segunda-feira, 4 de julho de 2016

Uma imagem que vale por mil palavras

É sabido que não resisto a um bom pedaço de boa prosa. Se for um bom texto literário, então é o delírio, mas um texto argumentativo de qualidade (e que vá de encontro ao que eu penso) também me é muito grato.

A quem me dissesse há uns bons dez anos atrás que me seria tão agradável ouvir e ler José Pacheco Pereira, teria de responder que estava a sonhar. O facto é que, desde que a pessoa em causa deixou de se apresentar em modo de político partidário e passou a representar o sociólogo, o historiador, o grande estudioso da arte política, mostrou o seu real valor que admiro.

O texto que escreveu no Público subordinado ao tema «Uma imagem que vale por mil palavras» e que hoje refiro e trago aqui é bem prova do que atrás ficou dito. Uma crítica mordaz e profunda ao “neo-PSD” e ao seu recente documento «222 Propostas Social-Democratas, um guião para um “verdadeiro programa nacional de reformas”, de autoria do Grupo Parlamentar do PSD», mais especificamente à imagem da capa do dito documento.

O texto é por de mais longo pelo que não o transcrevo na íntegra, mas quem se interessar pode aceder-lhe pelo link. De notar a crítica profunda, bem como a subtil ironia que a traduz.





(…) «Trata-se de uma imagem desprovida de conteúdo político explícito e especialmente de conteúdo político social-democrata, mas densa de ideologia e espiritualidade. A ideologia é má e a espiritualidade é banal e “new age”, mas é o que é. A imagem é um tratado sobre a mentalidade, sobre um certo autodidactismo que se sobrepõe à formação académica ou à falta dela e, principalmente, fala-nos sobre os mecanismos de representação do mundo, e do desejo de o atravessar com sucesso, da actual direcção do PSD. É também uma imagem que revela a “cultura” do consumidor da Internet, via Facebook e “redes sociais”. (…)

Que imagem é esta de que de certeza o leitor nunca ouviu falar? Da capa da edição em papel de 222 Propostas Social-Democratas, um guião para um “verdadeiro programa nacional de reformas”, de autoria do Grupo Parlamentar do PSD. Uma espécie de programa do governo, apresentado sobre as cinzas do célebre guião de copy-paste de Portas e que se pretende contrapor ao Plano Nacional de Reformas do PS, o “falso programa de reformas”, a que alude o “verdadeiro”. O documento merece discussão em si, mas a capa merece-o muito mais. 

A capa tem no centro, como motivo principal, uma imagem de carácter religioso: a célebre Escada da Divina Ascensão, subida por João Clímaco a caminho do Paraíso. João Clímaco era também conhecido como “João da Escada”. Há vários ícones orientais representando-a, exactamente da mesma forma que aqui o PSD a representa. Só que, aqui, é o Homem da Regisconta que a sobe com o seu fato de executivo e segurando a mesma pasta que é a sua marca inconfundível. A versão é a do Homem da Regisconta visto por trás, afastando-se de nós a caminho do Paraíso e, para saber o caminho, tem uma espécie de folha de rascunho, de apontamentos de uma reunião, um workshop empresarial, ou motivacional, que funciona como um blueprint para a salvação. Melhor: tem um “business plan”. Esse mapa para o divino lugar, implica o uso da informática, da “social media”, do marketing, do “business”, da estratégia e de uma panóplia de gráficos de barras e “pie charts” habituais em documentos empresariais e, de novo, nos cursos de gestão de baixa qualidade. Numa demonstração de grande originalidade, uma ideia nova é representada pela lâmpada da banda desenhada e está lá ao lado de um cifrão. Peço desculpa por usar muitas palavras em inglês, mas é em inglês que está escrita a folha negra com instruções para o caminho para o “sucesso” com ponto de exclamação: “success!!”. (…)

Resumindo e concluindo: o homem dos dias de hoje, um jovem executivo, ou um profissional de marketing, ou um diligente “jota”, tem nesta imagem sagrada a sua forma de aceder ao divino, ou seja, ao sucesso.

O que é que isto tem a ver com o Estado? Nada. Com reformas políticas? Nada. Com o povo e a melhoria das suas condições de vida? Nada de nada. Com uma mensagem política subliminar? Sim. É uma mensagem para o indivíduo, porque é do sucesso individual que se trata no mundo do “empreendedorismo”, não para um país, ou uma comunidade, uma classe ou uma nação. É uma mensagem esforçada e antiquada, com décadas de atraso, para o “homem da Regisconta” do início da informática e da entrada das máquinas de calcular e da moderna gestão no mundo empresarial. Nem sequer é para o yuppie da bolsa, nem o criativo das dot.com, nem para as start-up. Na verdade há muita incompetência e muita ignorância nestas incongruências, mas pouco importa.

É pelo “negócio” que se chega à salvação. É pela vulgata da linguagem dos “business plan” que se encontra o caminho para a “luz” ou seja, para o “sucesso”. O neo-PSD dos nossos dias pensa assim, ou seja, não pensa, tem uma fé. (…)


Mas este caminho hoje seguido pelos neo-PSDs faz imensos estragos naquele que é o maior partido político português e, por essa via, a Portugal. Quem deve estar a rabiar naquele título e por baixo dos pés do Homem da Regisconta é a palavra “social-democrata”, (…)

5 comentários:

  1. Respostas
    1. Pode ser seu irmão
      mas... não confio muito nele, não...

      Eliminar
  2. Lembro-me de um dia ter reparado em mim...
    Arrepiada e com grandes olhos atónitos olhava a televisão onde
    PPereira tinha acabado de proferir esta aleivosidade...
    «Temos de acabar definitivamente com o socialismo em Portugal»
    Parecia estar a anunciar uma nova revolução!
    Era ele líder parlamentar pelo PSD, depois de ter sido simpatizante
    do PCP e PS, partidos que não confiaram nele.
    Todas as suas publicações de cariz político são imbuídas de um
    ressabiamento patético e deplorável, porém, o que eu mais acho indigno,
    é a sua traição a valores que defendeu por tanto tempo quer a nível nacional,
    quer a nível internacional.
    É por esta razão que PPereira como analista político inspira-me
    o maior desprezo, mesmo que disserte sobre verdades que me são convenientes.
    ~~~ Beijinho, Graça ~~~


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Especial cumprimento pela síntese dos argumentos com que define PPereira. Muito bom, Majo Dutra...

      Eliminar
    2. Por isso também não confio completamente nele, Majo. Se bem que isso tenha sido no tempo em que era um ferrenho político-partidário cego a tudo o mais...

      Eliminar