quarta-feira, 13 de abril de 2011

Dia de calor





Dia de calor
abrasador,
em que o corpo
se abandona
à lassidão
e absorto
o pensamento
se embriaga
de paixão.

Dia de calor
abrasador –
- beladona
que propaga
num momento
um desejo
insensato
de sem pejo
te envolver
com prazer
e beijar
tuas feições
de gaiato.

Dia de calor
abrasador
e a tontura
de te ter
cá comigo
para ser
tua frescura,
para estar
só contigo
e te amar
pura, pura...



12 comentários:

  1. E as papoilas rubras no meio de flores azuis são uma maravilha a complementar um poema lindo da tua autoria!
    Parabéns pela inspiração de um verso curto, de estrofes longas, com muito ritmo e...frescura!

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Andeiro?

    Carol?

    Andeiro?

    Carol?

    És tu?


    Depois de me refazer volto...

    :)

    ResponderEliminar
  3. Dia de calor
    Abrasador
    Entardecer
    encalorado
    Noite de poema
    belo
    fresco
    encantado

    ResponderEliminar
  4. Fiquei tão acalorado
    que regressei a tomar ar
    Acabei aqui ao lado
    comentário a rimar

    a tentar
    rimar

    que a mais não sou obrigado
    :)

    ResponderEliminar
  5. Já lá vã muitos dias de calor abrasador.
    Desejo que volte o tempo do beijo
    Quero a esperança de volta com a brisa
    Este tempo sem água se transformará em dor

    ResponderEliminar
  6. Belo e sensual.
    Parabéns. gostei imenso.

    ResponderEliminar
  7. Que linda imagem!
    Gosto imenso de papoilas, e assim entremeadas de flores azuis ficam uma maravilha!
    O teu poema é muito lindo.

    Bom restinho de semana. Beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Que queridos os vossos comentários! Acreditam que este poema foi escrito em Junho de 1968? Ainda era solteira e boa rapariga, andava na Faculdade e escrevia muitos versos (atenção: não são poemas. São apenas uns versos.)
    Se me calhar hei-de trazer mais para este espaço.

    Obrigada, outra vez.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Um campo de papoilas e um poema refrescante! : )

    ResponderEliminar
  10. 1968?????

    Já havia versos?????

    Poema é!!! Não disfarces!!!!

    E Em 1968 já eras bonita!!!

    ResponderEliminar
  11. Obrigada, Catarina.
    E obrigada M. És uma querida! "Disfarçuda" me chamava às vezes a minha melhor amiga da Faculdade...

    ResponderEliminar