domingo, 24 de agosto de 2014

Aldeia

Não corresponde exatamente à bela e calma descrição que Manuel da Fonseca faz da aldeia alentejana até porque passaram mais de 70 anos sobre esta realidade, mas é dela que todos os dias me lembro ao chegar ao largo.

Nove casas,
duas ruas,
ao meio das ruas
um largo,
ao meio do largo
um poço de água fria.

Tudo isto tão parado
e o céu tão baixo
que quando alguém grita para longe
um nome familiar
se assustam pombos bravos
e acordam ecos no descampado.




Tenham uma boa semana!


10 comentários:

  1. Estudei este poema vezes sem conta com os meus alunos...e com visualização!
    Estás a imaginar-me a fazer um desenho e a levá-los quase à construção do poema? :)

    Abraço e boa semana

    ResponderEliminar
  2. Boa semana e boa estadia!
    Como se chama a aldeia?
    Bjos : )

    ResponderEliminar
  3. Feliz semana com suas inspiradas recordações. A singeleza da "aldeia" é revelada na simplicidade do poema!
    Abraços.

    ResponderEliminar
  4. Depois de amanhã já é quarta...
    :)
    Boa semana!

    ResponderEliminar
  5. Ah, mas aquilo que já não existe, a gente repõe com a imaginação e a memória...
    Boa semana também:-))))

    ResponderEliminar

  6. Gosto destes lugares que se instalam na memória sem se ver o tempo passar.

    Uma boa semana.

    Lídia

    ResponderEliminar
  7. Melides, Alentejo (perto de Grândola, vila morena...)

    Duas semanas aqui rodando por tudo quanto é praia aqui perto... Bom de mais!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. É bom recordar Manuel da Fonseca.
    É bom ter a memória daquilo que já foi...
    Um beijo, Graça.

    ResponderEliminar