terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Catarse - ou talvez não


Parte II (continuação - ou talvez não - do texto de ontem)


Tudo fui fazendo dentro das minhas possibilidades e das minhas limitações, com mais ou menos entusiasmo, com mais ou menos resultados. Mas o mais humilhante, o mais ignóbil de todos os “exames” a que me submeti, foi aquela entrevista a que o decreto-lei 75/2008 – diploma cheio de incongruências, diga-se, que denunciei em devido tempo e a quem de direito – obriga no concurso ao cargo de diretor de escola ou agrupamento de escolas. O júri foi o conselho geral do agrupamento que, como sabem, é constituído por representantes de professores, de pais, de funcionários, dos autarcas e da sociedade civil. E a presidente do dito conselho, colega sem a força e sem o saber necessários para “ter mão” numa assembleia daquelas, deu todo o poder da entrevista a um paizinho (desculpem a ironia, mas é mesmo um paizinho: pequenino no tamanho físico e não só) só porque tem uma daquelas licenciaturas em gestão, de recursos humanos ou coisa parecida. Digo-vos: coitados dos recursos humanos que se veem obrigados a ser geridos por ele, que deve ser um pequeno ditadorzinho daqueles que estão a aparecer nos tempos que correm. O senhor já tinha decidido (porque tudo fora pré “cozinhado”) que o diretor do agrupamento não ia ser eu e, por isso portou-se da forma mais deseducada e pequenina (tão pequenino como ele) que podem calcular: bocejou, fechou os olhos, deixou cair a cabeça, enquanto eu falava e “embirrou” com a minha forma de falar sobre “liderança” – um daqueles conceitos americanos que tanto gostamos de importar, como “assertividade” e “mediação” e “sinergias” e “benchmarking” e análises SWOT e sei lá o que mais que o senhor gestor de recursos leu nos livros lá no ISLA ou não sei onde. 

 Bom, mas o paizinho gestor decidiu convencer parte do grupo que o outro candidato, muito menos experiente e menos habilitado para o cargo, é que era o tal da liderança!


 

E o tal da liderança é o que, entre muitos outros desastres de que eu talvez venha a falar aqui, já promoveu acareações entre pais queixosos e professores apontados pelas queixas, tomando o partido dos pais, naturalmente; é o que atafulhou o pavilhão gimnodesportivo com mobiliário antigo vindo da secundária requalificada; é o que – espante-se! – fecha a Biblioteca durante três dias durante a Semana da Leitura que foi marcada a nível concelhio para lá receber os senhores inspetores da avaliação externa; é o que – espantem-se ainda mais! – vai realizar a Feira do Livro da escola, que é uma tradição das boas daquela escola desde os idos de 80, da forma mais invulgar e disparatada: os alunos poderão, se quiserem, dirigir-se a uma livraria da cidade, que até nem está próxima da escola, fazem prova de que são alunos do agrupamento e têm direito a 15% de desconto nas compras. Para promoção da leitura, diga-se que é, no mínimo, original…

(Desfrutando a Biblioteca)

 Alguém devia dizer àquele paizinho pequenino que, para se der diretor de um agrupamento de escolas – onde há alunos! – não chega saber papaguear umas coisas sobre liderança (e jactância…)  É preciso ter conhecimento, saber de experiência feito, pedagogia, abertura ao outro, entusiasmo no trabalho e, mais do que tudo, sensibilidade para as coisas da educação. E isso, garanto-vos, não vem escrito nos livros de gestão.
  


(Uma verdadeira Exposição/Feira do Livro)




6 comentários:

  1. Oi, Graça!
    Ah! A bendita "verborragia"... na prática, nós educadores, sabemos muito bem que a teoria é outra!!
    Abraço, Célia.

    ResponderEliminar
  2. E assim vai o mundo escolar.O dito senhor pequenininho, nem com a idade que terá, será capaz de emendar o seu desenho.O jarro será desenhado com a asa do lado direito como sempre desenhou e não há cá conversas.A minha amiga,a dos nove anitos,olhou o seu trabalho e emendou-o a tempo,esse pequenininho nunca será capaz de fazê-lo.Nota:não conheço nem quero conhecer o pequenininho da gestão Kinkas

    ResponderEliminar
  3. E assim vai a Educação neste delicioso jardim beira-Atlâtico: graças a DEus, que já estou fora destas tragédias!

    Um solidário abraço


    Ainda não te disse que estás muito bem nesta nova foto?

    ResponderEliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. Tive o privilégio de ter passado alguns anos da minha vida a lecionar no Ensino Secundário (agora os vários ciclos escolares são outros), de 1966 a 1968 (EIC Leiria), 1969/70 em Nampula (vi-me Grego para dar umas aulitas de matemática que aquela rapaziada não tinha bases nenhumas) e, nos supra-ditos anos 80 voltei, em part-time, ao ensino na Marinha Grande e na actual Escola Secundária de Domingos Sequeira.

    Fiz parte da 1ª Direção da Associação de Pais da Escola da Gândara (fui o 1º Presidente da Direção).

    Mas nunca me vi envolvido numa situação como a que descreve, Graça.

    Uma desgraça, pelo que conta e eu acredito piamente.

    Um abraço
    ps.:
    anulei o comentário anterior porque a rever dei por que tinha escrito que lecionei em Leiria, 1966 a 1068. Ainda ficavam a pensar se já alguém teria inventado um inversor de tempo!

    ResponderEliminar
  6. Obrigada, São(zita) pelo "piropo"...

    Querida Kinkas, entendes-me, não é? Obrigada. Mas tu conheces o "paizinho" - ele é uma figurinha da cidade...

    Obrigada, António, pela compreensão.

    ResponderEliminar