sábado, 25 de abril de 2015

País de Abril

(Daqui)

São tristes as cidades sob a chuva
e as canções que se atiram contra as grades
- minha pátria vestida de viúva
entre as grades e a chuva das cidades.

É triste o cão que ladra no canil
quando é março ou abril e lhe prendem as pernas
é triste a primavera no País de Abril
- minha pátria perfil de mágoas e tabernas.

É triste: uns vestem-se de Abril outros de trapos.
Tu ó estrangeiro é só por fora que nos olhas
- minha pátria bordada de farrapos
capa de trapos remendada a verdes folhas.

Abril tão triste no País de Abril. Por fora
é tudo verde. (Abril com máscaras de festa).
Por dentro - minha pátria a rir como quem chora
(A festa da tristeza é tudo o que lhe resta).

Abril tão triste no País de Abril. Aqui
a noite. Aqui a dor. Meninos velhos
- minha pátria a chorar como quem ri
em surdina em silêncio. E de joelhos.

(Manuel Alegre; in País de Abril; 2014)


Poema dedicado a Ernesto Melo Antunes, escrito na década de 60, mas que infelizmente se sente, de novo, infelizmente tão atual!

22 comentários:

  1. Verdade. Este país anda triste. Nem abril lhe está a valer.

    ResponderEliminar
  2. "Abril tão triste no País de Abril (... ) E de joelhos."
    Perguntaria ao Poeta, de joelhos, perante quem?
    Se a resposta é a que estou a pensar,
    que espera para se levantar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu perguntaria a este povo: por que espera para se levantar?!

      Eliminar
  3. Que raio de sociedade nós construímos !?
    Excelente poema de Manuel Alegre e gosto da foto!

    ResponderEliminar
  4. A foto é linda.
    Parece que muito pouco mudou – com a exceção do grande bem que é a liberdade – e se não considerarmos os primeiros anos de regozijo, de exageros, de gastos incompreensíveis e sem planos definidos para o futuro. As consequências da irresponsabilidade dos dirigentes aí está… Passaram décadas e continua-se a falar de maus governantes. De certo haverá bons, mas desses ninguém fala. Mais uma oportunidade nas próximas eleições para se eleger mulheres e homens que têm o bem do país como sua prioridade. Quem serão eles e elas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Belíssimo comentário, Catarina! Obrigada.

      Beijinhos. (Falámos hoje em ti, lá em Monte Real, no encontro de bloggers...)

      Eliminar
  5. "Máscaras" para sobrevivermos por tantos outros descalábrios de nossos governantes corruptos... Perde-se a beleza dos dias realmente... Difícil até de produzir textos belos e incentivadores!
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa metáfora a das "máscaras", amiga Célia! Obrigada.

      Beijinhos

      Eliminar
  6. O triste é que neste país textos escritos há mais de cem anos, parecem ter sido escritos hoje. Como se Abril tivesse sido apenas um sonho.
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente assim é...

      Beijinho, Elvira, e boa semana.

      Eliminar
  7. Gostava que todos pudéssemos sentir Abril. Juro que gostava.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu gostava que terminasse breve este sufoco destes quatro anos que representaram a vingança de Abril!

      Eliminar
  8. Meu Deus, parece ter sido escrito hoje de manhã!

    Beijinhos e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso o escolhi, são! De tão atual...

      Beijinhos

      Eliminar
  9. Os grandes poetas são assim! Não conhecia o poema e não fosse a sua indicação de quando foi escrito, eu diria que foi ONTEM...tudo está certo, até a chuva...
    Cumprimentos,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O professor Monteiro Grilo, o poeta Tomaz Kim, meu professor de Teoria da Literatura, dizia «O poeta é um vate!» E os verdadeiros poetas são isso mesmo: una vates!

      Eliminar
  10. ~ ~ ~ Um poema eloquente. expressivo e muito sentido. ~ ~ ~
    ~~Bj~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar