segunda-feira, 20 de abril de 2015

Abril, mês da prevenção dos maus tratos na infância


Então dizem que Abril é o mês da prevenção dos maus-tratos na infância e que «sendo a protecção das crianças responsabilidade de toda a sociedade, pretende-se com esta comemoração consciencializar a comunidade para a importância da prevenção dos maus-tratos na infância, através do fortalecimento das famílias no sentido de uma parentalidade positiva e ainda do fundamental envolvimento comunitário.»

Muito bem! Esqueceram-se foi de meter o “governo” nisto! Falam das famílias, da parentalidade positiva, da comunidade em geral, mas deixaram os maiores responsáveis de fora! É que os maus tratos não acontecem apenas nas famílias, nem acontecem por acaso.

Quando os níveis de pobreza sobem aos 20% da população e existem 2,6 milhões de pessoas em risco de pobreza ou de exclusão social;

quando os casais em que ambos os cônjuges estão sem emprego se contam aos milhares, muitos deles sem terem comida para dar aos filhos;

quando se contam aos milhares as crianças que se apresentam nas escolas sem terem comido nada desde o dia anterior e para as quais a única refeição de jeito que fazem é na cantina da escola;

quando nas escolas o número de técnicos de psicologia, terapeutas, professores de apoio e de auxiliares de ação educativa – quais «assistentes operacionais», qual carapuça?! – tem sido drasticamente cortado de há quatro anos para cá;

quando os técnicos na Segurança Social e nas Comissões de Proteção de Crianças e Jovens têm sido dispensados às centenas;

quando os Lares e Instituições de Acolhimento estão atulhadas e funcionam sabe deus como;

quando os Centros Educativos são escassos e sabe-se lá também como funcionam;

quando os hospitais não têm pessoal nem dinheiro para fazer face às necessidades de uma população cada vez mais carenciada de grande parte dos cuidados básicos;

depois de tudo isto e de muito mais, poderemos continuar a responsabilizar a «parentalidade» e a comunidade de todos os males que assolam as crianças?

Deveremos continuar hipocritamente a «comemorar» todo o mês com encontros e debates, desdobráveis pintados com frases bonitinhas e balõezinhos coloridos? Ah! E com conversinhas com a inefável Jonet e com o balofo presidente da União das Misericórdias… 

Poupem-nos!

18 comentários:

  1. Subscrevo inteiramente.
    Que esperam os senhores do Poder das gerações criadas e educadas neste caldo de indignidade? A hipocrisia do politicamente correcto, dos discursos pungentes, há-de um dia ser ceifada sem contemplação pelo desespero dos desafortunados.

    ResponderEliminar
  2. NADA justifica os maus tratos a uma criança, Graça.
    Muito menos se cometidos por aqueles que têm o dever de as proteger.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. NADA justifica os maus tratos a uma criança, de facto! Nem eu pretende arranjar atenuantes para quem o faz. Mas há sempre fatores que levam às situações, não?

      Beijinhos

      Eliminar
  3. ~ ~ Eu estou de acordo com o Pedro: «NADA justifica»!
    Está tudo a funcionar miseravelmente, mas a segurança da criança é primordial.
    Acolham-se as crianças das famílias disfuncionais nas instituições, que devem ser reforçadas e, no caso de haver culpados, que se punam exemplarmente.
    ~~ Que este Abril sirva para alguma coisa! ~~
    ~~~~~~Bjs~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
  4. Os debates sobre o tema são como diz uma vizinha minha que é brasileira, "conversa para boi dormir"
    De resto nada justifica que os pais maltratem e matem seus filhos. Por muitos apoios que o governo tenha tirado, e acredito que sim. Na minha infância, que andará talvez perto da sua, não havia esses mesmos apoios e nem eu nem os meus irmãos fomos maltratados. Mais, os pais podiam ficar sem comer, ou comer só uma bocado de pão, com um tomate, ou uma cebola acabados de colher no quintal, mas para nós havia sempre uma malga de sopa.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem me lembro dessa triste e lamentável realidade, Elvira. Mas atualmente não estamos muito longe dessa mesma realidade. Infelizmente.

      Eliminar
  5. Importante tema, este que, Graça.
    E há quem ande preocupado com a taxa da natalidade numa sociedade que não tem condições para proporcionar sobrevivência digna e boa formação para que, no meio a tanta loucura, se criem seres saudáveis psico-emocionalmente.
    Porque "as falsas motivações" que o governo publicita só iludem quem procura tostões para propagar a miséria humana.
    Espancar e matar crianças que tiveram o azar de nascer no meio do caos parece coisa banal.

    bj amg

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Credo! Horrível, dito assim.... Vivemos tempos difíceis e feios.

      Eliminar
  6. Pretendia dizer: "este que traz, Graça" - peço desculpa ;)

    bj amg

    ResponderEliminar
  7. Às vezes faço figura de parvo
    e foi o caso
    de ir agrupar-me
    e fazer parte do laço

    A grua filmou tudo


    ResponderEliminar
  8. Em vez de comemorações, precisamos com urgência de responsabilizar este executivo pela política criminosa que levou às misérias que tão bem apontas!

    ResponderEliminar
  9. Não sendo muito a favor dos "Dias de..." ainda acho tolerável a celebração de um dia da Mãe, Pai, Mulher, etc...Mas que se escolha um mês do ano para "prevenir" os mais tratos a crianças, para além de ineficaz, considero inaceitável!

    A punição severa, e exemplar, para quem provoca sofrimento em seres indefesos, seria muito mais eficaz! Ah, se eu mandasse!!

    Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpa, Graça! Não é 'mais' e sim maus tratos, o que quis escrever!

      Eliminar
  10. Não sei que dizer, porque tendo os meus netos um pai que se está marimbando se eles passam necessidades ou não :(

    Beijinho Graça

    ResponderEliminar
  11. Mas eles não nos poupam e a hipocrisia continua

    ResponderEliminar