terça-feira, 7 de julho de 2015

Enxovais

Por imperativo de mudança de móveis – não sou mesmo nada dada a mudanças dos sítios das coisas! – houve que remexer nas gavetas.

Sabe muito pouca gente dos gritos e dos tabefes que a minha mãe me deu por eu não ser nada dada a arrumar gavetas… Uma maçada!!! Muito mais divertido era estar a ouvir música, a tirar letras dos discos novos, a ler, a escrever cartas e poemas…

Bom, mas em época de tardes livres não arranjo mais desculpa para não “remexer” as gavetas. Refiro-me aos gavetões das cómodas onde, nem digo há quantos anos, placidamente «jazem» as várias toalhas de festas bordadas e com rendas, os imensos naperons e individuais, alguns bordados por mim (imaginem!) outros bordados da Madeira e dos Açores, conjuntos de quarto em crochet, dúzias de guardanapos que acompanhavam as toalhas bordadas, saquinhos de guardanapos, sacos de pão bordados a ponto de cruz e sei lá o que mais - coisas que não se usam mais!



Nos idos de 60 e por aí, as meninas da dita classe média trabalhadora iam juntando peças de enxoval desde muito novas. Pelo Natal e pela Páscoa, em festinhas de aniversário era perfeitamente habitual recebermos conjuntos de chávenas, taças de loiça fina, vidros, toalhinhas de chá e assim se ia fazendo o enxoval. E depois as mães desdobravam-se a mandar bordar lençóis e toalhas de festas e a comprar mais isto e mais aquilo para que as filhinhas não ficassem mal vistas aos olhos dos sogros… (ihihihihihih.....)

Enquanto ia “remexendo” e mudando o “património” de umas para outras gavetas, ia pensando no que irão as minhas filhas, quando eu morrer, fazer com tanta toalha de banquete, tantos guardanapos de linho bordados, tantos servicinhos de chá e de café, tantas tacinhas e chávenas do lindo bago-de-arroz e sei lá o que mais de tralha do meu enxoval e mais algumas coisas ainda do enxoval da minha mãe…

Olha! Ponham tudo no OLX!.... (Mas é uma pena…)

26 comentários:

  1. Ah, Graça, nem imaginas como me revi neste teu texto!

    A minha querida e saudosa Mãe era exímia na arte de crochetar e tricotar. Aprendi com ela mas jamais tive o seu gosto e dedicação por esses lavores!
    Ainda nem tinha namorado e já ela me havia começado a fazer o «enxoval»!
    Mais tarde, já casada e com filhos pequenos, apareceu-me uma senhora que vinha de Trás-os-Montes vender toalhas bordados da Madeira e outras de renda de Veneza. Comprei umas quantas pensando fazer como a minha Mãe e preparar o enxoval da minha filha...
    Qual quê? Tenho gavetões cheios, eu é que vou usando algumas e oferecendo outras, como prendas de casamento às filhas de algumas amigas.
    Naperons de renda, não, porque não se usam, toalhas não, porque dão muito trabalho a passar a ferro e agora fiquei a pensar como tu. Um dia, para que mãos irão parar as relíquias que guardo, umas com valor estimativo e outras por serem mesmo valiosas?
    Ás tantas vai tudo parar as mãos estranhas, através dessa modernice de vendas online!
    Que pena!!
    Ainda tenho esperança que os netos casem com moças que saibam dar valor a estes pequenos tesouros...Isto se eu viver o tempo suficiente para ver!!

    Beijinhos, nostálgicos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janita, minha querida, és mesmo muito crente.... Achas que os nossos netos vão apreciar essas peças de museu? DUVID-O, DO!!!!!

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Essa toalha é muito bonita. Tenho uma parecida para ocasiões muito mas muito especiais. Enxoval praticamente não tive porque queria ter tudo novo e moderno quando me casasse. E assim foi. : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como as minhas filhas. Não "levaram" quase nada.... Gente de fim de século.... :)))

      Eliminar
  3. Eheheh, que grande frete que era receber prendas de anos e Natal para o enxoval... com 13 anos! Mas pronto, não recebi assim tantas dessas coisas e como a minha irmã casou primeiro levou quase tudo e ainda herdou algumas coisas de umas tias e avó. E ainda bem, que eu não ligo muito e tive quase tudo novinho em folha quando casei... :)

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro, Teté! As coisas que nós levávamos também eram todas novinhas em folha.... mas às resmas.... Acreditas que a minha mãe preparou-me quatro dúzias de lençóis? Para além dos que recebi de prendas.... Ainda hoje os uso! Uma poupança....

      Eliminar
  4. Sabe o que é que eu acho?

    SOMOS mesmo do parque Jurássico

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. SOMOS mesmo, Rogerito!!
      E isso é mau, amiguito?!

      :)))

      Eliminar
  5. Ah! Graça! Já fiz leilões familiares em vida... Doei o máximo e fiquei com o pouco que me basta. Não quero nem saber o que farão. Simplicidade hoje é minha forma bem natural de viver. Foi lindo naqueles idos de 60... Hoje, museu!
    Bjs.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E fizeste muito bem, Célia! Mas eu não sou capaz. Sou por de mais apegada às "minhas" coisas, que se há de fazer?!

      Beijinhos

      Eliminar
  6. Gracinhamiga

    No meu (nosso) tempo os rapazes também tinham enxoval, mas este era especialmente feito para quem entrava no Colégio Militar, nos Pupilos do Exército, na Escola do Exército, no seminário e poucos mais. Para casamentos - nem pó!

    As coisas são o que são e os relógios e os calendários são mesmo tramados. Em Luanda a Raquel deu o seu vestido de noiva à filha da nossa lavadeira Conceição; pois dele ela ainda aproveitou para fazer o fato de baptizado do primeiro filho de quem fomos padrinhos tal como o fôramos da mãe.

    Esse tipo de recordação é lindo mas como as rosas tem os seus espinhos. A Raquel guarda nua arca de cedro do Líbano ou lá o que é, coisas para as noras/filhas e para a neta Madalena. Alguém as aproveitará?

    Bjs da Kel e qjs do alfacinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabe-se lá, Henriquamigo? Eles/elas que façam como entenderem. Depois também já cá não estaremos para ver, portanto... béu-béu....

      Beijinhos jurássicos.... eheheheheheh.....

      Eliminar
  7. A tralha que a minha mãe lá guarda em casa, Graça!!
    E a pergunta é mesmo essa - o que é que eu vou fazer com aquilo??
    Especialmente quando está tudo em Portugal e eu em Macau...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haverá sempre uma saída, Pedro! Sabe-se lá se as suas pequeninas não virão a apreciar os «tesouros» da avó?!

      Beijinhos

      Eliminar
  8. Eu adoro tudo que é antigo , bordado , em linho ou bom algodão , com renda e sem renda. O meu filho , chama-lhe a " farrapada " da mãe....Na semana passada , fui a Lousada levar um saco com " farrapada " para a mulher bordar...Ainda um dia, vai voltar a usar-se e só as usa quem as tem , acredite no que lhe digo. Hoje , as lavandarias , tratam muito bem essas peças e não são caras,
    M.A.A.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O quê, M.A.A., a menina ainda está a mandar bordar mais toalhas e assim?! Isso é que é otimismo! Mas no fundo, no fundo, também acredito que haverá sempre quem aprecie essas belezas bordadas e em renda. Oxalá!!

      Eliminar
  9. Na ânsia de conseguirem um emprego que lhes dê independência económica, bem como os casamentos efêmeros de há décadas para cá, terão contribuído para as meninas se desinteressarem pelo ENXOVAL que as mães e avós tanto valor lhes atribuíam.

    ResponderEliminar
  10. Graça, revi-me inteiramente na descrição feita. Ainda uso por alturas do Natal, da Páscoa, quando nos reunimos todos ainda ponho as toalhas de renda ou as de linho bordado. Lençóis já foram oferecidos por serem pequenos para as camas atuais mas as toalhas, como disse, uso. E as colchas de renda tão em moda aqui no Algarve há anos? Essas estão guardadas nem eu sei para quê. Talvez a filha lhes arranje utilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah também tenho umas poucas de colchas de renda! Uma delas até fui eu que a fiz - foi a colcha de casamento.... Talvez voltem a usar-se....

      Eliminar
  11. Amiga Graça. nem parece que somos do mesmo signo, porque se há coisa que gosto de fazer é mudar tudo de sítio e arrumar gavetas :))
    Aliás a minha mãe ralhava-me porque eu "desarrumava" as gavetas :D
    Também "herdei" muitas desta preciosidades .

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Fê!! A minha filha Carneiro também gosta de andar sempre a mudar tudo lá em casa dela. A exceção devo ser eu..... (Acho que é por preguiça.....)

      Beijinhos

      Eliminar
  12. Eu gosto muito de mudar os sítios das coisas e também gosto muito de toalhas de mesa bordadas, tenho poucas nunca tive enxoval foi coisa que nunca me interessou mas eu decidi começar a usar as coisas! Um belo dia numa dessas arrumações encontrei tanta coisa amarelada que pensei vou por tudo em "andamento" quando acabar acabou e adoro ver a mesa bonita! bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É assim mesmo. Há que usar tudo e pronto! Para a frente é que é o caminho!!

      xx

      Eliminar
  13. Só não usa se quiser... Na minha opinião, podem não estar actualizados mas são bonitos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Joaninha, pela tua opinião sensatamente jovem.....

      Beijinho

      Eliminar