terça-feira, 18 de agosto de 2015

Leituras de Verão

(daqui)

Foi hábito que me ficou de há anos.

No tempo em que trabalhava (muito!) na e para a “minha” escola, naqueles anos loucos (mas completos!) da direção, tirava apenas duas semanas de férias no Verão, para ir para a praia – que não me imagino a passar um ano sem ter uns bons dias de praia – e aproveitava para ler os livros que pudesse. Nada melhor que «fazer as férias do lagarto» deitada ao sol/à sombra a ler!

Este ano a «produção» foi bem profícua!

Terminei o livro «Meninas» de Maria Teresa Horta – que vai merecer um texto à parte, de tão bem escrito, de tão poético, de tão violento!

Emprestaram-me «Quando Lisboa tremeu» de Domingos Amaral em que entrei com agrado por se tratar de um romance histórico. São quase 500 páginas mais de romance do que de histórico. Mas lê-se bem e rápido – daquela escrita torrencial, com grande profusão de diálogos (não sei como há imaginação para tanto!) numa linguagem simples e corrida que por vezes não consegue evitar um ou outro erro de pontuação e um ou outro lapso de ortografia – e diverte, entretém.

No mesmo «pacote» de empréstimo, vinha «O Retrato da Mãe de Hitler», do mesmo autor, que pretende ser a continuação de «Enquanto Salazar dormia», que li há anos e até achei bom, mas que mais não é senão mais um daqueles best-sellers vulgares, longos e chatos, à volta de uma história de amor do tempo da 2ª Guerra contada em intermináveis flashbacks (analepses, em português). Nada de espacial.

«O Verão Quente» - também de Domingos Amaral (juro que não tenho percentagem nas compras!...) – é bem melhor em termos históricos: versa a época do PREC, no pós 25 de Abril entrelaçada por uma história do tipo policial que acelera no leitor a vontade de chegar ao final do livro. Bem melhor que o anterior, se bem que o autor exagere na forma como aborda o sexo – e não se pense que estou aqui armada em pudica… - algo excessivo e, muitas vezes, desadequado. Mas gostei. Tenho para mim que muito do que é dito sobre os acontecimentos de Abril – e muito é dito – saíram diretamente da boca do Professor Freitas do Amaral, pai do autor.

Para distrair de Domingos do Amaral, li, pelo meio, o excelente livro «O Retorno», de Dulce Maria Cardoso, este sim, um verdadeiro romance histórico, com muito mais de histórico do que de romance, muito bem escrito, que retrata a penosa época do regresso forçado das pessoas que viviam e tinham as suas vidas estabelecidas nas ex-colónias e que se viram, de um momento para o outro, transferidas para uma terra desconhecida, quase inóspita – embora tenha sido feito o (im)possível para absorver todos esses concidadãos – muitas vezes com pouco mais do que a roupa que traziam no corpo e numa malinha. De leitura (quase) obrigatória!

Ah! E ainda consegui ler uma antologia de (bons) textos (quase poéticos) de António Tabucchi, recentemente editada pela D. Quixote e que comprei porque inclui também o breve romance «Os três últimos Dias de Fernando Pessoa» escrito em 1995. Deu-me logo vontade de reler «O Ano da Morte de Ricardo Reis», o livro de Saramago de que mais gostei!

Hei de fazê-lo!

17 comentários:

  1. Leitura em férias é um must para mim também
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Na praia não consigo ler. Tentei, "juro" que tentei diversas vezes mas não consegui.
    É curioso (ou talvez nem por isso) que quando estou em férias pouco leio apesar de sempre carregar com meia dúzia de livros.
    É em casa que mais leio, sobretudo à noite ou aos fins de semana no outono/inverno.

    Bjo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Todos diferentes, todos iguais, amigo Kok!!

      Beijinhos e boas leituras.

      Eliminar
  3. Admirável variedade de leituras, Graça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este ano, de facto, excedi-me. Se bem que os livros de Domingos Amaral se leiam depressa.

      Eliminar
  4. Uma riqueza de férias! tenho muita vontade de ler o livro da Dulce Maria Cardoso estou à espera que fique "solto" para vir para mim.
    bjs

    ResponderEliminar
  5. Boas leituras! Sobretudo, muitas...!
    Tenho lido pouco, embora ande sempre com um ou outro poeta na "algibeira". A poesia não permite que façamos um "balanço" assim tão delimitado do volume de leituras. O romance, de repente, cansa-me. Não sou capaz de ler duas dezenas de páginas que não precise de um poema como de "pão para a boca".

    Continuação de boas leituras e escritas.

    Lídia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A poesia lê-se mas não «por atacado». Só quando apetece e de forma bem fragmentária. E nunca na praia....

      Beijinho, Lídia.

      Eliminar
  6. Há os devoradores de livros
    lêem-os ao quilos

    A mim, um bom parágrafo dá-me para uma semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca fui devoradora de livros e sou até muito seletiva nas minhas leituras.

      Eliminar
  7. ~~~
    ~~ Também conservo esse antigo hábito, porém, agora sou mais seletiva.

    ~~ Vou colecionando, ao longo do outono e inverno, leituras que me parecem
    mais leves e divertidas, adequadas à modorra dos dias estivais.

    ~~~ Dias agradáveis de retorno ao doce-lar e aos teus gatinhos, ~~~

    ~~~~~~ Beijinhos. ~~~~~~
    ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, querida Majo!
      Já regressámos e soube bem...

      Beijinho

      Eliminar
  8. Na praia impossível ler. Há muita distração ao meu redor. Lembrou-me a M.Teresa Horta que ando para ler há tempo. Bom regresso, Graça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Benó!
      Já estamos de volta a Leiria.

      Beijinho

      Eliminar
  9. E houve tempo para umas banhocas?

    Sou desorganizada nas leituras... Tornei-me.

    Bom tempo para bons banhos.

    :)

    ResponderEliminar