quinta-feira, 14 de março de 2013

O inútil



É por de mais conhecida a minha antipatia (direi mesmo embirração) pela pessoa do dr. Cavaco enquanto (negação de) presidente da República, como enquanto primeiro-ministro dos milhões a entrar vindos da Europa, como apenas e acima de tudo presença física antipática, pedante, ressabiada, sonsa, direi mesmo boçal. 

É, de igual modo, conhecida a minha predileção pelos escritos do jornalista-escritor Baptista-Bastos. Daí que, como simbiose quase perfeita (que a perfeição não existe!) não tenho como não transcrever parte da sua crónica de ontem que versa (não se tem falado noutra coisa neste Portugal dos Pequenitos) o anunciado e reanunciado prefácio dos habituais “Roteiros” que o senhor presidente escreveu, ou mandou escrever, para assim justificar as dez ou mais horas de trabalho diário que se arroga cumprir.

Vinte páginas inúteis

«(…) O homem é o que é: um medíocre brunido, formal e liso. Com penosa disposição li o texto, porque o alarido a tal me impelia. Os habituais tropeços nas preposições, o confuso desalinho com as adversativas, e a ausência total de qualquer ideia. O costume da banalidade, elevado à nobre condição de "tema." Apenas me surpreendeu que tanta gente se sobressaltasse com o chorrilho de bagatelas, e que alguma dessa gente lobrigasse uma grave advertência ao Governo e uma crítica furtiva a Passos Coelho. As vinte páginas do extraordinário texto são o retrato (haja Freud e a nossa paciência!) da insólita personagem que nos coube na vida. Custa-me dizer isto: mas o dr. Cavaco, o que diz e o que não diz, e não faz, estão longe de poder ser levados a sério. Ele, os seus silêncios e as suas evasivas são cúmplices do que nos acontece, desde que foi primeiro-ministro. E a impunidade de que goza é paralela à imensa vaidade que não consegue dissimular com a exposta modéstia grotescamente teatral.

O homem é ressentido e rancoroso. O assento que fez com Sócrates e, antes disso, a cilada que montou a Fernando Nogueira, para não aludir, entre outras mais, muitas mais, ao desprezo disfarçado a Santana Lopes, mas suficientemente perceptível para que o próprio percebesse e os outros pressentissem, são características de uma índole embotada. Mesmo Pedro Passos Coelho, com quem teve algumas embirrações, era este um convulsivo dirigente da "jota", mesmo esse tem de se acautelar. E os esgares, feitos sorrisos, com que o dr. Cavaco, o recebe e conversa são máscaras da mais vil duplicidade. Lembro aos distraídos a afabilidade, quase doçura com que recebe Paulo Portas, o qual, quando director de O Independente, conduziu sangrenta campanha jornalística contra o cavaquismo, que levou ao descrédito da doutrina e à queda do seu mentor.

A pátria está de pantanas, os jovens abandonam o país onde nasceram; os desempregados fazem multidão; os velhos morrem sós, de fome e de miséria; os suicídios aumentam; todos os ofícios e corporações são atravessados pelo despautério de uma política assassina; e a figura que está em Belém demonstra-se incapaz de admitir qualquer conteúdo dos assuntos correntes.

Disse, após mais de um mês de reclusão, que vai ensinar os portugueses a conviver com a crise, e que tem mais experiência política do que a maioria dos seus antecedentes. Perante isto, creio que temos de redefinir a natureza das nossas decepções e os modos de tornar eficazes o que nos indigna.» BB

Valha-nos Deus ou sei lá quem nos há de valer! Como é que este povo votou neste clone de si mesmo recorrentemente durante trinta anos? Só encontro uma (triste e vil) razão que em nada abona a nosso favor enquanto povo: revê-se nele. 

14 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Que sina a nossa!

    O que nos havia de calhar na rifa!

    Haja um Baptista-Bastos para bater forte e feio onde e quando deve ser!

    Se chegámos à situação em que nos encontramos, a este senhor o devemos!
    Esteve nas suas mãos a possibilidade de o destino de Portugal, enquanto membro da UE, ser outro, completamente diferente, para melhor!

    Sem mais... por ora.

    ResponderEliminar

  3. Como tu, não perco nada do BB.

    Gosto, sobretudo, da radiografia que faz do pr (em pequenino, por ser pequenino)

    " O homem é o que é: um medíocre brunido, formal e liso. "

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  4. Faria um grande favor a todos nós que desaparecesse de vez!
    bji

    ResponderEliminar
  5. O forte do presidente (não são as Letras) são os números... de circo, sem ofensa para os palhaços.

    ResponderEliminar
  6. Sempre achei este homem um engano.
    M.A.A.

    ResponderEliminar
  7. Pois!
    Mas temos que o gramar,assim como outros do mesmo saco e isso é o pior que pode acontecer.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  8. Está por provar a inutilidade do coiso... BB nem sabe a alegria que os credores têm em o ter...

    (leu a crónica sobre o "socialismo"?)

    ResponderEliminar
  9. Estimada Amiga Graça Sampaio,
    Estou inteiramente de acordo consigo, esse cavaco não passa disso, e nem na fogueira o quer, agora vai até Roma dar mais um passeio, é assim já, já o portas foi à India inaugurar um estádio e depois foi até à Venezuela, e o país anda de mão estendida, enquanto estes vão gozando e passeando com o dinheiro do povo.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  10. Eu partilhei esta excelente crónica do FF no facebook!
    Que criatura horrorosa!

    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Rogerito, leio todas as crónicas do BB. E, mesmo as que falam menos de acordo com o que penso me agradam!

    ResponderEliminar
  12. Graça, querida amiga
    Estou contigo! Tanto no que respeita a CS,( essa múmia paralítica) antipatia (no mínimo!) que já vem dos tempos de pp, como no que toca a BB, de quem gosto tanto (dos escritos).
    Eu não ajudei a pô-lo (ao CS) lá, nem uma vez nem outra, mas acabo por sofrer as consequências na mesma.
    Isto é que vai uma crise!

    Óptimo fim-de-semana.
    Beijinhos

    ResponderEliminar