terça-feira, 27 de março de 2018

António Ribeiro Chiado

Hoje é dia de celebrar o Teatro. Já é assim desde 1961. - dia criado pelo Instituto Internacional do Teatro, em França.

Pois hoje trago aqui um excerto de uma peça do nosso Chiado, poeta e dramaturgo satírico contemporâneo de Camões, nascido em Évora por volta de 1520 tendo-se mudado para Lisboa, onde fez uma vida de boémio e onde morreu em 1591.

Conhecendo bem os costumes populares e o calão do século XVI, flagelou e atacou todos os vícios palacianos. Segundo Teófilo Braga, António Ribeiro Chiado representou na corte, diante de D. João III, o «Auto da Natural Invenção».

Deixo-vos com um trecho bem engraçado do «Auto das Regateiras».


CASAMENTO DE BEATRIZ VARELA COM CORIGO

Noivo - Sim.

Padrinho -…Está bem:
iguais estais nas vontades.
Dai cá as mãos, e dizei assim:

- Digo eu, Beatriz Varela,
que por meu marido e amigo
recebo a vós, João Corigo.

Tomai agora a mão dela,
e dizei, como eu disser:

- Digo eu, Lourenço Corigo,
que com vontade singela
recebo a vós, Beatriz Varela,
por mulher.

Comadre - Que fazeis? Deitai-lhe o trigo.
Quis Deus que fosseis casados.
Para que são mais trapaças?
Alçai as mãos, dai-lhe graças.
Filhos, sejais bem logrados!
Ela moça, e ele moço,
bem se foram ajuntar.
Por vós se pode cantar:
Deitem o noivo ao poço,
se com a noiva não brincar.

António Ribeiro (O Chiado)
«Auto das Regateiras», excerto
In: «Antologia de Poesia Portuguesa Erótica e Satírica (dos Cancioneiros Medievais à Actualidade)», Selecção, prefácio e notas de NATÁLIA CORREIA



13 comentários:

  1. Muito interessante e cómico !... Por isso o nosso português será sempre o eterno e lindo !!!
    Obrigado Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, Ricardo! A nossa Língua é bela e a nossa Literatura riquíssima!

      Beijinho.

      Eliminar
  2. Um Auto curtinho, mas com muita graça, Graça!:)
    Autos só conhecia os de Gil Vicente. O de Inês Pereira é muito engraçado e semelhante a este, embora com mais figurantes.

    Beijinhos. Já enriqueci, aqui, um pouco mais!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que gostaste, Janita. Este Chiado era bem maroto...

      Beijinhos marotos...

      Eliminar
  3. Também tenho um auto
    mete mulher da limpeza
    e homem da manutenção

    e uma senhora em fuga...
    a República

    ResponderEliminar
  4. Respostas
    1. Um tesouro mesmo. Bem como a nossa Literatura ao longo dos séculos desde o Tempo de D. Sancho I...

      Beijinho.

      Eliminar
  5. Bom dia. São maravilhosos os contrastes da língua portuguesa. Gosto de teatro.
    .
    * Mulher: A essência sem raça nem cor. *
    .
    Desejando um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A nossa língua é um espanto! Como as outras, certamente. Mas esta é a nossa!!

      Beijinho.

      Eliminar
  6. Este ano, estive tão inebriado pela Primavera que nem assinalei o Dia do Teatro, mas fui compensado ao passar por aqui. Obrigado, Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu é qu agradeço as palavras simpáticas.

      Beijinho.

      Eliminar
  7. Belíssima postagem! Parabéns!


    FELIZ PÁSCOA
    Autor: Laerte Sílvio Tavares


    Que a luz da ressurreição

    De Cristo Nosso Senhor

    Brilhe no teu coração

    E se refrate em amor,


    Permeando a tradição

    De fé, a dar esplendor

    Às festas pascoais que são

    Frutos da Paixão e dor


    Transformadas em alegria

    De Madalena, Maria

    E de toda a humanidade!


    Feliz Páscoa, pela via

    Do amor – nossa luz e guia

    Na fé e na caridade!

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderEliminar