sexta-feira, 2 de março de 2012

Leituras


Por muito que se diga que a educação está um caos, que as escolas não ensinam nada, que os professores não prestam, que "no meu tempo" é que era porque sabíamos as linhas de caminhos de ferro de Angola e Moçambique e os afluentes dos rios da margem esquerda e da margem direita, tem-se feito um esforço enorme nos últimos  no âmbito do desenvolvimento da leitura. Começou, em termos formais, com a  com a criação da Rede das Bibliotecas Escolares em 1996, com a organização curricular de 2001 pela qual  a Língua Portuguesa foi consagrada como competência transversal de todos os programas e depois com a criação do Plano Nacional de Leitura em 2006 que tem equipado as escolas com bibliotecas e coleções e coleções de livros.

As escolas, de uma forma ou de outra, têm organizado toda a espécie de atividades para criar nos alunos, desde os mais pequenos aos mais crescidos, o gosto e hábitos de leitura. Muitas esforçam-se por alargar os seus projetos aos encarregados de educação e familiares dos alunos e foi nesse âmbito que ontem fui à sala do Jardim de Infância frequentado pelos meus dois netos mais velhos ler uma história. Uma excitação para mim que sempre fui professora de alunos mais velhos. Uma excitação para os meus netos porque a avó ia lá ler uma história... Uma graça ver os mais pequeninos dos pequeninos sentados no chão coladinhos a mim a brincarem com os berloques dos meus sapatos e a meterem os dedos nos buracos do desenho da meias.... Uma ternura quando uma das pequeninas começou a chorar com medo do "monstro" que entrava na história... Um espanto ouvir, no fim da história, a Educadora fazer perguntas de interpretação sobre o texto ouvido falando em conceitos como "personagens" e outros .... Muito giro!












Mães, pais e avós, não deixem, se tiverem oportunidade, de colaborar com as escolas das vossas crianças participando em iniciativas destas ou outras. É muito giro!


16 comentários:

  1. Cara Graça Sampaio
    Para mim que poucomais tive que a oportunidade de frequentar o ensino primário e ir trabalhar aos 10 anos e só mais tarde poder no ensino pós laboral aprofundar mais qualquer coisa fez com que fosse muito sensível aos problemas da educação e a dar valor aos resistentes num ensino dignodesse epiteto.
    Abraço
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  2. Esta coisa do blogger, está esquisita. Publiquei sem corrigir, as minhas desculpas.
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  3. Encantadora sua experiência! Estar com os pequenos é exercitar o "...vinde a mim as criancinhas..." A figura da "contadora de histórias, ainda mais sendo a avó dos netos alunos... tem um gosto de quero mais. Disso você nunca irá se esquecer!
    Beijo da Célia.

    ResponderEliminar
  4. Cuidado... os putos não parecem ter cara de agrado...

    (tô a brincar, claro... estou a pensar a fazer isso, mas a mais crescidos)

    ResponderEliminar
  5. Também fui à escola do meu filho falar com os pequenotes da sala dele, mas já faz muitos anos. Pode ser que volte um dia, com os netos... :)

    E as carinhas deles atentas à história, hein?! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  6. A Biblioteca Municipal Afonso Lopes Vieira ontem (sexta) estava cheia de crianças e a programação promete.

    http://leiturasleiria.wordpress.com/

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. A minha mulher (quer dizer, esposa) Zaida tem participado em ações desse tipo todos os últimos anos. E eu, às vezes, também dou o meu contributo, quanto mais não seja ajudando-a a preparar umas projeções em diapositivos.

    É muito reconfortante ver os miúdos a interagir quando nos aplicamos com amor a essa missão!

    ResponderEliminar
  9. Amiga, as fotos não enganam!
    Tu estavas embevecida a contar a história, e eles não tiravam os olhos de ti!
    Quando a minha neta Carlota andava no primeiro ou segundo ano, a professora pediu aos pais para lá irem espaçadamente, falar deles, e dos seus trabalhos. Combinei com ela e fui lá dar uma aula de bateria, a minha paixão.
    Como não é um instrumento que dê para fazer uma música, todos tocaram comigo, e fizemos coisas engraçadas.

    ResponderEliminar
  10. eu este ano não fui à escola da minha filha, porque já havia muitos pais para contarem histórias, o que diz que as coisas estão a melhorar na cooperação escola-família, Graça.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Carol
    Excelente esta tua vontade de continuação com os mais pequenos, acredito que eles gostaram imenso da tua presença. É umm óptima ideia, útil e compensadora ao contribuires para o bem estar deles.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  12. Que ternura de actividade! Muitos parabéns à leitora e JI que tem estas iniciativas.
    A minha irmã que foi, como sabes, professora do 1º ciclo tem ido muitas vezes às escolas das netas ler histórias e falar/e pôr em práticas jogos dos seus antigos alunos!
    Quando o meu neto chegar a essa idade já andarei de bengala! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  13. Excelente iniciativa. Por aqui, os pais (que não dominam ainda o inglês) são encorajados a ler aos seus pequeninos na sua língua materna. Estudos têm sido feitos que indicam que quando as crianças veem os seus pais envolvidos em atividades escolares, têm muito melhor aproveitamento.
    Once a teacher, always a teacher, não é Graça?

    ResponderEliminar
  14. It is, indeed, Catarina, dear!

    Não vais nada de bengala, Rosinha! Vais e toda contente...

    Caro folha seca, têm muito valor as pessoas que foram estudar mais tarde. Sempre as admirei imenso; até porque tive alunos adultos à noite e que esforço faziam! Parabéns pelo seu esforço e pela sua vontade!
    Também já fui à Biblioteca Municipal com a minha neta Ouvir histórias, Rui.

    Parabéns à D. Zaida e esposo pela vossa dedicação aos livros e às leituras!

    Obrigada a todos pelas vossa palavras de concordância, amigos!
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  15. Deve ser muito enriquecedor para todos, esse tipo de diversificação de actividade escolar ! A diversidade quebra a monotonia e é sempre motivadora.
    Para os filhos ou netos, então deve ser um enorme motivo de orgulho ! :))
    .

    ResponderEliminar
  16. Que bacana, Graça, é tão importante para os pequenos quando as famílias participam de sua vida escolar.
    Desde a pré escola de minha filha que participo do que posso. Fico feliz em fazer isso e ela se sente orgulhosa ao ver o quanto me importo e a valorizo.
    Pelas fotos dá pra ver o quanto estavas entrosada com os pequenos.
    Bjs

    ResponderEliminar