar que a vida vale a pena "quando a alma não é pequena", já dizia o Poeta !

    Vale a pena recordar e passar por situações destas que apesar de serem melancólicas são ao mesmo tempo felizes !

    O piano é e era lindo !!!


    ResponderEliminar
  4. Um momento de emoção e de recordação. Decerto que boas recordações.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Podia ser despojado de todos os bens materiais que são minha pertença
    ... ficava rico na mesma

    ResponderEliminar
  6. Compreendo bem a tua emoção, porque de meu também não tenho muito, mas as memórias só a doença e a idade mas poderão roubar.

    Partilho esse teu voltar atrás, porque no Museu Vostell em Cáceres , vi um despertador irmão gémeo daquele propriedade de meus pais

    Simplesmnte não pude ter a alegria de o fotografar, pois as fotos são proibidas , snif snif

    Bons sonhos

    ResponderEliminar
  7. Objectos que fazem reviver memórias doces.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. A maior riqueza. Aquilo que vivemos de bom e nisso também estão as pessoas e as coisas que nos construiram.

    ResponderEliminar
  9. Graça, desculpa contrariar-te, mas tenho de dizer que tens muito de teu. Caso contrário, este post não existiria.
    Gostei muito deste teu registo intimista, a falar da parte de dentro.
    Belo piano!
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  10. A tua maior riqueza amiga Graça, são os afectos e a capacidade de poderes apreciar o que a vida te deu, de bom e menos bom.
    Bonito este momento de recordação que partilhaste.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  11. Quem escreve um texto com esta sensibilidade é muito rica por dentro. E isso é o mais importante.

    Um beijinho, Graça

    ResponderEliminar
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  13. Estes «Gaveau» devem ser dos primeiros manufaturados na II década do sec XIX.
    Remontam-nos a serões e saraus que conhecemos dos ivros da época, escritos a pena
    e é por isso, que exercem sobre nós um fascínio romanesco...

    De Paris - verticais e iluminados - partiram para o mundo... Dos privilegiados...

    ~~ As memórias são o nosso tesouro mais seguro e de valor inestimável. ~~
    ~~~~~ Beijinhos, Graça. ~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ~ Em vez de 'II década', queria dizer 'II metade' ~

      Eliminar
  14. Gostei imenso deste texto. Afinal tens de teu só que realmente interessa...
    E esse reencontro com um objecto da memória afectiva só pode misturar-se com a intimidade do que guardas...
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  15. Não bens materiais, mas possuis uma riqueza enorme.

    Um beijinho.

    Até breve

    ResponderEliminar
  16. Este seu texto revela uma coisa: A Graça é uma pessoa sensível, no bom sentido.
    Conheço muitas pessoas, que numa situação dessas, não perdem um segundo, isso passa-lhes ao lado...

    ResponderEliminar
  17. A Graça, como todos reconhecem, é muito rica.
    Como não?
    Tem uma alma enorme, que alberga tanta beleza, tanta alegria que, sempre, transmite a todos. Sente-se nas suas palavras, no seu olhar. Obrigada por nos distribuir estas suas pérolas...
    Uma amiga que costuma visitar o seu blog, embora raramente deixe um comentário. UM

    ResponderEliminar
  18. Grande encontro! Reviver o passado nuns breves minutos é muito bom, julgo eu!
    O piano é lindissimo.
    bjs

    ResponderEliminar
  19. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  20. A Poesia insinua-se! É sempre assim que chega - um aroma, uma brisa, um objecto, uma música... a dizer-nos rente ao ser.

    Tão lindo!

    Um beijo
    Lídia

    ResponderEliminar
  21. Adenda: às "poucas" coisas que tenho como minha, devo acrescentar a simpatia sem limites dos meus amigos bloggers!

    Bem hajam!!

    Beijinhos sinceros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sou apenas leitora, não estou incluída?!
      ~~ Bj. ~~

      Eliminar
    2. Claro! Sempre! não faço distinção....
      Beijinhos :)

      Eliminar
  22. É um piano lindo.
    Eu tentei aprender num parecido que é da minha mãe.
    Estive a pensar algo parecido, que aquilo que ter comigo é o que vivi.

    ResponderEliminar
  23. É um piano lindo.
    Eu tentei aprender num parecido que é da minha mãe.
    Estive a pensar algo parecido, que aquilo que ter comigo é o que vivi.

    ResponderEliminar
  24. A afeição pelos objectos que são ou foram marcos de um percurso regressam à nossa memória quando menos pensamos, para alimentar aquele sentimento que dizem ser português: a saudade. Um contentamento muitas vezes doloroso.

    ResponderEliminar
  25. O piano é muito bonito. O texto ainda mais. :)

    ResponderEliminar