quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Gosto dele é gingão!

Ouvi hoje de manhã na rádio. Sabem que não sou grande fã do fado, mas a este achei piada por ser brincalhão e saltitante. É que para mim o fado é como o jazz: à partida digo que não gosto de jazz porque me aborrecem – irritam-me mesmo, como o canto de alguns pássaros – os sons repetitivos e estilhaçados como se de arestas se tratasse do saxofone ou mesmo do piano ou as vozes secas e metálicas que muitos cantores de jazz gostam de forçar, nomeadamente as mulheres cantando o chamado jazz contemporâneo em português. Mas se me perguntarem se gosto de Glenn Miller, sim, adoro! Se me perguntarem se gosto dos blues e do jazz dos pretos de New Orleans da primeira metade do século XX, sim, adoro! Se me perguntarem se gosto de Louis Armstrong, de Otis Reding, de Ray Charles, de Frank Sinatra, de Nat King Cole, sim, adoro!!

Com o fado é a mesma coisa. Se me perguntarem se gosto de fado, a minha primeira resposta é «Não». Na minha infância o fado era doentio, queixinhas, por de mais dramático, deprimente, cinzento – como a alma dos portugueses nessa época (e se calhar na actual também, mas enfim…). O fado era o Marceneiro (que nunca consegui ouvir) o Carlos Ramos (um chato!) o Fernando Farinha (o miúdo da Bica) e a Amália (cuja voz comecei a apreciar apenas há meia dúzia de anos) que achava fascizante com aquela medonha ”Casa Portuguesa” que pretendia mostrar como era bom viver numa casinha portuguesa modesta, pobrezinha e assim. Eu era miúda, mas intrinsecamente detestava!... E, por oposição (tantas coisas senti e defendi na vida por oposição!) gostava do fado gingão, divertido, folgazão que nos fazia sentir como um povo vivo. Fado do tipo A Casa da Mariquinhas, do Zé da Samarra com a amante ao seu lado, do Eh pá, não fiques calado e outros de que já nem me lembro (isto foi nos anos 50). Claro que depois passei a apreciar o fado cantado por Maria Teresa de Noronha, por Vicente da Câmara, depois por Carlos do Carmo, Paulo Bragança, Camané e assim…

Bom, mas voltando ao começo: ouvi hoje na rádio e achei graça por ser divertido e gingão, bem ao meu gosto - o Fado da Procura pela Ana Moura.



E, já agora, também vou deixar aqui a nova versão da Casa da Mariquinhas, toda modernizada, pela Gisela João, que ouvi há dias e achei uma graça… Espero que gostem.





16 comentários:


  1. Eu gosto de fados alegres... e também os que falam de paixões!
    Aqueles muito tristes e deprimentes não os consigo ouvir!
    Em catraia gostava de ouvir a Hermínia Silva... pois irradiava energia e alegria. :))

    Não sei se alguma vez já te disse... mas adoro quando nos dás música!
    :)


    Beijinhos gingões!
    (^^)

    (ps: já chegaste a ver viste o post do Rui E.S. do dia 01 deste mês?)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida Frô... Também gosto de dar música ao pessoal...
      Por acaso ainda não vi a entrada do Rui do dia 1 - mas rápido vou ver...

      Muita falta de tempo, acreditas?! Muitos afazeres...

      Beijinho

      Eliminar
  2. Gosto de ambos.
    Alegres.
    Beijinhos e votos de bfds

    ResponderEliminar
  3. confesso que também não era muito apreciadora de Fado, mas ultimamente tem aparecido outras maneiras de o interpretar e confesso que agora já gosto...
    bom final de semana.
    beijo
    :)

    ResponderEliminar
  4. ~ Pertencer ao Património Mundial tem muita força...

    ~ ~ Beijinho com votos de ótimo fim de semana. ~ ~
    ~

    ResponderEliminar
  5. Vê só a coincidência: tu gostas de espreitar... e eu gosto de te ver a espreitar -:)))
    Gostei dos vídeos, que não conhecia. Aqui tão longe... para ouvir música portuguesa só gravada, na radio, esquece!

    Espero que continues a espreitar... muito!

    Um beijo
    Miguel

    ResponderEliminar
  6. Adorei estes dois, Graça ! ... Mas sempre gostei de Fado, porque já o meu pai gostava imenso e "ensinou-me" a gostar ! :)) ... Ele era poeta e escrevia letras para o Carlos Ramos e outros !
    ...Mas há uma questão importantíssima para se aprender a gostar de Fado !
    É vê-lo (e senti-lo) em local adequado, enquanto se ouve !
    Poderá haver algum exagero meu, mas o Fado ouvido na rádio, é quase como ouvir música clássica num café ! ... a diferença é enorme !

    Beijo !
    .

    ResponderEliminar
  7. Gostei dos dois. Tia, um grande beijo e saudade, viu?

    ResponderEliminar
  8. Eu gosto de fado. E gostei dos dois vídeos.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  9. Gosto do fado e estou com o Rui Espirito Santo, É preciso senti-lo, ouvi-lo no seu meio. Gosto de ver uma fadista de xaile e ele gingão.

    ResponderEliminar
  10. Peço desculpa mas o blogger não me está a permitir comentar cada um dos vossos amáveis comentários.... Que raiva ser comandada por uma máquina!!!

    Rui da Fonte, o meu marido sempre me disse isso, mas mesmo ao vivo, continuo a não ser amante de fado....

    Beijinhos musicais para todos!

    ResponderEliminar
  11. Boa noite Graça,
    Ana Moura tem uma maneira especial de cantar fado, é a sensualidade em forma de gente e consegue colocar isso no fado. Já a ouvi ao vivo e "me apaixonei".

    bj amg

    ResponderEliminar
  12. Há hoje uma geração nova de cantores de fado que são um mimo; não são fadistas, acho eu. Foi o Carlos do Carmo que deu a volta ao fado, rompendo com a tradição do desgraçadinho.

    ResponderEliminar
  13. Outra versão da "Casa da Mariquinhas" (entrevista de Maria Flor Pedroso a Carlos do Carmo na Antena 1 - ouvir dos 19:00 aos 21:00), conhece?

    http://www.rtp.pt/antena1/?t=Entrevista-a-Carlos-do-Carmo.rtp&article=8343&visual=11&tm=16&headline=13

    Bom fim de semana!

    ResponderEliminar
  14. Ena! Ena! Um verbete de Fado!...
    Apenas uma observação - a "Casa Portuguesa" não é fado...,embora nas casas de fado impinjam essa (e outras) aos turistas, como se o fosse. Tb não gosto.
    Acerca da Mariquinhas, já dava para escrever uma monografia :)
    Veja lá
    http://fadocravo.blogspot.pt/search/label/Mariquinhas

    Saudações fadistas! :)

    ResponderEliminar