domingo, 28 de janeiro de 2018

Desculpas frouxas

Volto ao tema do passado dia 25 Impunidade. É que se nesse dia me sentia furiosa, hoje não o fiquei menos com as notícias dos jornais: «MP não está preparado para lidar com casos de violência doméstica» - em grandes parangonas na primeira página.

E continuam: “Os funcionários do MP não têm formação nessa matéria, não lhes é dada por parte do Ministério da Justiça e não existe número de funcionários que permita um atendimento personalizado, nem pelos funcionários nem pelos magistrados.” – afirma o presidente do sindicato.

Para além da minha fúria crescente e incontida, duas observações acorreram, ato contínuo, ao meu pensamento:

             Uma, que tem a ver com a minha vasta experiência de professora enquanto presidente executiva: quando, perante novos projetos, novas tendências pedagógicas, reviravoltas nos programas, os colegas bradavam: “Não temos formação para isso! O ministério não nos deu formação para isso!” – Eu respondia-lhes muito simplesmente: “Há bibliografia sobre o assunto. Há aquilo a que se chama autoformação [já para não invocar o brio profissional!...] Se conseguimos tirar uma licenciatura [e ainda era daquelas de cinco anos…] também conseguimos fazer a nossa autoformação!”

                A outra, talvez mais violenta, é que me parece que o MP só tem formação para averiguar “delitos” de primeira grandeza como o pedido de dois bilhetes para ir ao futebol, ou umas viagens para ir ver o Europeu. “Delitos” que sempre implicam figuras da atual governação. Esta formação que o MP tem em barda esbate-se, esfuma-se, dissipa-se quando estão em causa delitos menores como o caso dos inexplicáveis roubos no BPN, o caso dos submarinos, dos Panama Papers, da Tecnoforma, o caso das adoções feitas a trouxe-mouxe pelos ditos bispos da IURD – só para referir os mais mediáticos.

E, lamentavelmente, tenho de concluir que somos um povo manso que mansamente aceita todas as desculpas frouxas que nos põem pela frente…





22 comentários:

  1. Somos verdadeiros marionetes... Aqui também! E, como!!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos tido notícia... Vai tudo bem mal por aí. :(

      Beijinho.

      Eliminar
  2. compreendo muito bem a tua indignação!
    e isso me basta.

    beijo

    ResponderEliminar
  3. A imprensa também so aflora esses assuntos. O que lhes interessa mesmo são todas as notícias que servem para denegrir o atual governo.
    Um abraço e boa semana

    ResponderEliminar
  4. Dizer uma coisa dessas não lembra ao Demo, caramba!
    Não estão formados?
    Recebam formação, ora essa!!
    Beijinhos, boa semana

    ResponderEliminar
  5. Concordo consigo!! Somos um País do deixa andar!

    Beijo e um excelente semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos muito desinteressados pela coisa pública. Falta de cultura e de cidadania.

      Eliminar
  6. A raiva e enorme fazem tudinho para deitar a geringonça abaixo!

    Beijinho Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é o seu principal, ou mesmo o seu único objetivo, Flor!

      Eliminar
  7. Olá Graça, é verdade, também penso que quem foi á escola, continua a aprender durante toda a vida, pode e deve :)
    beijinho
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é que nem todos pensam assim, Ângela.

      Beijinho.

      Eliminar
  8. A injustiça da "nossa" Justiça é deplorável. Mas, penso que nada disto é tão inocente como pode parecer.

    Beijo

    Lídia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah pois não é, não, Lídia! Tudo isto tem um objetivo certeiro...

      Eliminar
  9. Reclamar por uma formação de qualidade, parece-me
    um direito devido a todos os trabalhadores.
    Todos que cumprem a sua função docente, não dispõem
    de tempo para pesquisar e estudar em bibliotecas...
    Beijinhos
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora, ora, Majo! Não me venhas dizer uma coisa dessas! Como é que eu conseguia? E outros (poucos)?

      Eliminar
  10. presento aqui um exemplo da incongruência do pedir. Quando um gajo se dirige a um balcão das finanças para reclamar de um erro na sua declaração de IRS, chega o "prestimoso" funcionário (politicamente correcto devia ser trabalhador da Função Pública, ...,Pública) e o requerente começa por dizer "Desculpe mas tenho aqui um erro das Finanças etc.)

    Porra! Desculpe! Porquê?! Por que bulas?!?!

    Somos assim e não há como dar-nos a volta...

    Muitas bujcas* do teu amigo
    Henrique, o Leãozão

    NOVA FORMA: Bujocas- Bujcas

    NA NOSSA TRAVESSA HÁ UM NOVO TEXTO -

    ResponderEliminar